Mega-Sena de futebol

Imagem: (Reinaldo Canato /VEJA)

Imagem: (Reinaldo Canato /VEJA)

O sonho de consumo de 11 entre 10 brasileiros vai pagar R$ 46 milhões nesta quarta. Você (e todo mundo) deve sonhar com essa bolada e o que faria se ganhasse. Não seria nada mal embolsar um dinheirinho desses, né?

O Corinthians concorda. Inclusive, já ganhou na Mega-Sena esse ano: renovou por R$ 30 milhões o contrato com a Caixa. É o maior patrocínio do país (a Unimed não declara quanto investe no Fluminense, por isso é impossível confirmar o valor de R$ 70 milhões divulgado na internet; e não falo de fornecedora de material esportivo). Dinheiro que ajuda o clube a trazer bons jogadores, pagar altos salários, manter a estrutura etc.

Agora, e se você estivesse do outro lado? Se fosse responsável por abrir o cofre e liberar uma verba milionária, estaria feliz com a visibilidade da sua marca? O ROI satisfaria? Aliás, você continua calculando retorno sobre investimento apenas pelo tempo que seu logo aparece numa partida televisionada ou em matérias jornalísticas?

E se descobrisse ainda que o índice de lembrança da sua marca pelos torcedores é de 18,8% e que 57,9% não sabem citar o patrocínio do clube que recebe sua grana, pensaria o quê? Dormiria certo de que seu emprego está garantido com os excelentes resultados obtidos?

Eu, não. E cobraria um planejamento sério pra ativar minha marca. Exigiria ações pra que ela interagisse com o torcedor/consumidor, fosse ativada em jogos, estádios e redes sociais, entrasse na casa das pessoas, fizesse parte do dia a dia dos brasileiros e fosse posta em um pedestal por todo o mundo. Condicionaria a isso o valor investido, sob pena de diminuir ou nem renovar o patrocínio.

O Corinthians e os outros clubes brasileiros vão sonhar com o que se, um dia, tirarem deles a Mega-Sena que cai todo ano na conta bancária (fora descontos e bloqueios, claro)?

Se eu fosse dirigente, me atualizaria. Ou atualizaria meu perfil no Linkedin.

Texto originalmente escrito para o blog Tabelinha

Comentários

Sou coordenador de redes sociais do America-RJ e planejamento publicitário. Escrevo sobre marketing esportivo e futebol. Etc e tal.