O melhor Sporting de todos os tempos

  • por Lucas Sartorelli
  • 6 Anos atrás
capa

Arte: Doentes por Futebol

Em 2011, o Sporting, de Portugal, divulgou o resultado de uma votação realizada no site oficial do clube que visava eleger seu melhor time de todos os tempos. Entre fevereiro e setembro daquele ano, por meio de uma eleição democrática, torcedores apaixonados de todas as classes e idades relembraram times e jogadores e deram suas sugestões. Assim, após 74.066 votos, há 3 anos, na sugestiva data de 11/11/11, o clube revelou seu 11 dos sonhos.

Como em toda eleição envolvendo predileção e opiniões pessoais, surgiram discórdias e aversões, especialmente entre saudosistas e jovens. No entanto, não se pôde negar o prestígio e a importância do conjunto que, além da conquista de inúmeros triunfos, levou o nome do Sporting a altos patamares, ainda que em décadas distintas.

Uma equipe composta de nove portugueses (um brasileiro naturalizado), um brasileiro e um búlgaro. Cinco formados na célebre categoria de base do clube, entre os quais, dois eleitos melhores do mundo. Os 11 jogadores eleitos somam um total de 3127 jogos oficiais a serviço do clube, tendo marcado 1073 gols e conquistado 60 títulos para o clube do estádio José Alvalade.

A formação do time é o 4-4-2 ofensivo.

Foto: pelomeusportingcp

Foto: pelomeusportingcp

Vamos a eles:

Vítor Damas

Foto: publico.pt

Foto: publico.pt | Damas em um de seus muitos embates contra o Benfica

Concorrendo com nomes históricos como o do dinamarquês Peter Schmeichel, Damas é considerado uma unanimidade no gol do melhor Sporting de todos os tempos. O jogador, que defendeu o clube entre 1966/67 e 1974/75, atuou em uma época em que o Benfica dominava o futebol português e efetuou inúmeros duelos com o lendário Eusébio, conquistando alguns importantes títulos. Não à toa, mesmo após sua morte em 2003, é conhecido como “Eusébio das balizas”.

Carlos Xavier

Após 12 anos de clube, entre idas e vindas, 333 jogos, um campeonato nacional, duas Taças de Portugal e três Supertaças conquistadas pelo Sporting, Carlos Xavier assegurou sua vaga na lateral direita.

Beto

Revelado no União de Leiria, o zagueiro se transferiu para o Sporting em 1996 e lá permaneceu por 10 anos, até ser vendido para o Bordeaux, da França. Também teve presença constante e regular na seleção portuguesa.

André Cruz

Foto: sectorofensivo

Foto: sectorofensivo | André Cruz comemorando gols: cena que se repetiu inúmeras vezes

Oriundo das categorias de base da Ponte Preta, o brasileiro teve passagem por diversos clubes importantes como Flamengo e Milan até chegar ao Sporting, em 2000. Completamente adaptado, conquistou dois campeonatos portugueses, duas Supertaças e uma Taça de Portugal, o suficiente para deixar marcada sua breve passagem de duas temporadas. Seus gols de falta deixam saudades até hoje entre os torcedores.

Hilário

Jogador de grande físico, extrema qualidade técnica e rigor tático exemplar, Hilário preenche a lateral esquerda após defender o Sporting por 15 anos ininterruptos somando 629 jogos pela equipe entre 1958 e 1973.

Luís Figo

Foto: abancadanascente

Foto: abancadanascente | Figo e toda a sua classe

Formado no Sporting, Figo atuou nas categorias de base do clube de 1985 até 1990, ano em que estrearia na equipe profissional. Fã de Maradona, o estilo de Figo surpreendia especialmente pelos dribles mais eficazes do que espetaculares, pela visão de jogo e por uma qualidade de passe extraordinária. Após 5 anos de muito destaque com a camisa verde e branca, transferiu-se para o Barcelona. Eleito melhor jogador português do planeta por 6 anos seguidos (de 1995 a 2000), alcançou o ápice da glória em 2001, conquistando a Bola de Ouro de melhor do mundo pelo Real Madrid.

“Não sei qual foi a sensação, mas senti algo de especial. Jogar pelo Sporting e aqui em Alvalade era uma coisa com a qual eu sonhava há muito, uma coisa que muitos colegas meus ambicionam e que nem todos conseguem atingir. Realizei apenas parte do meu sonho, pois o sonho só deixará de o ser quando eu atingir a maturidade suficiente, quando for chamado a fazer um jogo de início, conseguir completá-lo e ser chamado no jogo seguinte. O profissionalismo tem de ser encarado de uma forma que não leve os jovens a sentirem-se deslumbrados com aquilo que vão encontrar, com o dinheiro, e por vezes com a fama”.

