Doentes por Copa – França

França

COMO SE CLASSIFICOU:

Pela segunda edição consecutiva, a França precisou passar pela Repescagem para chegar à Copa do Mundo. Para o Mundial do Brasil, os Bleus ficaram em segundo no Grupo I das Eliminatórias e precisaram desbancar a Ucrânia em dois jogos para confirmar presença na quinta Copa do Mundo consecutiva, 14ª em sua história.

Na fase de grupos, a França ficou atrás da atual campeã do mundo, a Espanha, somando 17 pontos em oito partidas. O ponto alto da campanha foi justamente o empate em 1×1 diante dos espanhóis no Vicente Calderón, no qual mostrou forças para buscar o resultado nos descontos do árbitro. Entretanto, o que ficará marcado serão os dois jogos na Repescagem frente à Ucrânia. Após perder por 2×0 em Kiev, tendo o zagueiro Laurent Koscielny expulso por agredir um adversário, a França renasceu e, com Stade de France lotado, conseguiu a vitória por 3×0, com participação decisiva de Mamadou Sakho, autor de um dos três gols.

TÉCNICO:

França

ESTATÍSTICAS:

Dos 24 jogadores convocados pelo técnico Didier Deschamps para enfrentar a Ucrânia na Repescagem, somente nove já disputaram alguma Copa do Mundo. Dos 11 titulares do jogo de volta, então, sete ainda não pisaram em campo em jogos de Copa;

O jogador da seleção francesa de maior valor de mercado, segundo o site Transfermarkt, é Franck Ribéry: 42 milhões de euros*

A média de idade da seleção francesa é de 27,7 anos*

Do atual elenco*, Franck Ribéry é o jogador com maior número de atuações com a camisa da seleção francesa: 76. Ele é o 16º atleta com mais jogos na história dos Bleus. Caso faça quatro jogos na Copa, ultrapassará Robert Pirès no ranking;

Em questão de gols, o melhor colocado é Karim Benzema, 17º na história com 15 tentos. Laurent Blanc ocupa a posição seguinte com um gol a mais;

O período em que a França mais marcou gols durante as Eliminatórias foi entre os 15 e os 30 minutos do segundo tempo. Neste intervalo, saíram 33,3% do total dos tentos franceses;

Ao longo da história, a França fez 54 jogos de Copa do Mundo, tendo vencido 25, empatado 11 e perdido 18. Foram 96 gols marcados e 68 sofridos. O aproveitamento é de 55,46%** e a média de gols é de 1,77 por jogo;

Segunda adversária na Copa, a Suíça foi adversária da França em 36 oportunidades. Os franceses venceram 16 jogos e perderam 11, além de 9 empates. As duas seleções se enfrentaram na Copa de 2006: 0x0;

A Suíça não vence a França desde 1992, quando triunfou com o placar de 2×1, em Lausanne;

*Levando em consideração a última convocação de Deschamps;

**A França disputou nove Copas do Mundo com vitórias valendo dois pontos. Esses pontos NÃO foram convertidos para a conta do aproveitamento.

camisa frança

PONTO FORTE:

O ponto forte da seleção treinada por Deschamps é a mescla de características dos homens de meio e ataque, que fazem com que o elenco seja plural. O técnico escala a França normalmente no 4-3-3, e nos seis homens mais adiantados existem características diferentes. Blaise Matuidi é volante mordedor, mas de ótimo avanço com a bola dominada e aparição como elemento-surpresa. Paul Pogba é uma das joias do país e possui técnica refinada na perna direita. Yohan Cabaye é muito inteligente com a bola no pé, trabalhando também como armador, além de ser ótimo na bola parada. Mais à frente encontra-se a formiguinha Mathieu Valbuena. Habilidoso e dono de potente chute de média e longa distância, o jogador do Marseille pode ser, em 2014, tão vital quanto foi Franck Ribéry em 2006. Karim Benzema é a referência de ataque. Pode estar em fase sombria, mas é sempre esperança de gols. Enquanto Ribéry recusa maiores apresentações. É o principal jogador desta geração e consegue mesclar velocidade, dribles, abertura de espaços e entradas diagonais. Essas características dos seis jogadores citados podem ser o tempero necessário para a França ir longe.

