O retorno de Kaká ao São Paulo

  • por Bráulio Silva
  • 6 Anos atrás

RETORNO KAKÁ SP

05 de julho de 2003: São Paulo e São Caetano duelam no Morumbi com 14 mil pessoas no estádio. Alguns meses antes, o time são-paulino era recepcionado com pipocas atiradas por torcedores que não se conformavam com a ausência de grandes conquistas. Àquela altura, o São Paulo estava há três anos sem vencer o Campeonato Paulista e prestes a completar doze anos sem um título brasileiro. A obsessão pela Libertadores era gigantesca, já que a última participação havia ocorrido nove anos antes.

A carência de títulos era tão grande que os torcedores comemoraram muito a conquista do tradicional, porém secundário, Torneio Rio-SP. Em 2001, a disputa, além de vencida pelo tricolor, foi o palco do despontar de dois grandes jogadores: Luis Fabiano e Kaká. Formado na Ponte Preta, Luis Fabiano havia chegado ao Morumbi emprestado pelo Rennes para ficar até dezembro. Já Kaká foi reserva do time que ficou com o vice-campeonato da Copa São Paulo daquele ano e estreou no decorrer do Rio-São Paulo, explodindo com dois gols na final diante do Botafogo.

Desde então, o time sempre disputou os campeonatos como favorito, sucumbindo, porém, nas fases decisivas. Foi assim nos Brasileiros de 2001 e 2002, quando o SPFC caiu diante dos campeões Atlético-PR e Santos. E também no Rio-SP de 2002 e no Paulistão de 2003, quando o tricolor caiu no mata-mata diante do Corinthians.

Um dos principais jogadores do time na época, Kaká saiu do clube marcado como “pipoqueiro”. De lá para cá, ambos mudaram. Kaká disputou as Copas de 2006 e 2010 (como jogador do São Paulo, foi campeão em 2002), conquistou o troféu de melhor do mundo em 2007, virou rei em Milão e fracassou no Real Madrid. Com 32 anos e bem próximo de uma possível aposentadoria, o craque assinou contrato com o time da MLS, o Orlando City, que, para não deixa-lo parado, aceitou emprestá-lo para o São Paulo até o fim deste ano. Já o São Paulo conquistou uma Libertadores e um Mundial, além do tricampeonato brasileiro consecutivo entre 2006 e 2008. Depois disso, lá se vão quase seis anos sem nenhuma conquista.

Na apresentação de Kaká, o Morumbi recebeu um bom público – bem maior que os 14 mil que viram sua despedida 11 anos atrás. Kaká terá, em pouco mais de quatro meses, duas oportunidades para recolocar o tricolor no rumo das conquistas: o Brasileirão, no qual deve ocorrer sua estreia, e a Copa do Brasil, um título inédito na galeria do clube do Morumbi.

Como Kaká entra no time?

Muricy Ramalho já declarou que Kaká será titular em seu retorno. Com Luís Fabiano machucado, dois jogadores correm o risco de perder a condição de titular: Ademílson, que está atuando aberto pela direita, ou Osvaldo, que joga aberto pela esquerda.

Kaká, num primeiro momento, atuaria no lugar de Osvaldo e jogaria mais centralizado, apoiando o ataque e ajudando PH Ganso na construção das jogadas. Com isso, já em sua reestreia, o SPFC deve ser armado assim: Rogério; Douglas, Rafael Tolói, Antônio Carlos e Álvaro Pereira; Rodrigo Caio, Souza, Kaká e Ganso; Ademilson e Alan Kardec:

10544929_688487651245912_1171611888_n

Quando Luis Fabiano retornar, as opções seriam manter o esquema e substituir Alan Kardec ou recuar o camisa 14 e tirar Ademilson do time. Com isso, Ganso e Kaká se revezariam na armação das jogadas, com Kardec e Luis Fabiano jogando avançados.

10564815_688487421245935_1405903749_n 10565703_688484067912937_519877396_n

Comentários

Paulistano, casado e com 33 anos. Apaixonado por futebol e pelo São Paulo FC. De memória privilegiada, adora relatar e debater fatos futebolísticos de outrora. Ex-estudante de jornalismo, hoje gerencia uma drogaria no município de Barueri, além de escrever para a Doentes por Futebol.