Costa Rica, Uruguai Pobre

  • por Lulu
  • 7 Anos atrás

A zebra deu coice em pangaré. A seleção uruguaia possui muita raça e pouca graça, caiu porque decaiu. Vale salientar, a Celeste passou apuros nas Eliminatórias, o grupo de jogadores é rodado e “meio quadrado”. Falta criatividade, dinamismo insinuante, peças de reposição e sangue jovem.

Por consequência, o revés não foi tão surpreendente – fora o histórico considerável de decepções anteriores contra adversários menores, independentemente da ótima campanha na Copa da África, da conquista da Copa América de 2012 em plena Argentina e do sufoco proporcionado ao Brasil na Copa das Confederações do ano passado.

Campbell festejando seu gol ao lado do desanimado Stuani | Foto: Olé

Campbell festejando seu gol ao lado do desanimado Stuani | Foto: Olé

O trunfo-rei, Luis Suárez, não jogou e viu de perto o drama. Cavani, que converteu com personalidade o pênalti sofrido por Lugano, assimilou que Forlán passou de manda-chuva para inocuidade em 4 anos. Ou seja, o tridente mortífero virou um espeto que não fura.

Bom para o nada badalado Campbell, que monopolizou holofotes comandando a vitória dos costa-riquenhos ao lado de Oscar Duarte, Ureña & Grande Elenco. Por fim, o grupo da morte deixou os algozes de 1950 em estado moribundo, enquanto a primeira grande surpresa do Mundial, a Costa Rica, vislumbra o improvável. Que é sonhar!

Comentários

Homem garoto de convicções grisalhas formado em Ciência da Menstruação, Agronomia Espacial, Lirismo Marginal e Terapia Libidinosa. Com repertório vocacional fincado em irreverência, improviso, cinismo lúdico e boleiragem plena.