Sete confrontos inusitados entre times brasileiros e seleções

  • por Lucas Sartorelli
  • 5 Anos atrás
capa

Foto: BBC

– Rússia jogando em Pelotas-RS? Não, não é a Copa do Mundo de 2014.

– Atlético Sorocaba invadindo Pyongyang para um jogo contra os comandados do ditador norte-coreano? Não, não é videogame.

– Brasil derrotando o Uruguai por 2×1 em 1950? Não, não é um sonho.

Conheça a história de sete curiosos jogos envolvendo clubes brasileiros e seleções que ficaram marcados em alguma parte da rica história do futebol

Santa Cruz 4 x 0 Tchecoslováquia – 1979

tchecos

Os tchecos campeões da Europa em 1979. Atropelados pelo Santinha | Foto: Reprodução

A partida foi válida pelo Torneio Internacional Marco Antônio Maciel diante de um público de 30 mil pessoas no estádio do Arruda, em Recife. Na época, a Tchecoslováquia (hoje dividida em República Tcheca e Eslováquia) era a campeã europeia e, na preparação para as eliminatórias do mundial de 1982 e da Eurocopa de 1980, veio à América do Sul para uma série de amistosos no Brasil e na Argentina. O Santa Cruz dominava o cenário pernambucano com sete conquistas estaduais somente na década de 70, além de boas campanhas em torneios nacionais. Com um time modificado, o saldo de 6 partidas dos europeus teve duas goleadas sofridas diante do Internacional em Porto Alegre e do Santa Cruz em Recife, ambas por 4×0. Venceu Figueirense e Bahia e empatou com Náutico e Desportiva.

Holanda 1 x 6 Botafogo – 1955

bota

Botafogo de Garrincha que fez história em 1955 | Foto: Reprodução

Em junho de 1955, o Botafogo fez sua primeira excursão para a Europa. Após uma viagem longa e cansativa, o glorioso cumpriria uma série de 18 amistosos contra times e seleções de destaque na época. Apresentando um futebol alegre e envolvente, o clube faria fama em solo europeu e apresentaria jovens como Garrincha e Nilton Santos, que, poucos anos depois, se consagrariam de vez levando a seleção brasileira ao título na Copa do Mundo de 1958. O Botafogo terminou sua missão com 11 vitórias, 5 empates e 2 derrotas, tendo assinalado 54 gols e sofrido 28, com amplo destaque para a senhora goleada contra a Holanda em plena Amsterdã. A Europa conhecia a magia do futebol brasileiro.

Avaí 2 x 0 Jamaica – 2008

avai jamaica

Jamaicanos em Floripa: não era pra tocar reggae | Foto: Reprodução

Jogo da paz. Assim foi nomeado o confronto entre Avaí x Jamaica no estádio da Ressacada em 2008. A partida teve o objetivo de conscientizar os torcedores da importância da paz nos estádios, além de realizar uma ação social com a arrecadação de mantimentos para entidades beneficentes de Florianópolis. Em sua segunda excursão pelo Brasil, a seleção jamaicana, dirigida na época pelo técnico brasileiro Renê Simões, fazia uma série de amistosos de preparação para as eliminatórias da Copa do Mundo de 2010 e deu trabalho ao Leão da Ilha, que só conseguiu abrir o placar ao fim do primeiro tempo, em um gol de pênalti convertido por Rafael Costa. Com um jogador a mais em boa parte da segunda etapa, o Avaí aumentou o ritmo e fechou o resultado com Luiz Fernando.

Atlético Sorocaba 0 x 0 Coréia do Norte – 2009

sorocaba

Um raro momento registrado na Coréia do Norte em 2009 | Foto: Reprodução

O ano era 2009. No dia em que o país mais fechado do mundo abriu as portas para um clube de futebol brasileiro, o modesto Atlético Sorocaba aproveitou a chance rara e embarcou até a Ásia para um amistoso inusitado e improvável contra a seleção da Coréia do Norte na capital Pyongyang. O rígido governo local, de alguma forma empolgado com a classificação para a Copa da África no ano seguinte, pela primeira vez permitiu que um jogo internacional de futebol fosse realizado em solo norte-coreano, muito em virtude do reverendo sul-coreano Sun Myung Moon ser o patrocinador do clube sorocabano na época. Vigiados desde a chegada, com materiais e equipamentos devidamente confiscados, o time do interior de São Paulo se sentiu em outro planeta, mas suportou a pressão em campo da torcida asiática que, à sua maneira, alternando gritos de incentivo com instantes de silêncio total, apoiou seu país até o fim do jogo e assistiu um 0x0 disputado.

