Sinal vermelho

  • por Levy Guimarães
  • 7 Anos atrás

Definitivamente acabou a lua-de-mel do Benfica. Os louros pelos três títulos da temporada passada (mais a ótima campanha na Liga Europa) já foram colhidos, mas é hora de se voltar integralmente para o futuro do time na temporada 2014/2015. E, pelo menos a princípio, ele não parece tão promissor assim.

Ao final de 2013/2014, não era segredo para ninguém que o Benfica precisaria vender jogadores na atual janela de transferências. Afinal, o clube fez um esforço financeiro enorme para montar a equipe campeã portuguesa e das duas copas nacionais, mantendo atletas já há algum tempo assediados por clubes mais ricos e reforçando seu plantel, até atingir há um ano um dos elencos mais fortes e homogêneos dos últimos tempos no futebol português. Com tantos jogadores se destacando ao longo da temporada, já era de se esperar que o Benfica recebesse investidas diversas de outros clubes. O que talvez não se esperava era um efeito tão devastador disso no elenco encarnado.

Foto: ASF - O técnico Jorge Jesus vai ter que quebrar a cabeça para montar um time tão competitivo quanto o da última temporada

Foto: ASF – O técnico Jorge Jesus vai ter que quebrar a cabeça para montar um time tão competitivo quanto o da última temporada


O mercado passou como um furacão no Estádio da Luz. O ótimo goleiro Oblak foi vendido ao Atlético de Madrid, mesmo destino do lateral-esquerdo Guilherme Siqueira. Garay, zagueiro que vem de duas excelentes temporadas, rumou ao Zenit. O promissor volante André Gomes foi negociado com o Valencia, assim como o atacante Rodrigo. Já o habilidoso Markovic se transferiu para o Liverpool, enquanto Óscar Cardozo encerrou seu ciclo de sete anos no clube indo para o Trabzonspor. Isso porque a janela ainda está longe de se fechar e os argentinos Enzo Pérez e Gaitan continuam sob constante ameaça de saírem para Valencia e Monaco, respectivamente.

As reposições, no geral, não foram muito animadoras. O zagueiro César, vindo da Ponte Preta, não passou nenhuma confiança nos jogos de pré-temporada, assim como o lateral-esquerdo suíço Benito e o atacante Derley, ex-Marítimo. Por enquanto, só Anderson Talisca mostra que pode fazer a diferença em favor dos Encarnados. De resto, só incertezas: Eliseu, ex-Málaga, Bebé, ex-Manchester Utd, Luís Felipe ex-Palmeiras, dentre outros.

Foto: Reprodução - Talisca foi um dos poucos destaques positivos do Benfica na pré-temporada

Foto: Reprodução – Talisca foi um dos poucos destaques positivos do Benfica na pré-temporada

Na pré-temporada, duas vitórias e seis derrotas, com direito a uma participação vexatória na Emirates Cup. O 5×1 sofrido para o Arsenal com show de Yaya Sanogo (!!!), além dos 3×1 contra o Valencia, escancararam um sistema defensivo repleto de fragilidades, tanto pelas laterais como pelo meio, e um toque de bola ainda lento e pouco envolvente. Mostraram também a urgência da contratação de dois goleiros – Artur claramente não tem mais condições de atuar por um grande clube (se é que já teve) – e de um atacante, pois no momento apenas Lima é confiável no plantel. Um zagueiro e um volante também seriam muito bem vindos na Luz.


O que fica de alento para os benfiquistas é que com 25 dias restantes na janela de transferências, o clube ainda pode ir às compras para fortalecer novamente o elenco. Jorge Jesus, inclusive, já sinalizou que tem como prioridades o gol, a meio campo defensivo e o ataque. Além disso, a provável dupla de zaga titular, Luisão e Jardel, esteve fora de ação até aqui, dando uma perspectiva de melhora ao setor. E os adeptos contam, é claro, com a competência de seu treinador, que está em alta como nunca esteve na carreira.

De qualquer forma, vai se desenhando um início de temporada complicado para o atual campeão. Paciência da torcida e trabalho árduo da comissão técnica e diretoria é que não vão poder faltar.

Comentários

Estudante de Jornalismo e redator no Placar UOL Esporte, belo-horizontino, apaixonado por esportes e Doente por Futebol. Chega ao ponto de assistir a jogos dos campeonatos mais diversos e até de partidas bem antigas, de décadas atrás.