O que esperar de Neílton e Marquinhos no Cruzeiro?

  • por Levy Guimarães
  • 5 Anos atrás
Foto: Cruzeiro/Divulgação

Foto: Cruzeiro/Divulgação

Passado o furacão que foi a Copa do Mundo, hora de virarmos o disco e concentrarmos novamente no Campeonato Brasileiro. Para boa parte dos torcedores pode ser tarefa ingrata, mas para os cruzeirenses, talvez nem tanto. Afinal, o time é líder do campeonato e vem reforçado para o segundo semestre. Dentre as contratações, os atacantes Marquinhos e Neílton. Mas o que esperar desses dois jovens jogadores?

Comecemos por Neílton. O jogador de 20 anos chegou ao Santos em 2008 e, logo nos primeiros anos, ganhou o rótulo de “novo Neymar”. Seu estilo rápido e habilidoso rapidamente encantou os santistas, culminando nas grandes atuações pela Copa São Paulo de futebol júnior em 2013, sendo o grande destaque do título santista. Mas de lá pra cá, nem tudo foi um mar de rosas para o atacante. No profissional, alternou altos e baixos, marcando apenas 4 gols no ano passado. Já em 2014, não entrou em campo pelo time profissional devido ao fim do contrato e acabou assinando com o Cruzeiro.

Foto: Santos FC/Divulgação - No Cruzeiro, o atacante busca justificar pelo menos parte de sua badalação

Foto: Santos FC/Divulgação – No Cruzeiro, o atacante busca justificar pelo menos parte de sua badalação

Desde que se tornou profissional, Neílton não foi sombra do que era na base. Mesmo com um ou outro lampejo, mostrou deficiências no passe, finalização e no porte físico – não à toa, vai ter que se submeter a um trabalho de condicionamento especial antes de entrar em campo pelo Cruzeiro. Quando estiver apto para jogar, vai ter um bom cenário para, quem sabe, engrenar na carreira. Deve ir entrando aos poucos, já que Everton Ribeiro e Dagoberto são titulares pelas pontas do time celeste, com Willian (caso fique no clube) à frente na disputa por vaga e ainda Marlone e Marquinhos como opções de banco. Mas para se encaixar no time, vai ter que aprimorar não só o passe, como o senso coletivo, além de ajudar na marcação. Caso contrário, vai ficar marcado como mais uma daquelas eternas promessas do futebol brasileiro.

Marquinhos, por outro lado, já tem mais bagagem. Apareceu em 2008 como uma das principais revelações do Brasileirão pelo Vitória, ganhando oportunidade de jogar pelo Palmeiras no ano seguinte. No clube paulista, não convenceu e teve chance em outro grande, o Flamengo, onde também pouco jogou e não conseguiu se firmar. Com isso, acabou voltando para o Vitória em 2011, e, assim como na primeira passagem por lá, sentiu-se em casa. Apesar de ter convivido com algumas lesões, foi peça-chave na ótima campanha do clube baiano em 2013, com gols e assistências decisivos.

Agora, Marquinhos recebe mais uma chance em um clube grande – talvez a última, caso não aproveite. Aos 24 anos, precisa se livrar do rótulo de “jogador de time pequeno” e mostrar que os insucessos por Palmeiras e Flamengo foram mais por desorganização das equipes do que deméritos próprios. Assim como Neílton, vai ter que trabalhar duro para se firmar no forte elenco cruzeirense e apresentar um futebol acima do que já jogou em outras ocasiões.

Para os dois, uma etapa decisiva na carreira. Para o Cruzeiro, duas apostas um tanto quanto arriscadas, mas que com a sequência pesada de jogos que o time tem pela frente, podem ser peças importantes caso o clube celeste queira brigar ao mesmo tempo por Brasileirão e Copa do Brasil.

Comentários

Estudante de Jornalismo e redator no Placar UOL Esporte, belo-horizontino, apaixonado por esportes e Doente por Futebol. Chega ao ponto de assistir a jogos dos campeonatos mais diversos e até de partidas bem antigas, de décadas atrás.