Os fracassos chilenos na Libertadores

  • por Gustavo Ribeiro
  • 5 Anos atrás
Foto: Elgráfico: Cristián Romero após a eliminação da Libertadores

Foto: Elgráfico: Cristián Romero após a eliminação da Libertadores

Mesmo com um dos campeonatos nacionais mais fortes da América do Sul, os times chilenos não vêm conseguindo boas performances nas últimas edições da Copa Libertadores. O atual campeão O’Higgins e a Universidad deChile não se classificaram para as oitavas de finais, dando sequência a uma série de vexames chilenos na maior competição do continente.

A Unión Española, que passou em primeiro lugar no Grupo 2, impediu que os times do Chile repetissem a péssima campanha de 2013, quando Universidad de Chile, Huachipato e Deportes Iquique foram eliminados ainda na fase de grupos. Desde 2000, é a sétima vez que apenas que uma equipe do país avança às oitavas de final: Cobreloa (2003), Universidad de Chile (2005), Colo Colo (2007) e Universidad de Chile (2009, 2010, 2011)

O O’higgins, atual campeão do Clausura e disputando a Libertadores pela primeira vez em sua história, era um dos candidatos a surpresa da competição, mas não teve sorte no sorteio dos grupos. Los Celestes caíram no grupo 2, junto com Cerro Porteño (atual campeão Paraguaio), Lanús (atual campeão da Copa Sul-americana) e Deportivo Cali (vice-campeão do Campeonato Colombiano). Com quatro empates, sendo dois dentro de casa, e apenas uma vitória, o time de Rancagua deu adeus mais cedo à competição.

A Universidad de Chile já chegou sob muita desconfiança. Depois de um 2013 de altos e baixos e com trocas no comando técnico, a La “U” só conseguiu a classificação para a Libertadores pela Liguilla. Mas antes de entrar na fase de grupos, teve que passar pela Primeira Fase, a famosa “Pré-Libertadores”, em que não teve muitas dificuldades para eliminar o Guaraní, do Paraguai, e entrar no Grupo 5, que já tinha Cruzeiro, Real Garcilaso e Defensor Sporting. Com três vitórias, um empate e duas derrotas, terminou na terceira posição com nove pontos.

Desde 2000, quando a Libertadores passou a ser disputada no atual formato, nunca aconteceu de todos os times chilenos que participaram da fase de grupos avançarem às oitavas de final. Na atual edição, Universidad de Chile e O’Higgins já ficaram pelo caminho, enquanto apenas a Unión Española segue em frente. Em cinco das últimas 14 edições, todos os times chilenos foram eliminados antes das oitavas de final: 2000, 2004, 2006, 2008 e 2013.

Além do O’Higgins, outras equipes que chegaram como campeãs chilenas também fracassaram na fase de grupos: Universidad de Chile em 2000 e 2001, Santiago Wanderers em 2002, Colo Colo em 2003, Cobreloa em 2004 e 2005, Universidad Católica em 2006, Colo Colo em 2008, Everton em 2009 e Huachipato em 2013.

A situação dos times chilenos ficam ainda pior quando analisamos as fases mais agudas da Libertadores. Desde 1997, quando o Colo Colo foi eliminado nas semifinais pelo Cruzeiro, apenas duas vezes um representante do país figurou entre os quatro melhores da competição: a Universidad de Chile em 2010 e 2012.

A situação financeira pode ser uma das explicações para o mau desempenho. Segundo um levantamento feito pela Pluri Consultoria no início da competição, na lista dos 20 times mais valiosos da Libertadores, apenas um era chileno: a Universidad de Chile, na 16ª posição. Enquanto isso, temos seis brasileiros, cinco argentinos, três mexicanos e colombianos e dois equatorianos.

Pelos recentes fracassos, parece que vai demorar muito até outro time chileno conseguir repetir a campanha do Colo Colo em 1991, que terminou vencendo a competição após derrotar o Olimpia na final. Trata-se, até hoje, do único título do país na competição.

Comentários

Projeto de jornalista, mineiro, 20 anos. Viu que não tinha muito futuro dentro das quatro linhas e resolveu trabalhar dando seus pitacos acompanhando tudo relacionado ao futebol, principalmente quando a pelota rola nas canchas dos nossos vizinhos sul-americanos. Admirador do "Toco y me voy" argentino, também escreve no Sudaca FC e tem Riquelme e Alex como maiores ídolos.