E Recomeça o Paulistão Feminino 2014

  • por Matheus Mota
  • 7 Anos atrás
Campeonato Paulista Feminino 2014. Foto: Reprodução

Campeonato Paulista Feminino 2014. Foto: Reprodução

Com o final da Copa do Mundo, além do Brasileirão, outros torneios também voltam a ocorrer normalmente, em sua maioria campeonatos estaduais, e dentre estes, um dos certames mais fortes do país: o campeonato paulista de futebol feminino. Apesar do alto nível que possui entre os campeonatos da modalidade, o paulista ainda sofre com um problema comum na categoria por aqui: a falta de visibilidade (que acaba gerando a discussão “o público não acompanha por que a mídia não cobre ou a mídia não cobre por que o público não acompanha?”).

Sobre o campeonato em si, a primeira fase foi disputada antes da Copa, e consistia em dois grupos de seis equipes, com partidas de ida e volta. Os 4 melhores se classificaram para a fase seguinte, que é de mata-mata, com o critério de chaveamento visto na Libertadores (o primeiro colocado do Grupo A pega o quarto do Grupo B, e assim sucessivamente). Pode parecer muito classificar 4 times em um grupo de 6, mas isto ocorre por conta da manutenção do regulamento visto nas edições passadas. A atual edição representa um retrocesso nesse sentido – desde 2010, o campeonato possuía um número de participantes que girava entre 18 e 20.

Apesar desses percalços, o nível da competição continua alto. Prova disto é o desempenho das equipes paulistas em competições nacionais. Desde que a Copa do Brasil da modalidade começou a ser disputada, apenas em duas edições (2007 e 2010) o campeão não foi do estado. No Campeonato Brasileiro, que teve sua primeira edição realizada no ano passado, São Paulo teve o campeão, o vice e o 4º colocado.

Na atual edição do paulista, os favoritos são o São José, atual campeão da Libertadores e dono da melhor campanha do estadual, a Ferroviária de Araraquara, campeã paulista de 2013 e da Copa do Brasil de 2014, e o paulistano Centro Olímpico, campeão do Brasileirão 2013. As equipes citadas são favoritas em seus duelos pelas quartas de final, nos quais enfrentam América de São Manuel, Taubaté e Rio Preto, respectivamente (o último confronto da etapa é entre Portuguesa e XV de Piracicaba). O campeonato volta a ser disputado no dia 02/08, com a partida de ida entre Rio Preto e Centro Olímpico, às 15:00 no Anísio Haddad. A final está marcada para o feriado de 07/09, visando incentivar os torcedores a comparecer ao evento.

Ao incauto, causa estranhamento a ausência dos clubes grandes do estado. Infelizmente, todos eles desativaram seus departamentos de futebol feminino. Nenhum deles forneceu justificativa oficial, mas é possível elencar alguns dos fatores que podem ter influenciado essa decisão.

Como já foi mencionado anteriormente, falta visibilidade aos torneios femininos, que só entram em voga quando a seleção brasileira disputa alguma competição de vulto. O país tem uma geração de ouro, com Marta e cia., mas, sem o devido apoio, o processo de formação de novas atletas torna-se muito mais difícil. Outro ponto está na própria CBF, que não prestigia suficientemente a categoria. Exemplo disso é o Campeonato Brasileiro 2014, que sequer possui calendário no momento. Sem datas definidas, fica difícil para os clubes negociarem patrocínios.

É fato que o Brasil possui tradição na modalidade, mas que não a trata com a devida atenção. É verdade que houve progressos a partir da década passada, mas, considerando todo o potencial disponível, o que se vê ainda está aquém do ideal. Todos (federações, clubes, mídia e público) têm parcela de responsabilidade neste cenário, e só com um trabalho sério e uma mudança de mentalidade será possível reverter o presente quadro.

Comentários

Paulista e torcedor do Santo André. Historiador, acompanha o futebol como um todo, mas sobretudo o lado mais alternativo da coisa.