O dia que a Laranja parou a surpreendente Costa Rica

Foto - Getty Images: Explosão holandesa após Krul pegar o último pênalti e colocar a Laranja nas semis

Foto – Getty Images: Explosão holandesa após Krul pegar o último pênalti e colocar a Laranja nas semis

Holanda e Costa Rica podem ser classificadas como duas surpresas das quartas de final desta Copa do Mundo, principalmente (até de forma meteórica) a seleção da América Central. Os costarriquenhos dispensam comentários: apontados por muitos como o possível saco de pancadas do Mundial, acabaram avançando para o mata-mata do certame passando pelo teórico “grupo da morte”, que contava com Inglaterra, Itália e Uruguai, e, melhor, como líderes, com duas vitórias e um empate. Posteriormente, nas oitavas, venceu a Grécia nas penalidades e fez mais história.

Os holandeses também acabaram sendo a surpresa de seu grupo. Muitos apontavam os comandados de Louis van Gaal como um adversário do Chile para a disputa do segundo lugar daquele Grupo B, enquanto outros (inclusive eu) colocavam a Holanda como segundo colocada, adversária do Brasil nas oitavas, quando pararia. Passou com três vitórias, nove pontos e, nas oitavas, derrotou o México de virada, perto do final do jogo, e carimbou a passagem para as quartas.

Após uma Eurocopa de 2012 pífia, quando terminaram como lanternas e sem vitórias em seu grupo – que tinha Alemanha, Portugal e Dinamarca -, pouco se esperava da Holanda neste Mundial. A partir da Euro, a seleção passou por várias mudanças e, desde que van Gaal assumiu, passou a contar também com a presença de jogadores mais jovens e que atuam na Eredivisie.

Mesmo com a equipe sendo composta também por jogadores já consagrados, como Robben, van Persie, Sneijder e Huntelaar, esperava-se que a falta de experiência dos jovens fosse um empecilho para os holandeses neste Mundial. Acabou acontecendo o contrário, com vários deles se destacando (Blind, Depay, de Vrij, Cillessen e outros), o que transformou a Holanda em uma grata surpresa da Copa, junto com a Costa Rica, sua adversária deste sábado (5).

Quis o destino colocar os holandeses e a grande sensação centro-americana frente a frente neste Mundial e, ao medirem forças, quem acabou levando a melhor, por muito pouco, foi a Laranja. Desta vez, contrariando as quatro últimas partidas, o destaque da seleção não foi Robben ou van Persie, mas sim o técnico Louis van Gaal e o goleiro Tim Krul. Van Gaal porque, surpreendentemente, tirou Cillessen no último minuto da prorrogação – causando revolta e indignação do próprio goleiro e de muitos torcedores -, e Krul, que entrou em seu lugar, pegou dois pênaltis e ajudou sua seleção a dar mais um passo rumo ao título inédito da competição.

Foi por pouco, foi sofrido, mas a Holanda está nas semis da Copa. Contra a Argentina de Lionel Messi, fará o duelo das duas melhores campanhas da Copa. Resta saber se conseguirão ter forças para derrotar os hermanos e novamente – só que agora de forma surpreendente – chegar a uma final de Copa do Mundo. Depois do que ocorreu neste sábado, na Arena Fonte Nova, palco de grandes espetáculos deste Mundial de 2014, motivação para isso não irá faltar.

Comentários

Estudante de Jornalismo. Foi editor de futebol alemão e holandês na VAVEL Brasil e cofundador da VAVEL Portugal. É blogueiro do Bayern no ESPN FC (projeto da ESPN Brasil) e completamente Doente por Futebol.