Era Dunga no Beira-Rio

  • por Lucas Diefenbach Moreira
  • 6 Anos atrás

Dunga era unanimidade entre os colorados ao final de 2012. O clube vivia uma das maiores crises internas dos últimos 10 anos e a bagunça parecia ter se instalado nos corredores do Beira-Rio. A identificação com o clube, o espírito de liderança, a personalidade forte e o bom trabalho no comando da seleção brasileira levaram o Inter a contratar seu antigo ídolo para dirigir o time na temporada de 2013.

Foto: Alexandre Lopes/internacional.com.br - Dunga comandou a equipe em 53 partidas

Foto: Alexandre Lops/internacional.com.br – Dunga comandou a equipe em 53 partidas

No primeiro semestre, Dunga venceu o Campeonato Gaúcho sem empolgar e avançou na Copa do Brasil na mesma toada. Apesar de não demonstrar grandes exibições dentro de campo, os resultados estavam surgindo e não havia motivos para contestá-lo.

As rusgas, no entanto, não demoraram a surgir. Dunga advertiu duramente o então assessor de imprensa do Inter em público, o que levou o profissional a ser remanejado para ocupar outro cargo dentro do clube. Esse episódio expôs também a má relação do treinador com Chumbinho, à época, diretor executivo. As brigas com a imprensa também não tardaram. Cada coletiva pós-jogo ou treinamento se transformava em uma guerra, levando a ACEG (Associação Dos Cronistas Esportivos Gaúcha) a repudiar, em nota, a atitude do técnico perante um jornalista.

Depois de assumir a ponta do Brasileirão, o desempenho do time começou a cair vertiginosamente. A convivência diária com jogadores, dirigentes e jornalistas parecia incomodar Dunga, que não estava acostumado com isso enquanto dirigia a seleção, o que foi admitido pelo próprio treinador em algumas entrevistas.

Foto: Alexandre Lopes/internacional.com.br - As coletivas de imprensa do técnico costumavam ser polêmicas

Foto: Alexandre Lops/internacional.com.br – As coletivas de imprensa do técnico costumavam ser polêmicas

Depois que seu estilo de jogo, similar ao utilizado na seleção brasileira, passou a não funcionar mais, o técnico demonstrou certa dificuldade em encontrar alternativas para melhorar o desempenho do time e, no dia 4 de outubro, após derrota para o Vasco no Rio de Janeiro, o presidente Giovanni Luigi confirmou oficialmente a demissão do ídolo da função de técnico.

Dunga deixou o Inter após 53 partidas, com 26 vitórias, 18 empates e 9 derrotas, sem deixar saudades.

Comentários

Colorado, gaúcho e apreciador nato do bom e inigualável esporte bretão.