PRINCIPAIS DESTAQUES:

França Ribéry França Pogba França Benzema

PONTO FRACO:

O ponto fraco de todo time está justamente no forte sexteto ofensivo: Karim Benzema. Não tem convencido e é alvo de imensas críticas, mas acaba jogando por não ter alguém que transmita maior confiança. Olivier Giroud, do Arsenal, também não empolga, enquanto Bafetimbi Gomis e André-Pierre Gignac não repetem na seleção as atuações que apresentam por Lyon e Marseille, respectivamente. Quem cresce na briga é Loïc Remy, do Newcastle. Com boas aparições na Premier League, ele pode desbancar Gomis ou Gignac, mas ainda causa dúvidas quanto ao potencial que tem para ser o “9” desse time. Em oito jogos na fase de grupos, a França fez apenas 15 gols, sendo que somente Ribéry fez um terço desses. Em contrapartida, é importante citar que os franceses tiveram o melhor ataque da chave, mas que oito times eliminados na mesma fase fizeram mais gols.

CONFIRA TAMBÉM: Conteúdo exclusivo da Copa do Mundo 2014 – Doentes por Copa.

EQUIPE:

Deschamps ainda não definiu 100% qual será o time titular francês na Copa. O esquema, a princípio, será o 4-3-3, já que o 4-4-2 foi testado e não agradou. A maior dúvida estava no miolo de zaga, mas o destempero de Koscielny e a eficácia de Sakho na Repescagem parecem ter definido o parceiro do jovem Raphaël Varane.

Equipe-base da França

Time-base da França

OPINIÃO:

A seleção francesa conta com uma lista enorme de objetivos e não sabe qual deve priorizar. O maior deles é evitar vexames como os vistos nas últimas duas Eurocopas e na Copa do Mundo de 2010. Em seguida, vem a ideia de jogar o que não jogou durante as Eliminatórias. Se a tranquilidade no vestiário vier, assim como o bom futebol, os resultados virão e, mesmo sem o título (que não passa de sonho), a França dará o primeiro grande passo para acertar os pontos e caminhar tranquila para jogar e sediar a Euro 2016. Os franceses podem chegar até as quartas-de-final. Penso, no entanto, ser o máximo que conseguirão.

CONVOCADOS:

Goleiros: Hugo Lloris (Tottenham/ING), Stéphane Ruffier (Saint-Étienne) e Mickaël Landreau (Bastia);
Laterais: Mathieu Debuchy (Newcastle/ING), Lucas Digne (Paris Saint-Germain), Patrice Evra (Manchester United/ING);
Defensores: Raphaël Varane (Real Madrid/ESP), Mamadou Sakho (Liverpool/ING), Laurent Koscielny (Arsenal/ING), Eliaquim Mangala (Porto/POR), Bacary Sagna (Arsenal/ING);
Meio-campo: Yohan Cabaye (Paris Saint-Germain), Paul Pogba (Juventus/ITA), Blaise Matuidi (Paris Saint-Germain), Moussa Sissoko (Newcastle/ING), Clément Grenier (Lyon), Rio Mavuba (Lille) e Mathieu Valbuena (Olympique de Marseille)
Atacantes: Karim Benzema (Real Madrid/ESP), Franck Ribéry (Bayern de Munique/ALE), Antoine Griezmann (Real Sociedad/ESP), Olivier Giroud (Arsenal/ING) e Loïc Rémy (Newcastle/ING).

França (2)

Comentários

Uma mistura maluca de pessoa. Academico de jornalismo, catarinense de origens italianas e espanholas, mas apaixonado pela bola que rola na terra da Torre Eiffel e pela gorduchinha que pinta os gramados cheios de chucrute da Alemanha. Não escondo minha preferência por times que tem uniformes nas cores amarelas e pretas, mas sempre com análises bem embasadas... ou não. Mas acima de tudo, sou um Doente Por Futebol.