Ross Barkley, o orgulho de Goodison Park

OLHO NELE ROSS BARKLEY

Por O Futebólogo

Antes do início da temporada, era quase impossível prever o quão interessante e boa seria a campanha do Everton na Premier League. A principal incerteza era a de como se daria a transição no comando dos Toffees, já que, depois de 11 anos, o clube deixou de ser treinado por David Moyes, que foi sucedido por Roberto Martínez, conhecido por operar milagres no Wigan Athletic. Todavia, o Everton mudou para melhor, ganhando em qualidade e espírito e rejuvenescendo. Foi nesse quadro que Ross Barkley, jovem de 20 anos, ganhou oportunidades concretas na equipe.

Nascido em Liverpool, Barkley tem toda uma vida dedicada ao Everton, tendo chegado ao clube com apenas 11 anos. Sua excepcional qualidade técnica o levou a atuar pela equipe sub-18 do clube com apenas 15 anos. Além disso, chamou a atenção dos treinadores das seleções inglesas de base, tendo representado as cores do English Team nos escalões sub-16, 17, 19, 20 e 21.

No profissional, o garoto ganhou suas primeiras oportunidades em 2011, estreando na derrota por 1×0 contra o Queens Park Rangers. Na ocasião, Barkley jogou os 90 minutos e começou a impressionar por seu talento, maturidade e disposição. Pouco antes do início da temporada 2011/2012, recebeu importante apoio do então ídolo do clube Tim Cahill:

“Ross Barkley é um talento especial. Ele é um jogador imenso com grande atitude no futebol. (…) Ele é muito maduro para sua idade e acho que será um trunfo enorme para o Everton nos próximos anos. Já joguei com grandes jogadores na minha carreira, mas acho que nunca vi um talento como o Ross”, disse o australiano.

Em sua temporada de debute, alternou entre o time principal e o reserva, tendo jogado em apenas seis partidas da Premier League, sem marcar ou assistir seus companheiros. Na temporada sequente, começou atuando no Everton, mas foi logo emprestado ao Sheffield Wednesday, e esteve em treze partidas nas quais marcou quatro gols. Sua passagem pelos Owls durou apenas dois meses. Com isso, retornou ao Everton, onde permaneceu mais um mês, sendo novamente emprestado, desta vez ao Leeds United, time pelo qual jogou apenas quatro vezes, sem destaque, em dois meses. De volta aos Toffees, terminou a Premier League no banco.

A temporada 2013/2014 chegou e o talento de Barkley finalmente desabrochou. Considerado um jogador box-to-box, é um atleta extremamente útil. Além de ter habilidade formidável e capacidades de passe e finalização acima da média, pode atuar em qualquer das posições do meio-campo. Outra característica que chama atenção no garoto é sua altura, 1,89m. Na atual temporada, disputou 41 jogos, anotando oito gols e três assistências.
Seu talento não passou despercebido e o garoto foi convocado para a Seleção Inglesa principal em agosto de 2013, estreando em setembro, na vitória por 4×0 contra a Moldávia, quando substituiu Jack Wilshere.

Outra prova de que vale a pena acompanhar a trajetória de Barkley – que assinala Mikel Arteta e Tim Cahill como as grandes influências no seu amadurecimento futebolístico – são as especulações entorno de seu nome. Chelsea, Liverpool e Manchester City já demonstraram interesse na contratação do jogador.

Foto: thepfa.com | Quando um treinador sério como Roberto Martinez afirma: "Ele é uma mistura entre Paul Gascoigne e Michael Ballack" - fica impossível  não ficar animado com o prospecto deste jogador.

Foto: thepfa.com | Quando um treinador sério como Roberto Martinez afirma: “Ele é uma mistura entre Paul Gascoigne e Michael Ballack” – fica impossível não ficar animado com o prospecto deste jogador.

Selecionado para o prêmio de melhor jogador jovem da temporada, ofertado pela PFA (Professional Footballers’ Association), junto com Daniel Sturridge, Raheem Sterling, Aaron Ramsey, Luke Shaw e Eden Hazard – o vencedor –, Barkley recebeu o apoio de seu treinador em declarações recentes.

“Ele é um talento fenomenal e o melhor talento inglês que vi. A pessoa que vai junto com essa qualidade também é especial. (…) Não acho que exista outro jogador na Inglaterra que possa fazer o que Ross faz”, disse Roberto Martínez, após a derrota do Everton contra o Manchester City.

Convocado para a Copa do Mundo, Barkley ainda não será protagonista, mas não há dúvidas de que não lhe falta talento para tanto. Se tudo correr dentro da normalidade, o futuro inglês passará por seus pés. Seu contrato com o Everton vai até o final da temporada 2015/2016, mas há indícios de que sua história em Goodison Park pode terminar antes desse período. Os olhos dos grandes clubes europeus pairam sobre este talento e, por isso, Doentes, olho nele!

https://www.youtube.com/watch?v=qLasorex_3Q

Atualização (19/08/2015)

Foto: Everton FC

Foto: Everton FC

Após uma temporada em que Ross Barkley encheu os olhos dos amantes do futebol, em 2014-2015, como toda a equipe do Everton, o garoto caiu de produção. Atuando várias vezes em outras posições que não a sua preferencial, como camisa 10 (por vezes mais recuado e em outros turnos aberto pelos flancos), Barkley não repetiu as boas performances de 2013-2014 e terminou a campanha com 36 partidas disputadas, dois gols marcados e três assistências concedidas. Além disso, ficou afastado das sete primeiras rodadas da Premier League, com uma lesão.

Não obstante, 2015-2016 começou com tudo para o garoto que nas duas primeiras partidas da Premier League mostrou dois lados de sua faceta: o do grande futebol e o da indolência. Diferenciado, Barkley se destaca muito no time de Roberto Martínez e talvez por isso peque algumas vezes por certa displicência e falta de dedicação coletiva – que pode ser uma questão relacionada à idade.

Com dois gols e uma assistência nas partidas contra Watford e Southampton, Barkley promete desabrochar o melhor de seu futebol na atual temporada, para o bem dos Toffees, que buscam uma nova temporada de sucesso, e da Seleção Inglesa, que vê nele uma das peças mais importantes de sua renovação.

https://www.youtube.com/watch?v=PSSHIUX70lg

Comentários

Advogado graduado pela PUC Minas, mestrando em Ciências da Comunicação (Universidade do Minho) e Jornalismo Esportivo (MARCA), 26 anos. Amante do futebol inglês, mas que aprecia o esférico rolado qualquer terra. Tem no atacante Marques e no argentino Pablo Aimar referências; e não põe em dúvida quem foi o melhor jogador que viu jogar: o lúdico Ronaldinho Gaúcho, na temporada 2004/05. Também n'O Futebólogo e na Revista Relvado.