Existe vida para o Cruzeiro em 2015?

  • por Victor Gandra Quintas
  • 4 Anos atrás

Depois de conquistar o Campeonato Brasileiro por dois anos seguidos, o Cruzeiro vem perdendo alguns de seus principais atletas para esta temporada. O time foi bastante elogiado no ano passado por ter mantido aqueles que o ajudaram a vencer o principal torneio nacional em 2013, tendo ainda como fruto a repetição do feito em 2014.

Mas todo mundo que acompanha o futebol em nosso país sabe que isso é um fato raro. O time celeste conseguiu uma proeza com estas manutenções graças à ajuda de investidores e do sócio-torcedor, plano em que é um dos líderes de arrecadação do pais.

No entanto, não foi possível manter toda a equipe.

O primeiro a sair foi o lateral-esquerdo Egídio, que, apesar de não ser nenhuma unanimidade, gozava de ser um dos melhores jogadores da posição no Brasil.

Seguindo-o, por um valor irrecusável, Ricardo Goulart foi para o futebol chinês. É talvez o atleta que mais se valorizou com as conquistas cruzeirenses.

Lucas Silva, revelação entre os volantes e xodó da torcida, namorou o Real Madrid por um tempo, até que, quando se pensava que essa paixão havia acabado, voltou com tudo e virou casamento. Partiu para a Espanha.

Por fim, a inevitável perda de Everton Ribeiro (que teve sua saída confirmada na segunda, dia 26). Seria quase impossível segurar pelo terceiro ano o Craque do Brasileirão por duas vezes seguidas.

Isso sem contar o retorno de Marcelo Moreno ao Grêmio, já que o clube gaúcho pediu um valor irreal para que o boliviano continuasse na Toca da Raposa. Ou ainda a mudança de Alexandre Mattos para o Palmeiras, diretor que contratou grande parte dos jogadores e ajudou o time em suas conquistas.

Vendo estas saídas, ficam a pergunta e a resposta: existe vida para o Cruzeiro em 2015?

Sim, existe!

Gilvan Tavares, o presidente do clube, não ficou parado apenas vendendo seus atletas, mas tratou de contratar alguns jogadores.

O principal deles é De Arrascaeta, jovem uruguaio que estava a ponto de acertar com o Internacional. Habilidoso e ágil, tem tudo para acertar a armação do time na ausência de Ricardo Goulart e Everton Ribeiro.

Para o ataque, Joel, outro jovem que fez bonito ano passado. Camaronês, foi contratado junto ao Coritiba. Também trouxe a incógnita Leandro Damião, que estava encostado no Santos (vale lembrar que Marcelo Moreno vivia um calvário no Brasil até voltar com o bom futebol no Cruzeiro, e o mesmo pode acontecer com Damião).

Mas ainda faltam os substitutos de Egídio, Lucas silva e mais um armador. Jogadores para estas posições o clube já possui, mesmo que não tenham a mesma qualidade. mas que não comprometeriam o time. De toda forma, para a esquerda, o chileno Mena, também do Santos, realizou hoje exames no clube e deve assinar, e o presidente já prometeu um jogador de qualidade semelhante para a vaga deixada por Everton Ribeiro.

E se mesmo assim ficarmos com o pé atrás, temos que lembrar que a base não mudou tanto. A manutenção dos zagueiros, além de Mayke na lateral direita e o ídolo Fábio no gol é um trunfo.

Henrique, melhor volante do time no ano passado, também continua, mas precisará de um novo companheiro. O substituto imediato de Lucas Silva seria Nilton, mas este partiu para o Internacional (e não rendia mais o que jogou em 2013).

Mais à frente, Willian, Alisson (excelente opção se não sofrer mais com lesões) e Marquinhos são grandes opções. Julio Baptista e Neilton são outros jogadores que podem atuar ali, apesar de não mostrarem o que podem no ano passado. Mas a torcida ainda deseja ver o jovem Judivan por ali, já que se destacou quando teve oportunidade.

Portanto, com esta base, o Cruzeiro, contando que não contrate mais ninguém, deve ter em campo: Fábio; Mayke, Dedé, Bruno Rodrigo, Breno Lopes; Henrique, Willian Farias; De Arrascaeta, Willian, Marquinhos; Leandro Damião. Pode não ser uma formação que conquistará o Tricampeonato Brasileiro, mas ainda é um time forte, que pode dar alegria à torcida celeste.

"Esta é a formação se levarmos ao pé da letra as escolhas de Marcelo Moreno, com um meia que chega como falso atacante no meio da formação, e um mais habilidoso aberto pela direita".

Esta é a formação se levarmos ao pé da letra as escolhas de Marcelo Oliveira, com um meia que chega como falso atacante no meio da formação, e um mais habilidoso aberto pela direita (Mena ainda não assinou oficialmente até a hora que este texto foi ao ar).

E o torcedor não pode esquecer do principal personagem da sua recente história: o técnico Marcelo Oliveira. Chegou desacreditado para comandar atletas que eram nada mais que apostas e levou o clube ao sucesso.

É fato que a saída principalmente do quarteto Marcelo Moreno, Éverton Ribeiro, Ricardo Goulart e Lucas Silva fragilizará o time mineiro, mas nem de longe deixará de ser competitivo.

Comentários

Natural de Belo Horizonte. Torcedor do Cruzeiro e da Juventus. Um Doente por Futebol. Desde pequeno um apreciador do esporte mais popular do mundo, preferindo mais em acompanhar do que jogar (principalmente por não ter talento algum com a bola).