(Luís Figo, então com 17 anos de idade, no dia seguinte à sua estreia como profissional)

Balakov

Foto: planetworldcup

Foto: planetworldcup | Campanha histórica: o búlgaro em ação por sua seleção na Copa de 1994

Krassimir Balakov fardou e honrou a camisa 10 do Sporting em todos os sentidos que o número representa no futebol. Poucos são os jogadores que deixam saudades sem conquistar muitos títulos. Balakov é um deles. Atuando na meia ao lado de Figo, unia uma combinação perfeita de força e técnica. O jogador apareceu para o mundo, de fato, na Copa de 1994, defendendo a surpreendente Bulgária, 4ª colocada no mundial daquele ano.

Travassos

Mais um representante da velha guarda Sportinguista, José Travassos foi o maestro do time entre 1946 e 1958, tendo como resultado de seu talento e dedicação a conquista de oito títulos portugueses, além de uma Taça de Portugal. A visão de jogo e a finalização eram seus pontos fortes.

Cristiano Ronaldo

Foto: footballplayerschildhoodpics

Foto: footballplayerschildhoodpics | O jovem Cristiano recém chegado ao Sporting

Nascido em 1985, Cristiano Ronaldo chegou ao Sporting cedo, com 11 anos de idade. De potencial imenso e visível, se tornou o único jogador da história do Sporting a atuar nas categorias Sub-16, Sub-17, Sub-18 e na equipe principal num mesmo período. Na temporada 2002/2003, o treinador romeno Laszlo Boloni surpreendeu a todos escalando aquele menino franzino de 17 anos na meia-esquerda do time profissional contra o Paris Saint-Germain. Sua estreia oficial ocorreria diante da Inter de Milão num empate sem gols em jogo válido pela Liga dos Campeões.

No geral, atuou em apenas 31 jogos pelo Sporting, muito em conta daquela que seria sua última partida na equipe portuguesa. Diante do Manchester United, Cricas soltou todo o seu vasto repertório de jogadas e assinou uma exibição fabulosa, deslumbrante, surpreendente, de tal forma que os ingleses, derrotados por 3×1, decidiram investir tudo o que já pediam por aquele jovem gênio: 15 milhões de euros. Após notabilíssima passagem de 7 anos pela Inglaterra com muitos títulos, recordes quebrados e um prêmio de melhor do mundo pelos Red Devils, se transferiu em 2009 para o gigante galático Real Madrid naquela que seria a maior transação da época: 94 milhões de euros, que o transformou-o também em um dos jogadores mais bem pagos do mundo.

Foto 20min.ch

Foto 20min.ch | O fenômeno português em ação já pelo time principal em Maio de 2003

Liedson

O outro brasileiro do time joga na frente. E nem haveria como não figurar nesse timaço. Estamos falando de um jogador que marcou 183 gols em 313 jogos pelos Leões. Como se não bastasse, o Levezinho, como Liedson é conhecido, tinha o faro apurado especialmente contra o Benfica, maior rival do Sporting. Com 10 gols em 15 jogos, os Encarnados certamente não se esquecerão tão cedo do tormento que o atacante causou às suas defesas dentro da área. De qualquer forma, o eterno camisa 31, que antes da carreira de jogador trabalhava em um supermercado e chegou tarde ao futebol, já garantiu um lugar na galeria de ouro do clube em pouco mais de 6 anos defendendo a camisa verde e branco. Em 2009, Liedson se naturalizou português para defender a seleção do país que o acolheu.

Peyroteo

Foto: forumscp

Foto: forumscp | Camisas e chuteiras de Peyroteo expostos no museu Mundo Sporting

Nascido em Angola, chegou ao Sporting em 1937 com 19 anos e estreou de cara em um embate duplo contra o rival Benfica, marcando e mostrando a que veio. A partir de então, transformou-se numa verdadeira máquina de fazer gols, tornando-se no maior goleador português de todos os tempos, detentor de uma série de recordes provavelmente imbatíveis, liderando o ataque leonino durante 12 anos, nas quais sempre se sagrou artilheiro da maioria dos campeonatos que disputou. Além da vasta lista de títulos conquistados, marcou inacreditáveis 635 gols em 393 jogos (contabilizando partidas amistosas).

Nomes que ficaram de fora da escalação oficial, mas que foram constantemente lembrados na votação:

Luizinho (zagueiro)

Rui Jorge (lateral esquerdo)

Nani (meia)

Futre (meia)

João Moutinho (meia)

Manuel Fernandes (atacante)

Jardel (atacante)

Contribuição: www.sporting.pt

Comentários

Paulistano, projeto de jornalista e absolutamente ligado a tudo o que envolve essa arte chamada futebol, desde a elegante final de uma Copa do Mundo às peculiaridades alternativas das divisões mais obscuras de nosso amado esporte bretão. Frequentador assíduo nas melhores (e piores) várzeas e peladas de fim de semana, sempre à disposição para atuar em qualquer posição.