Futebol jogado às traças

  • por Rogério Júnior
  • 7 Anos atrás

Quinta-feira, 17 de julho de 2014. Noite agradável em Cascavel, cidade localizada na região oeste do estado do Paraná, e propícia para um bom jogo de futebol no estádio Olímpico Regional Arnaldo Bussato, um dos maiores palcos do território paranaense. Vale o título da Terceira Divisão do Campeonato Paranaense.

Fatores normais para um duelo entre o dono da casa FC Cascavel, clube dirigido por Juliano Beletti – herói do Barcelona na conquista do título da Champions League de 2006, e o Sport Clube São José, time de São José dos Pinhais, cidade situada na região metropolitana de Curitiba. Tudo na mais perfeita ordem a não ser por um curioso fato: o calendário não é europeu, mas a final em disputa era a da temporada de 2013.

O jogo derradeiro, anteriormente marcado para 15 de dezembro de 2013, seria a segunda partida da decisão do campeonato, mas acabou não acontecendo na data prevista devido a um imbróglio judicial, envolvendo o Pato Branco Futebol Clube, terceiro interessado, que pleiteava, além de uma vaga na final, também um lugar na Divisão de Acesso de 2014, ambos conquistados no campo pela equipe do São José.

O primeiro jogo da final já havia acontecido quando o Pato Branco obteve a vitória nos tribunais da Federação Paranaense de Futebol (FPF). No domingo, 8 de dezembro, diante de menos de 100 testemunhas nas arquibancadas, os cascavelenses haviam batido a equipe do São José pelo placar de 2 a 1, em partida disputada na Cidade de Irati. Na segunda-feira seguinte, porém, os juízes do Tribunal de Justiça Desportiva do Paraná deram ganho de causa ao time do Pato Branco.

Entretanto, uma série de reviravoltas no caso recolocou o São José na final do campeonato, fato que demonstra a bagunça que assola o futebol paranaense há décadas. Setes meses depois do combinado, enfim, a grande final estava agendada. Mas o pior ainda estava por vir…

Foto: Reprodução RPCTV - O desfecho da terceirona paranaense aconteceu com esse cenário e apenas um time em campo.

Foto: Reprodução RPCTV – O desfecho da terceirona paranaense aconteceu com esse cenário e apenas um time em campo.

Inexplicavelmente e depois de tanto lutar pela vaga na final, a equipe de São José dos Pinhais não compareceu ao jogo, entregando o título de bandeja ao Cascavel, que acabou vencendo por WO e sendo reconhecido o campeão da terceirona de 2013.

Para piorar a situação, um dia após o descumprimento do dever, outra situação imposta pelo São José viria a complicar outra competição do futebol paranaense. Alegando falta de apoio financeiro dos empresários da cidade, a equipe se retirou da Divisão de Acesso de 2014, três dias antes de seu início. Alguns dias antes, o Colorado Atlético Clube, também alegando problemas financeiros, foi outro clube a desistir da disputa da segundona paranaense, torneio que fornece duas vagas na elite.

Com as desistências sacramentadas, não haverá rebaixamento nesta edição. Apucarana Sports, FC Cascavel, Foz do Iguaçu, Francisco Beltrão, Junior Team, Nacional de Rolândia, Paranavaí e PSTC Procopense brigam por duas vagas ao sol, em um torneio minimamente organizado como se mostra a primeira divisão, longe de todas as barbaridades que ocorrem nas divisões secundárias.

Os apaixonados torcedores e as pessoas de bem que ainda restam no futebol paranaense pedem socorro.

Comentários

Curitibano, jornalista, 24 anos. Apaixonado pela bola, apegado pelas canchas e admirador do povão que as frequentam. Apreciador do futebol, seja ele jogado na final da Copa do Mundo ou numa singela rodada da terceirona gaúcha.