O destino impõe

  • por Leandro Lainetti
  • 7 Anos atrás

O ano era 2010. Quartas de final. Brasil x Holanda. O melhor goleiro do mundo naquele momento estava ao nosso lado. O que havia para temer? Absolutamente nada. Mas todos sabemos como aquele dia terminou. A bola mais fácil da temporada veio na direção de Julio César, implorando para ser afastada. Mas os Deuses do futebol gostam de dramas, histórias de redenção. E antes de ser herói, o destino impõe: você precisa ser vilão.

Um pulo silencioso, o salto do companheiro, as mãos fechadas, o soco com endereço certo… o vazio. A crueldade na potência máxima e praticamente em câmera lenta. O choro sincero e instantâneo foi acompanhado pela confissão de culpa e por um pedido de desculpas em rede nacional. Nada que diminuísse as pesadas críticas. A cena, que esfumaçou de nossas cabeças uma semana depois, perseguiu o goleiro por quatro anos, estivesse ele vestindo a camisa da Seleção ou não.

Charge: Willgnner Marinho

Charge: Willgnner Marinho

Calhou que ele voltou a vestir, não sem ouvir, dia sim e outro também, que nem merecia estar ali. Cada convocação, cada jogo e todos lembravam da fatídica caça às borboletas de 2010. Mas a redenção não é assim, da noite para o dia. É um processo que vai amadurecendo, deixando os ávidos críticos certos de que ela nunca virá e eles terão razão em açoitar o nosso pobre vilão mais uma vez.

2013. Copa das Confederações, semifinal, Mineirão lotado, o eterno rival Uruguai. Bola na marca da cal, bola nas mão de Julio. Vitória por 2×1, vaga na final e título. Meses depois, lesões, incertezas, poucos minutos em campo e a garantia de Felipão que estaria na Copa, não sem ouvir o quanto isso era absurdo. Mas o destino, sabemos todos, escreve certo por linhas tortas.

Redenção: Julio Cesar defende cobrança de Alexis Sánchez | Foto: Divulgação/FIFA

Redenção: Julio Cesar defende cobrança de Alexis Sánchez | Foto: Divulgação/FIFA

O Mineirão, de novo, era o palco do espetáculo. O rival, outro sul americano. O goleiro, Julio Cesar. A redenção estava a caminho. Não sem antes deixar 120 minutos se passarem, não sem deixar a bola de Pinilla beijar a trave, como quem diz “não estrague a história, o herói aqui será outro”, não sem fazer todos os olhos se voltarem para um único lugar: as traves nas quais se encontrava nosso protagonista.

Pegou um. Pegou dois. Só precisou pular no canto certo no último pênalti para afugentar a bola de suas redes. O mar amarelo vibrou, os amigos correram para abraçar, os críticos fingiram não ver.

E o destino? Bom, o destino impõe: depois de ser vilão, Julio, você pode ser herói.

Comentários

Jornalista trabalhando com marketing, carioca, 28 anos. Antes de mais nada, não acredito em teorias da conspiração. Até que me provem o contrário, futebol é decidido dentro das quatro linhas. Mais futebol nacional do que internacional. Não vi Zico mas vi Romário, Zidane, Ronaldinho, Ronaldo. Vejo Messi e Cristiano Ronaldo. Totti é pai.