É preciso corrigir, não desesperar!

  • por Eduardo Jenisch Barbosa
  • 7 Anos atrás
Foto Assessoria CBF - Luiz Gustavo vem sendo destaque

Foto Assessoria CBF – Luiz Gustavo vem sendo destaque

Antes de apontarmos a lente para o nosso umbigo, o que fazemos com frequência, nos esquecendo do adversário, é preciso ressaltar os méritos do México. El Piojo Herrera armou uma equipe bem organizada taticamente, que soube explorar as costas de nossos laterais e assustar nos arremates de longa distância. Sem falar em Ochoa, que evitou o gol brasileiro com boas defesas, três delas espetaculares.

O México dominou alguns trechos da partida, quando conseguiu mais volume ofensivo e incomodou o Brasil ao trocar passes com competência. Mas não teve a chance clara de gol. Os comandados de Scolari tiveram uma atuação mediana para baixo e mesmo assim criaram chances o suficiente para ter vencido, transformando o empate em injusto.

Nenhuma avaliação em primeira fase pode ser definitiva. Uma goleada não pode empolgar e um empate inesperado não pode deprimir. Tratando-se dos gigantes, e o Brasil é o maior deles, estes três primeiros jogos são como o pagamento de um pedágio, um carimbo burocrático para o que realmente interessa. A Copa do Mundo começa nas oitavas de final. Antes é brincadeira de criança.

É preciso fazer algumas correções, mas não podemos e nem temos tempo para terra arrasada. Não acho que a questão tenha sido a ausência de Hulk, pois o principal problema seguiu sendo o mesmo que o da estreia. Existe um espaçamento exagerado entre os setores e os mais talentosos da equipe não dialogam com a frequência que deveriam.

Ao tentar corrigir no intervalo, Felipão veio com Bernard, que por mais promissor que seja, não era a melhor solução para o momento. Era preciso rechear o meio campo e a colocação de um ponta só fez as peças ficarem ainda mais distantes uma da outra. A maioria das análises fala em Oscar ou Willian. Eu digo Willian e Oscar, aproveitando o entrosamento do Chelsea e dando mais volume ao meio.

Fred não faz boa Copa, mas seu substituto não é confiável. Paulinho vem muito mal, mas tem mais sombra. Hernanes pode ser uma boa alternativa. De boas atuações diante do México, podemos destacar Luiz Gustavo, excelente como cão de guarda, Thiago Silva, um verdadeiro monstro na defesa e no ataque, e seu parceiro David Luiz, que outra vez teve ótima performance.

Foto Assessoria CBF- Thiago Silva honrando o apelido de monstro.

Foto Assessoria CBF- Thiago Silva honrando o apelido de monstro.

Abaixo do trio, vem Neymar, que oscilou e foi fominha em várias oportunidades, mas chamou a responsabilidade. Teve um cabeceio espetacular, foi no último andar, no primeiro tempo e deu um belo chute de canhota no segundo que, não fossem as intervenções mágicas de Ochoa, dariam a vitória ao Brasil.


Do meio para frente precisamos melhorar no tabelamento. A ligação direta pode dar certo, mas é preciso colocar mais a bola no chão e envolver mais os oponentes. Temos peças para isso. O sistema defensivo do Brasil merece elogios, é muito sólido. Até o momento, em 180 minutos, sofremos um gol acidental. E Júlio César tem dado segurança na meta.

Felipão demonstrou não ter gostado da atuação nos gestos corporais e no péssimo humor na coletiva, mas, verbalmente, defendeu o seu time. Fez bem – queimar o grupo com a competição em andamento não seria inteligente ou prudente. Internamente, vai exigir e muito. Esse é seu modus operandi, é como ele faz seu trabalho. Mas ainda vejo gente experiente criticando Felipão por ter sido simplesmente…Felipão!

E ele, como poucos, sabe usar estes momentos de tensão para tirar o máximo de seus jogadores. É preciso ganhar e melhorar diante de Camarões, para chegar bem nas oitavas. Mas não vejo motivos para desespero.

Avaliações:

Júlio César
Muito bem quando acionado, transmite confiança. Nota: 7

Daniel Alves
Melhor que na estreia, evoluiu defensivamente, mas no ataque segue nulo. 
Nota: 6

Thiago Silva
Um monstro na defesa e no ataque. 
Nota: 8

David Luiz
Mais uma ótima atuação, muita raça e segurança. 
Nota: 7,5

Marcelo
Evoluiu no aspecto defensivo, no ataque buscou mais o jogo, mas falhou no acabamento das jogadas. 
Nota: 6,5.

Luiz Gustavo
Um baita cão guarda, mais uma bela atuação. 
Nota: 8

Paulinho
Outra fraca atuação, parece sem embocadura. Marcação salva um pouco sua performance. 
Nota: 5

Ramires
Começou bem o jogo, mas desapareceu depois do cartão. 
Nota: 5

Neymar
Oscilou, fominha por vezes, mas chamou a responsabilidade e, não fosse Ochoa, teria dado a vitória ao Brasil. 
Nota: 7,5.

Oscar
Mal ofensivamente, mas muito importante na marcação. 
Nota: 6

Fred
Muito mal, nem pênalti conseguiu cavar desta vez. 
Nota: 4

Bernard
Um bom cruzamento e só. 
Nota: 5

Willian
Pouco tempo em campo, mas mostrou que pode ser o recheio que falta ao meio. 
Nota: 6


No primeiro lance uma canelada, depois perdeu boa chance. Movimentou-se bem e só. 
Nota: 5.

Felipão
Pensou bem a escalação, mas, vendo que não deu certo, buscou a solução errada. 
Nota: 5.

Comentários