Em 4 anos tudo pode mudar

  • por João Almeida
  • 7 Anos atrás
Foto: AP - O time de 2010: destes 11, apenas 2 disputaram a Copa de 2014.

Foto: AP – O time de 2010: destes 11, apenas 2 disputaram a Copa de 2014.

É possível imaginar que, em 2018, no ano da próxima Copa, a dupla de zaga titular da seleção brasileira esteja disputando o campeonato brasileiro? E que um dos principais jogadores do plantel, cuja transferência no ano anterior foi uma das maiores da história do futebol, passe a jogar em um campeonato periférico?

Bom, pode parecer um tanto improvável que isso aconteça, mas, acredite, aconteceu. Pode ser difícil imaginar que Thiago Silva e David Luiz sejam atletas de clubes brasileiros em quatro anos, mas também era bem difícil prever que Kaká, que, um ano antes da última Copa, foi comprado pelo Real Madrid pela bagatela de 65 milhões de euros, seria jogador de um time americano, emprestado para um clube do Brasil. Aquela seleção que, em 2010, fracassou – de maneira bem menos vergonhosa que a de 2014 – diante da Holanda caiu, em sua maioria, no ostracismo. E não é muito difícil que o destino daqueles que perderam por 7 a 1 em uma semifinal de Copa seja semelhante.

O fracasso dos comandados de Dunga na sequência de suas carreiras já pôde ser constatado assim que Felipão escolheu os 23 que comandaria este ano. Apenas 5 jogadores (Julio César, Thiago Silva, Daniel Alves, Maicon e Ramires) constavam nas listas de ambos os treinadores. Levando em consideração todas as copas desde 1950, somente as seleções de 1978 e 1974 foram tão diferentes, tendo em comum o mesmo número de jogadores. Ou seja, a disparidade entre as seleções de 2014 e 2010 foi a maior da história do Brasil a partir da fatídica Copa de 50. Alemanha e Argentina, as duas seleções que protagonizaram a final da última edição da competição, tinham em seus times 11 e 9 jogadores que disputaram a edição da África do Sul, respectivamente.

Analisando jogador a jogador, é possível ter uma noção de como os rumos das carreiras da maioria dos jogadores não foram bons.

1932239_800962673268033_6700883384466787023_nEm 2010, quando defendia a meta da Inter de Milão, era considerado o melhor goleiro do mundo. A falha no gol contra de Felipe Melo naquele fatídico jogo foi um divisor de águas em sua carreira. Hoje, quatro anos depois, após um ano amargando a reserva do Queens Park Rangers, joga no Toronto FC, do Canadá (e que joga a liga dos Estados Unidos).

10483252_800962546601379_6556650617224428143_nEra goleiro do Tottenham na época da convocação de Dunga. Depois de um tempo, passou a ser reserva no clube inglês e, posteriormente, a terceira opção. Depois de anos sem ter continuidade nos Spurs, assinou com o Watford, e, na próxima temporada, disputará a segunda divisão inglesa.

10407103_800962359934731_311993065795317363_nDurante a Copa da África do Sul, era goleiro da Roma. Pouco depois, deixou a titularidade e aceitou uma inexplicável proposta do Liverpool, que o contratou para ser reserva enquanto estava em má fase. Na Inglaterra também não jogou. Chegou a acertar com o Botafogo-SP, mas, devido a problemas médicos, desistiu e foi obrigado a encerrar a carreira.

10551053_800962816601352_2258389451372432130_nFoi convocado para a Copa de 2014, mas por falta de grande concorrência. Enquanto em 2010 era um dos melhores laterais do mundo, chegou à Roma na última temporada após péssima passagem pelo Manchester City, onde pouco jogou. No time italiano, reencontrou um bom futebol, mas que não chegou perto daquele praticado na Inter.

 

10494568_800962336601400_6353646364952799455_nUm dos poucos que mantiveram o nível. É muito contestado, sobretudo por sua deficiência defensiva – que o levou à reserva de Maicon na Copa do Brasil -, mas segue em alta. Hoje, a exemplo de 2010, é titular do fortíssimo time do Barcelona e, por mais que tenha fracassado na última Copa, ainda tem prestígio por lá.

10501869_800962959934671_1039283798582278691_nÚnica das figurinhas repetidas a melhorar. Em 2010 era um zagueiro em franca evolução, que, cada vez mais, se afirmava no Milan. Quatro anos depois, se consolidou como um dos melhores zagueiros do mundo e, capitão, foi um dos únicos que se salvaram na campanha Brasileira em seu território.

 

10532508_800962793268021_5099502960320085386_nAssim como em 2010, está em alta no Benfica, no qual é ídolo da torcida. Na última temporada, foi muito bem, mas, no entanto, suas atuações não têm a mesma repercussão de antes e, portanto, sequer foi lembrado pela mídia na lista de aspirantes à quarta vaga na zaga brasileira.

10527274_800962743268026_2076025408618204526_nHavia acabado de deixar o Bayern antes da Copa anterior e, a partir daí, só caiu. Na Inter foi muito bem no começo, mas, aos poucos, foi decaindo, até ir para a Juventus. Lá, quase não jogou e, sem espaço, voltou para o Brasil, para defender o São Paulo, onde teve problemas com o técnico. Saiu pela porta dos fundos para o rival Palmeiras, onde joga hoje.

10534702_800962613268039_7439781547657689899_nDefendia a Roma na época da lista de Dunga e, após cinco anos defendendo o clube italiano, resolveu rumar para o Brasil, onde pretende encerrar a carreira. O time escolhido foi o Inter, que defende e, já com 35 anos, não tem atuações dignas de destaque a ponto de ser cogitado na seleção.

