5 duplas brasileiras que marcaram o futebol mundial

  • por Henrique Souza
  • 7 Anos atrás

Complementando a lista da semana anterior, hoje trazemos 5 grandes duplas brasileiras que, sem dúvida, estão entre as melhores parcerias do futebol. Não concorda com alguma delas? Faltou alguém? Comente abaixo e deixe sua opinião sobre a matéria!

Paulo Nunes e Jardel

Paulo Nunes e Jardel foi um exemplo clássico de dupla de ataque com um jogador mais veloz, de mais mobilidade, e outro mais forte, de menos movimentação e forte na bola aérea e na finalização. Foram duas temporadas juntos em um dos maiores times da história do Grêmio. Diversos gols nasceram das tramas entre os dois atacantes, ora aproveitando a velocidade de Paulo Nunes, ora aproveitando a presença de área e talento raro no jogo aéreo de Jardel. A dupla conquistou 2 Campeonatos Gaúchos (1995 e 1996), 1 Recopa Sul-Americana (1996) e 1 Taça Libertadores da América (1996).

Tostão e Dirceu Lopes

O maior Cruzeiro da história contou com a excepcional parceria entre Tostão e Dirceu Lopes. Muito mais do que um atacante e um meio-campo, os dois eram técnicos, habilidosos e inteligentes, capazes de atuar mais recuados ou adiantados com a mesma qualidade. Existindo de 1964 até 1972 no Cruzeiro, a parceria rendeu 5 Campeonatos Mineiros (de 1965 a 1969) e 1 Campeonato Brasileiro (a Taça Brasil de 1966). Merece destaque a decisão de 1966 contra o Santos de Pelé. Comandados pela dupla, o Cruzeiro aplicou uma goleada de 6×2 no Mineirão e venceu por 3×2 no Pacaembu, sagrando-se campeão de forma incontestável.

Ralf e Paulinho

A dupla de volantes do Corinthians mais vencedor de todos os tempos foi uma parceria tão notável que, embora a equipe fosse extremamente coesa, Ralf e Paulinho eram, sem dúvida, a espinha dorsal do time. Marcação forte, qualidade na saída de bola e ótima chegada ao ataque. Tudo isso era garantido pela dupla, que atuou de 2010 a 2013 no alvinegro. Nesse período, o Corinthians venceu 1 Paulistão (2013), 1 Campeonato Brasileiro (2011), 1 Taça Libertadores (2012) e 1 Mundial Interclubes (2012). Pela seleção brasileira, foram 2 Superclássicos das Américas (2011 e 2012).

Romário e Bebeto

Dois grandes craques, atacantes completos. Não havia como não dar certo a dupla entre Bebeto e Romário. Embora tenham estado juntos em Flamengo e Vasco por curtos períodos, foi na seleção brasileira que a dupla mais brilhou. Habilidosos, oportunistas, de ótima movimentação e mortais nas finalizações, Bebeto e Romário se completaram como poucos quando atuaram juntos. Pelo Brasil, foram medalha de prata em Seul (1988), campeões da Copa América em 1989, da Copa das Confederações em 1997 e da Copa do Mundo de 1994, no seu grande momento pela seleção. Dos 11 gols marcados pela equipe, 8 saíram dos pés da dupla (5 de Romário e 3 de Bebeto). A única partida onde um dos atacantes não marcou foi justamente quando o Brasil não fez gol, na final diante da Itália.

Pelé e Garrincha

Pela seleção, nunca foram derrotados juntos. Só isso já bastaria para descrever a parceria entre os dois prováveis maiores gênios do futebol brasileiro. Presença certa em qualquer seleção brasileira de todos os tempos, Pelé e Garrincha atuaram pelo Brasil de 1958 a 1966, e em 40 partidas venceram 35 e empataram 5. A dupla teve papel fundamental no bicampeonato mundial de 1958 e 1962. Na Suécia, um garoto negro de 17 anos encantou o mundo com seu talento, enquanto em 1962 foi a vez do ponta direita de pernas tortas brilhar e carregar a equipe nas costas após a contusão do camisa 10. Na Copa de 1966, estiveram juntos apenas em uma partida, na vitória contra a Bulgária, naquele que viria a ser o último jogo da dupla.

Comentários

Doente por futebol desde que se conhece por gente. Formado em Educação Física e estudante de jornalismo. Apaixonado por jogos e times clássicos. Considera Zidane, Ronaldo, Romário e Messi os maiores que viu jogar.