Ser David Luiz

  • por Leandro Lainetti
  • 7 Anos atrás

Ser David Luiz é ser um cara que sabemos exatamente como é. Dentro de campo e fora dele.

Ser David Luiz, no riscado, é ser aquele jogador sério, intenso, que se entrega em cada jogada. Não tem lance mais ou menos. Ou vai ou vai. Vibra. Pula. Corre. Marca. Desarma. Passa. Chuta. Cabeceia. Grita. Reclama. Cobra. Doa. Rouba. Entrega. Pulsa. Explode. Contagia. Enlouquece. Tenta. Erra. Tenta. Acerta. Vai. Volta. Mata ou Morre. Ser David é verbalizar da chuteira à cabeleira. Ser David Luiz, fora das quatro linhas, é ser o cara brincalhão, sorridente, eloquente, um sujeito de 27 anos que parece um menino. Faz careta, brinca, curte o momento. É aquele tipo tão carismático e simpático, que se tentar te vender ração de cachorro, você compra, mesmo que seu animal de estimação seja um gato. Não te deixa muita opção. Ou você gosta dele ou você gosta dele. Ser David Luiz é ser peculiar, é se destacar tão naturalmente quanto um cisne em meio a uma manada de mamutes. É correr meio desengonçado, a juba pouco aerodinâmica esvoaçando loucamente, os braços em movimentos desconexos e infinitos, as vezes parecendo um zagueiro rápido, outras devagar, é saber sair jogando e saber ser zagueiro-zagueiro. É saber fazer golaço e vibrar loucamente, dando voadora na bandeirinha.

Foto: Divulgação | FIFA

Foto: Divulgação | FIFA

Ser David Luiz é se fazer ouvir em todo o estádio caso cantasse o hino sozinho. É ter a vibração que contagia os companheiros, a gana de quem quer vencer até o cara ou coroa, a vontade de quem batalha pelos sonhos até o último minuto, a perseverança de quem acha que pode salvar uma bola mesmo que ela já tenha saído pela linha lateral.

Ser David Luiz é intimar os aplausos ao rival derrotado, é dar um abraço no adversário de 22 anos, inconsolável pela eliminação, e reconhecer tudo que ele fez até aqui, é ser um bom perdedor e um vencedor. É ser um exemplo a ser seguido, um personagem raro, uma imagem boa.

O abraço amigo: David consola James. Foto: Divulgação | FIFA

O abraço amigo: David consola James. Foto: Divulgação | FIFA

Ser David Luiz é ter jeitão de ídolo. De leão. De guerreiro. Ter idade de homem, cara de menino. É ser deselegantemente clássico. É ser classicamente deselegante. É ser alvo e atirador. É ser caça e caçador. É ser um baita jogador. Não dá para ter dúvida.

Ser David Luiz é ser inconfundível.

Comentários

Jornalista trabalhando com marketing, carioca, 28 anos. Antes de mais nada, não acredito em teorias da conspiração. Até que me provem o contrário, futebol é decidido dentro das quatro linhas. Mais futebol nacional do que internacional. Não vi Zico mas vi Romário, Zidane, Ronaldinho, Ronaldo. Vejo Messi e Cristiano Ronaldo. Totti é pai.