Anjo e Demônio

  • por Rafael Rodrigues
  • 7 Anos atrás
Arte: Doentes por Futebol

Arte: Doentes por Futebol

Eurico Miranda é oficialmente o novo presidente do Vasco da Gama. Completando 37 anos no ambiente político do clube, ele assume nesta semana o cargo de mandatário vascaíno. Títulos, polêmicas e muita provocação aos seus desafetos são alguns dos ingredientes que compuseram essas quase 4 décadas de Eurico no Vasco.


Filho de imigrantes lusitanos, Eurico já estava destinado a torcer por uma instituição portuguesa dentro da cidade em que nasceu, o Rio de Janeiro. O polêmico dirigente chegou ao Vasco em 1967, assumindo o cargo de Diretor de Cadastro. Dois anos depois, como Vice-Presidente de Patrimônio, mostrou pela primeira que era capaz de qualquer coisa por uma vitória. Enquanto ocorria uma reunião para decidir sobre a cassação do mandato do presidente vascaíno à época, seu aliado, houve uma queda de energia elétrica muito suspeita. O episódio ficou conhecido como “a mão de Eurico”, já que muitas testemunhas afirmam o terem visto próximo ao quadro de luz da sede do clube na Lagoa.

Durante as décadas de 70 e 80, Eurico cresceu muito no cenário político do clube, chegando a ser escolhido o representante da instituição na FERJ, federação que administra o futebol do estado Rio de Janeiro. No entanto, não conseguiu assumir a presidência do Vasco nesse período, perdendo duas vezes para Antônio Soares Calçada, tido até hoje como um dos maiores presidentes da história do Gigante da Colina.

Mesmo tendo sido concorrentes diretos ao cargo de presidente do Vasco, Calçada e Eurico se uniram no final da década de 80, com o segundo sendo escolhido como Vice-Presidente de Futebol do clube. Foi a partir daí que Eurico começou a conquistar os vascaínos, e também quando começou a colecionar inimigos e desafetos aos montes.

O dirigente montou um dos times mais vitoriosos do Vasco, conquistando dois Brasileiros, uma Mercosul e uma Libertadores da América em quatro temporadas. Além disso, por conta de Eurico, o Vasco tem o centenário mais copeiro do futebol brasileiro, já que é o único time nacional campeão da América no ano em que completou um século de existência.

O lado polêmico também agradou a muitos torcedores cruzmaltinos. Um exemplo desta faceta do dirigente foi a invasão ao gramado de São Januário quando achou que o árbitro estava prejudicando o Vasco, não deixando a partida terminar. Houve também o episódio dos xingamentos ao governador Garotinho quando este ordenou que a final do Brasileiro de 2000, quando o alambrado da Colina caiu e feriu dezenas de torcedores, fosse adiada. Além disso, ele se destacou por sua briga com a Rede Globo, que teve seu ponto alto quando Eurico colocou o símbolo do SBT, principal concorrente da emissora, na camisa do Vasco que seria usada na final da Copa João Havelange, o Campeonato Brasileiro de 2000.

Após o time da Colina vencer o rival Flamengo por 5×1, num Maracanã lotado, Eurico soltou uma das frases favoritas dos torcedores, repetida até hoje nas arquibancadas quando os times se enfrentam:

“Foi um resultado normal, anormal é quando o Flamengo vence o clássico”.


Em 2001, Eurico finalmente assumiu a presidência do clube, talvez a pior coisa que poderia ter feito para sua imagem perante os torcedores. A partir desse ano, o Vasco não ganhou nenhum título de importância no futebol brasileiro (ganhou apenas um Campeonato Carioca, em 2003) e se afundou em dívidas. O presidente também sofreu diversos processos nessa época por motivos como venda irregular de jogador, agressão a repórter e compra de votos nas eleições cruzmaltinas.

Agora, para o período 2015-2017, o torcedor não sabe qual Eurico Miranda esperar. Será presidente o Eurico vencedor, campeão de praticamente tudo pelo Vasco, com pulso firme? Ou o Eurico que parece pouco se importar com a centenária instituição, sendo acusado até de roubar dinheiro do clube? Seja qual for, o vascaíno quer mesmo tirar o time do cenário triste em que vive atualmente, longe dos títulos e tendo caído duas vezes para a segunda divisão em apenas 5 anos.

O torcedor quer um Vasco gigantesco de novo e alguém tem que fazer esse trabalho. Essa é a verdadeira missão de Eurico Miranda.

Comentários

Estudante de Jornalismo, carioca e torcedor apaixonado do Vasco da Gama. Trabalha no projeto "Embaixadores da Colina", do próprio Vasco, representando a faculdade ESPM. Sócio e frequentador assíduo de jogos do clube