Non-League: a alma do futebol inglês

  • por Gregor Vasconcelos
  • 7 Anos atrás

Uma vez por ano, na primeira data FIFA, quando os clubes da Premier League e da Football League não jogam, há um vazio na Inglaterra. Ninguém sabe o que fazer com o seu fim de semana, que inevitavelmente envolveria uma visita a um estádio ou, no mínimo, um dia no pub para acompanhar seu time jogando fora de casa.

Para acabar com esse vazio e ainda ajudar os clubes menores, que são a fundação do futebol inglês, um torcedor chamado James Doe criou o evento anual que ficou conhecido como o “Non-League Day”. Inicialmente apenas um experimento com redes sociais, o evento foi um sucesso e hoje é apoiado pela Premier League, pela Football League, por políticos ingleses e, principalmente, por clubes e torcedores das equipes envolvidas.

A edição de 2014 do Non-League ocorreu no ultimo final de semana, no dia 06/09, e o Doentes por Futebol, teve um representante acompanhando a partida entre Dulwich Hamlets e Hampton & Richmond Borough no estádio Champion Hill. Confira o relato abaixo!

Dulwich Hamlet Football Club

A entrada do novo e modesto Champion Hill

A entrada do novo e modesto Champion Hill

O Champion Hill, casa do Dulwich, já foi um dos maiores estádios amadores do Reino Unido, com capacidade para mais de 20 mil pessoas. Mas, devido a problemas financeiros que o clube sofreu no final dos anos 80, a área foi vendida à rede de supermercado Sainsbury’s, que demoliu o estádio e construiu ali mais uma de suas lojas. Com isso, o antigo campo de treinamento virou o modesto estádio de hoje em dia, com capacidade para somente 3 mil espectadores, que pertence à faculdade Londrina, King’s College.

Como a estratégia para atrair torcedores de outras equipes para o Non-League Day, os Hamlets descartaram o preço normal de £10 e deixaram o custo a gosto do espectador. A promoção, pelo visto, deu certo, já que o antigo recorde de público de pouco mais de 1.800 pagantes foi esmagado pelos 2.856 presentes no sábado.

Mesmo com muitos torcedores “de fora”, a torcida do Dulwich não perdeu seu entrosamento. A ideia de um clube de futebol ser uma espécie de família estendida do torcedor nunca ficou mais clara do que lá: os funcionários do clube cumprimentavam os torcedores pelo nome e parecia que a torcida inteira se conhecia.

Bem ativa politicamente, o Dulwich atrai muitos torcedores da esquerda

(Torcida do Dulwich contra a direita) o Dulwich atrai muitos torcedores da esquerda politica

Por ser um clube pequeno da comunidade, é comum que os torcedores vão ao estádio sozinhos, já que sabem que vão encontrar alguém conhecido por lá. E mesmo os novatos, como eu, eram imediatamente adotados por essa família hipster azul e rosa.

Dos 3 mil lugares no estádio, apenas 500 são cadeiras. Ou seja, 2.356 pessoas ficavam em pé em volta do campo, com suas cervejas em mãos, separadas dos jogadores apenas por uma barra de ferro.

O clube ainda produz a própria cerveja

O clube ainda produz a própria cerveja

Essa alternativa mais espontânea é o que tem feito aumentar a popularidade do Non-League Football em anos recentes. Cada vez mais torcedores cansados dos altíssimos preços da Premier League e de todos os regulamentos – que os impedem de ver os jogos em pé ou beber cerveja na arquibancada – vêm para as divisões mais baixas da Inglaterra relembrar porque se apaixonaram pelo futebol. Além disso, com os preços baixos, os jogos são uma boa oportunidade para pais levarem seus filhos consigo, já que os valores das principais divisões são muito altos para isso.

O jogo

O estádio estava lotado para o Non-League Day

O estádio estava lotado para comemorar o Non-League Day

Se o clima antes da partida,era de festa e de celebração do Non-League Football, o primeiro do primeiro tempo lembrou exatamente o porquê do ingresso custar “o que você quiser pagar”. Um jogo feio, truncado e com pouquíssimas chances para cada lado, que pouco empolgou. O 0x0 no intervalo refletiu bem a falta de qualidade mostrada em campo.

No segundo tempo, por outro lado, a história foi diferente, com o Dulwich partindo para cima para se manter na briga pelo título da Ryman League e o Richmond buscando os contra-ataques para conseguir uma vitória surpresa. Ashley Carew deu a vantagem ao time da casa duas vezes, mas um gol de pênalti e um em um bate-rebate na área cederam o empate aos visitantes.

Mesmo tendo que jogar os últimos 23 minutos com um a menos, o empate doeu no Dulwich, que perdeu o 100% de aproveitamento jogando em casa. Mas, mesmo assim, com o bom futebol apresentado até aqui na temporada e uma torcida que cresce a cada ano, o Dulwich Hamlet tem um futuro promissor à sua frente, graças, em boa parte, à iniciativa de James Doe.

Na saída do estádio, era possível ouvir torcedores “novatos” falando que voltariam mais vezes durante a temporada. É difícil saber quantos deles de fato voltarão ao Champion Hill ainda este ano, mas eu sei que, pelo menos, eu estarei lá.

Comentários

Torcedor fanatico do Arsenal e do Flamengo, Gregor é fã de longa data da Premier League, acompanhando a liga avidamente há 10 temporadas. Formado em linguística inglesa pela universidade King's College em Londres, agora faz mestrado em linguistica e literatura na universidade de Zurich. Colunista da extinta revista "Doentes por Futebol", hoje é o editor de futebol inglês no site.