Anelka no Galo e o golaço fora de campo

  • por Leandro Lainetti
  • 7 Anos atrás

Nicolas Anelka, o veterano atacante francês com passagens por Chelsea, Liverpool, Manchester City, Juventus e muitos, muitos outros clubes, no Atlético Mineiro. Aí está uma contratação que nem no mundo mais alternativo poderíamos imaginar. Depois de inúmeros jogadores brasileiros mais rodados voltarem ao país, como Luis Fabiano, Ronaldinho Gaúcho, Ronaldo, Juninho Pernambucano, entre tantos outros, parece que os grande clubes do Brasil estão iniciando um movimento de importação de jogadores estrangeiros consagrados.

Ainda que esse novo cenário seja praticamente embrionário – com a contratação de Seedorf pelo Botafogo – pode ser uma vertente interessante no caminho da internacionalização das marcas dos nossos clubes. Quando o holandês aterrissou no Rio de Janeiro, o Botafogo foi capa em diversos jornais italianos, e certamente notícia em muitos lugares do planeta. Por mais que não tenha dado nenhum título de expressão ao alvinegro carioca, Seedão certamente trouxe mais atenção da mídia, tanto nacional quanto internacional para o clube, além de inserir um pouco de cultura e mentalidade diferentes.

Foto: Repdroução - Jornais da França, Itália e Portugal repercutiram a contratação. Internacionalização da marca

Foto: Repdroução – Jornais da França, Itália, Portugal e Espanha repercutiram a contratação. Internacionalização da marca

Embora Anelka não disponha da mesma qualidade técnica do atual treinador do Milan, sua presença vai significar um interesse maior pelo Galo. Em ano de Copa do Mundo, quando toda mídia mundial está mais atenta ao que acontece em nosso país, nada melhor do que ter um jogador globalmente conhecido, ainda mais ao lado de Ronaldinho Gaúcho (com quem jogou por dois anos no PSG – entre 2000 e 2002), um dos nomes mais reconhecidos do futebol e muito querido na França, de onde vem o novo reforço do Atlético.

É claro que a torcida do clube mineiro espera que a contratação de Anelka também seja refletida em campo, com gols e boas atuações. Mas, talvez, nesse momento, seja hora de todos os clubes olharem para os exemplos de Atlético Mineiro e Botafogo e enxergarem que, se no passado os grandes gênios do futebol se encontravam por aqui e atraiam as atenções de todo mundo por si só, hoje os clubes precisam de nomes famosos para voltarem, aos poucos, a serem reconhecidos em qualquer canto do planeta.

Essa situação se desenhou por diversos motivos com o passar do tempo. Em termos globais, nossos clubes foram ficando para trás, enquanto os gigantes europeus elevam seus nomes, marcas, patrocínios, vendas de produtos e camisas, fazem excursões, etc. Um pouco de ousadia em termos extra campo não fará mal a ninguém.

Que outros, assim como Anelka e Seedorf, venham para o nosso futebol. São de golaços fora de campo que o futebol brasileiro anda precisando. E o Atlético Mineiro acaba de marcar o seu.

Comentários

Jornalista trabalhando com marketing, carioca, 28 anos. Antes de mais nada, não acredito em teorias da conspiração. Até que me provem o contrário, futebol é decidido dentro das quatro linhas. Mais futebol nacional do que internacional. Não vi Zico mas vi Romário, Zidane, Ronaldinho, Ronaldo. Vejo Messi e Cristiano Ronaldo. Totti é pai.