Friburguense 9 x 0 Nicarágua – 2008

FRIB NICARAGUA

Friburguense com moral na Nicarágua | Foto: Jornal “La Prensa”

A seleção nacional de futebol teve um desempenho terrível em sua partida contra o Friburguense Atlético Clube. Ontem de manhã, o time perdeu por 9×0 para o Atlético (Friburguense), um dos clubes mais fortes no Rio de Janeiro”.

Assim, o diário “La Prensa” da Nicarágua noticiou em janeiro de 2008 o resultado da partida entre sua seleção e o Friburguense. O amistoso valia como preparação para o Campeonato Carioca e aconteceu no Estádio Eduardo Guinle, em Nova Friburgo. Com extrema facilidade, o time carioca goleou a seleção da América Central e terminou o estadual mais próximo da zona do rebaixamento que da de classificação, o que mostrou o nível do adversário encarado antes do Cariocão.

Pelotas 1 x 2 Rússia – 1994

pelotas-historiaecpelotas

Ingresso do um jogo histórico | Foto: historiaecpelotas.com

Em 1994, a cidade de Pelotas-RS recebeu uma ilustre visita internacional. Em preparação para a Copa do Mundo daquele ano, a seleção russa incluiu em seu cronograma um amistoso contra o Pelotas e foi até o Estádio da Boca do Lobo enfrentar os gaúchos. Os visitantes chegaram à cidade um dia antes do confronto e foram recebidos por milhares de torcedores.

O time europeu tinha como grande atração o atacante e artilheiro do Campeonato Russo de 1993 com 21 gols, o consagrado Viktor Pantchenko. Um outro atacante, este mais desconhecido, chamado Oleg Salenko, passaria despercebido naquele dia, porém, meses mais tarde, faria história na Copa do Mundo marcando 5 gols em um jogo contra Camarões e se tornando além de artilheiro, o primeiro (e até hoje único) jogador com essa marca na história dos mundiais.

Contando com o apoio de uma fanática torcida que lotou o acanhado estádio do interior gaúcho, o Pelotas chegou a equilibrar a partida em alguns momentos, mas não foi páreo para a marcação, velocidade e rapidez dos russos, que, com duas belas cobranças de falta de Liberkowski, venceram o jogo por 2×1.

Uruguai 1 x 2 Brasil – 1950

brasil_uruguai - almanaquebrasil

Um Brasil que fez história em 1950 | Foto: Almanaque Brasil

Não, o resultado desastroso do Maracanazzo de 50 que até hoje desperta traumas nos brasileiros não foi invertido. É apenas um outro lado da história, protagonizado por um outro Brasil e desconhecido por boa parte dos torcedores.

Dois meses antes da fatídica final da Copa de 1950, o Grêmio Esportivo Brasil, de Pelotas, foi convidado pela federação uruguaia de futebol para um amistoso como parte da preparação final da seleção para o mundial em terras brasileiras. E venceu.

Assim, no dia 19 de março de 1950, com gols de Darci e Mortosa, de pênalti (Míguez descontou para o Uruguai, também de pênalti), o Xavante derrotou a seleção do carrasco Ghiggia e calou milhares de uruguaios em pleno estádio Centenário, em Montevidéu, ironicamente vencendo pelo mesmo placar da decisão do mundial.

O resultado foi considerado o maior feito da história do futebol gaúcho no exterior até então e, segundo relatos, foi usado constantemente por brasileiros na fronteira entre os dois países como resposta às provocações de uruguaios após a final histórica no Maracanã.

________________________________

E vocês, doentes, conseguem citar mais algum exemplo?

Comentários

Paulistano, projeto de jornalista e absolutamente ligado a tudo o que envolve essa arte chamada futebol, desde a elegante final de uma Copa do Mundo às peculiaridades alternativas das divisões mais obscuras de nosso amado esporte bretão. Frequentador assíduo nas melhores (e piores) várzeas e peladas de fim de semana, sempre à disposição para atuar em qualquer posição.