Futebol pelo Mundo: Vigo

Foto: Arquivo pessoal/Wladimir Dias - Vista externa do Estádio

Foto: Arquivo pessoal/Wladimir Dias – Vista externa do Estádio

Após trazer ao leitor o relato de uma experiência futebolística na cidade de Bruxelas, capital da Bélgica, partimos para outro destino. Pela Liga BBVA, Celta de Vigo e Almería se enfrentaram na última sexta-feira e os parceiros Doentes por Futebol e O Futebólogo contam como é assistir a uma partida de futebol na bela e interessante cidade galega de Vigo, que, como Bruxelas, não respira o futebol, mas tem uma relação de amor com o clube da cidade.

Transportando-se

Curiosa e diferentemente da maioria das cidades do mundo, Vigo possui um estádio em uma região relativamente central, pouco afastada de sua área mais turística. A localização favorece o transporte do amante do futebol, que pode, tranquilamente, deixar a Praza del Sol e chegar ao Estádio M. de Balaídos, casa do Celta, com uma caminhada de 20-25 minutos.

Evidentemente, a escolha da caminhada não traz consigo o apreço e a adesão de boa parte do público, que pode precisar de outras alternativas. Dito isso, vale ressaltar que há linhas de ônibus que passam pelo estádio e têm baixo custo, e também não se deve desconsiderar a possibilidade de usar um táxi, cujo valor – partindo da zona central da cidade – não fica muito elevado e dá mais tranquilidade ao torcedor.

Além disso, a cidade, em geral, se comunica em galego, variação do castelhano que se parece ainda mais com o Português do que o próprio Espanhol. Ou seja, é muito fácil chegar ao campo. 

A experiência fora do Estádio

Como em Bruxelas, há muitos bares com televisores no entorno do bonito Estádio do Celta – todos bem cheios. No entanto, provavelmente em função da temperatura (cerca de 15ºC, alta para os padrões da época), havia muita gente nas ruas, circulando, bebendo e comendo. Ao redor do campo, há também trailers vendendo produtos relacionados ao clube, que vão desde cachecóis até boinas com o emblema da equipe.

Foto: Arquivo pessoal/Wladimir Dias - Vista do entorno do Estádio

Foto: Arquivo pessoal/Wladimir Dias – Vista do entorno do Estádio

Além disso, o clube tem sua loja oficial no estádio, a qual, como a do Anderlecht em Bruxelas, estava muito cheia e dispunha de uma variedade considerável de produtos do clube.

Existem muitos portões no estádio, o que facilita a entrada e a saída do local. Há, ainda, nos mesmos, pinturas remetendo a jogadores de destaque da história do clube e, em algumas pilastras, notam-se fotografias dos destaques atuais do plantel galego.

Com poucos policiais no entorno, o clima é bem amistoso e percebe-se com facilidade a presença de muitas famílias, crianças e idosos, inclusive totalmente desacompanhados. As autoridades exercem um papel apenas preventivo: não há, sequer, revista.

Foto: Arquivo Pessoal/Wladimir Dias - Loja do clube

Foto: Arquivo Pessoal/Wladimir Dias – Loja do clube

Por fim, resta dizer que, para quem compra os ingressos pela internet, é extremamente fácil retirá-los. Há dois guichês eletrônicos, sem filas, em que basta preencher dois campos, enviados via e-mail quando da compra, e os bilhetes são automaticamente impressos.

A experiência dentro do Estádio

O encontro, visto por um público escasso de pouco mais de 14.000 pessoas, revelou um estádio bonito, mas, aparentemente, carente de reparos e um pouco decadente. Todavia, respeitam-se os lugares marcados. Na parte interna, há bares e balcões vendendo alguns tipos de comidas e bebidas.

Cachorros quentes e pipoca são muito populares e têm um padrão de preços bem semelhante aos praticados no Brasil, ou seja, não são baratos. O interessante é que, apesar de as filas não serem propriamente convidativas ao consumo, há televisões transmitindo o jogo, ou seja, apesar do tempo gasto ser grande, o torcedor não perde  lances.

[youtube id=”125_YiyBC4I” width=”620″ height=”360″]

O jogo

Dentro das quatro linhas, o espetáculo foi fraco. Com dois rivais notavelmente limitados tecnicamente – e com o Celta sem dois de seus destaques (Nolito e Joaquín Larrivey ficaram no banco de reservas) – o jogo teve um primeiro tempo moroso. Apesar do domínio da posse de bola por parte da equipe da casa, foi o Almería que inaugurou o placar e, a partir de seu tento, passou a desperdiçar muito o tempo, sobretudo quando a bola saía dos limites do gramado.

Foi só na etapa complementar que o Celta partiu para o ataque de forma mais incisiva, primeiro com avanços pouco produtivos de Fabián Orellana pela faixa destra e, depois da entrada de Nolito, pelo flanco canhoto também. Por sua vez, o Almería abdicou do ataque, utilizando-se exclusivamente de raros contragolpes para levar perigo à meta adversária.

[youtube id=”XTpf1BEes-E” width=”620″ height=”360″]

Na segunda etapa, também houve uma penalidade máxima em favor do clube galego. Não obstante essa ter sido uma grande oportunidade, Nolito desperdiçou-a e permitiu a manutenção de um placar desfavorável ao Celta, que armou-se em um 4-3-3 e batalhou contra um Almería escalado em um 4-2-3-1.

Curiosamente, a penalidade marcada em favor do Celta aparentou ter sido um equívoco da arbitragem. No entanto, pouco tempo depois, houve lance duvidoso em que pareceu ter sido erroneamente desconsiderado um novo pênalti.

IMG_0212

Foto: Arquivo Pessoal/Wladimir Dias – Lance do encontro

A torcida

Passiva, a torcida do Celta não oferece espetáculo ao amante do futebol. Manifestações de apoio são poucas e restringem-se a gritos do nome do próprio time. Ouvem-se mais reclamações, por meio de assobios, do que propriamente apoio das arquibancadas.

A saída

Tão tranquila quanto a chegada, a saída do estádio é extremamente fácil – com muitos portões e facilidade de escoamento – e não traz consigo quaisquer problemas. Pode-se voltar ao centro tanto andando quanto por outros transportes – ônibus e táxis. Embora o Estádio não seja afastado da zona central da urbe, não há trânsito nas ruas. O dado curioso da saída é o interesse das pessoas da cidade que não foram ao estádio em saber o resultado da partida. Apesar de o clube não contar com o alento das arquibancadas, ele é extremamente querido por sua população.

Foto: Arquivo Pessoal/Wladimir Dias - Panorama das ruas da cidade cerca de 15 minutos após o término da partida

Foto: Arquivo Pessoal/Wladimir Dias – Panorama das ruas da cidade cerca de 15 minutos após o término da partida

O veredito

Segura e de fácil acesso, uma visita ao Estádio do Celta de Vigo é um programa para todos. O que pode não agradar muito é a qualidade do futebol apresentado. Ainda assim, o Celta é um time tradicional na Espanha e a experiência é interessante, uma vez que, como a maioria dos campos do mundo, o Estádio M. de Balaídos tem suas peculiaridades.

Comentários

Advogado graduado pela PUC Minas, mestrando em Ciências da Comunicação (Universidade do Minho) e Jornalismo Esportivo (MARCA), 26 anos. Amante do futebol inglês, mas que aprecia o esférico rolado qualquer terra. Tem no atacante Marques e no argentino Pablo Aimar referências; e não põe em dúvida quem foi o melhor jogador que viu jogar: o lúdico Ronaldinho Gaúcho, na temporada 2004/05. Também n'O Futebólogo e na Revista Relvado.