10405628_800962523268048_1482637735783465234_nEm 2010 já era veterano e estava no final de sua carreira, defendendo o Cruzeiro. Porém, se manteve jogando, sem o mesmo brilho. Chegou ao América-RJ para encerrar sua vida no futebol, mas, devido a divergências contratuais, sequer jogou. Hoje, coordena as categorias de base do Araxá, pequeno time de Minas Gerais.

10530868_800962856601348_8988928287507727213_nDevido à idade, poderia ter ido para a Copa caso tivesse mantido o nível. Entretanto, após deixar o Lyon e ter rápida passagem pelo Schalke, resolveu ir jogar nos Emirados Árabes, onde defendeu o Al Ain. Agora, recomeça sua carreira na Europa, aos 30 anos, defendendo a Roma.

10557335_800962926601341_3258093275327579012_nConseguiu se manter no topo, a ponto de ser convocado para outra Copa. Contudo, não tem mais o mesmo destaque de antes e sequer é titular absoluto no time do Chelsea. Com as novas contratações dos Blues, será ainda mais difícil se manter entre os 11 de José Mourinho.

10559716_800962489934718_5054287710021534319_nApós anos no Arsenal, onde era ídolo, resolveu rumar para a Grécia e, posteriormente, para o Brasil.  Foi jogar no Grêmio e, após um ano, foi para o Atlético Mineiro, onde foi campeão da Libertadores. Entretanto, foi dispensado pelo Galo e hoje encontra-se sem clube.

1908386_800962583268042_1152129376605739414_nDepois de muitos anos no Wolfsburg, resolveu voltar para sua terra natal, onde foi companheiro de Gilberto Silva no Atlético Mineiro. Assim como o ex-companheiro, foi campeão da Libertadores, mas, ao contrário dele, segue no clube. É também empresário e agencia a dupla sertaneja João Lucas e Marcelo.

10534758_800962473268053_6128326737210925340_nJogava na Juventus quando foi o vilão da eliminação brasileira diante da Holanda. Contudo, não rendeu o esperado nos bianconeri e foi para a Turquia defender as cores do Galatasaray, no qual se afirmou e hoje é ídolo da torcida, só que em um campeonato menos competitivo.

10501763_800962389934728_6453180867735322126_nOutro cuja carreira foi caindo gradativamente. Deixou o City para ir para o Galatasaray, onde também não teve brilho e resolveu voltar a fazer a carreira em território tupiniquim. Foi para o Santos (onde até teve relativo sucesso), depois para o Grêmio e, agora, defende o Flamengo, onde convive com lesões e é muito contestado pela torcida.

10557419_800962716601362_2326790331416775863_nCertamente o jogador que teve o maior e mais rápido declínio em sua carreira. Não jogou nem perto do que se esperava dele no Real Madrid após ter custado muito caro para os merengues. Daí voltou para o Milan, onde não repetiu o mesmo sucesso de outrora e, agora, é jogador do Orlando City, dos Estados Unidos, mas está emprestado ao São Paulo até o fim da temporada.

10550941_800962649934702_80208228789255476_nApós deixar a Roma, que defendia em 2010, foi para o Málaga, que à época emergia como um novo rico. Na Espanha, teve relativo sucesso, mas, ano passado, voltou para sua terra natal, para defender o Cruzeiro. No time de Minas, sequer é titular absoluto e, devido ao fortíssimo elenco cruzeirense, não tem o sucesso esperado.

10516794_800962943268006_8951324635463754432_nFoi cogitado para disputar a Copa no Brasil, mas de forma inexplicável, pois a fase que vive na carreira é tenebrosa. Nunca rendeu o que se esperava dele, mas, no Milan, rende ainda menos. Reserva, raramente entra e, quando o faz, não lembra nem um pouco aquele garoto habilidoso que encantou o Brasil quando surgiu no Santos.

10488196_800962569934710_1678050343626375330_nFoi para a Copa somente por causa da derrocada na carreira de Adriano, a verdadeira opção para o Mundial. Mas teve seus méritos, pois teve temporada fantástica no Wolfsburg. Contudo, depois resolveu encaminhar o fim de sua carreira um ano após o campeonato, pois foi para os Emirados Árabes defender o Al Ahli, onde está até hoje.

10489639_800962889934678_4030894409476065358_nTinha 25 anos quando foi convocado por Dunga e correspondia no Villarreal. Mas tinha apenas 28 quando resolveu deixar de lado qualquer reconhecimento ao transferir-se para o Catar. Defendeu o Al Rayyan e, depois, resolveu continuar por lá ao assinar com o Al Jaish neste ano.

10561769_800962766601357_7290243108583731567_nResolveu voltar ao São Paulo após 6 anos no Sevilla. Mas, mesmo com a idade já avançada, segue com seu temperamento explosivo, que o prejudica muito, sobretudo pelo número de cartões que leva. Vive altos e baixos no tricolor paulista e, mesmo assim, pode acabar pintando em futuras convocações – só que mais por falta de opções.

Por mais que tenha avançado mais que em 2010, a seleção de 2014 protagonizou o maior vexame da história do time canarinho. Sem um padrão tático decente, sem meio campo e com apenas uma estrela, conseguiu a proeza de tomar 10 gols em dois jogos e terminar com a defesa mais vazada de sua história no certame. Então, se os comandados de Dunga, em sua maioria, não tiveram um bom destino, não se pode esperar que os de Felipão estejam desfilando suas habilidades na Rússia.

Comentários