Direção do Sporting corta relações institucionais com o Benfica

Foto: Record.xl.pt/ Miguel Barreira, Fernando Ferreira, Vitor Chi - Confusão nas arquibancadas de José Alvalade

Foto: Record.xl.pt/ Miguel Barreira, Fernando Ferreira, Vitor Chi – Confusão nas arquibancadas de José Alvalade

No último final de semana, Benfica e Sporting se enfrentaram duas vezes na capital portuguesa. No sábado (o primeiro encontro), os times de futsal de Águias e Leões se enfrentaram pelo Campeonato Nacional e, no domingo, foi a vez dos times de futebol. Na primeira ocasião, foi vista na torcida do Benfica uma faixa com a inscrição “Very Light 1996”, uma referência à brutal morte de um torcedor sportinguista na final da Taça de Portugal de 1996 após ser atingido por um sinalizador (“Very Light” é um tipo de sinalizador).

No transcorrer do encontro, ouviram-se ainda gritos de “amanhã há mais”, incitando a violência. Os cânticos também foram ouvidos na partida de domingo. Além disso, teriam sido arremessados sinalizadores por parte dos benfiquistas na direção da torcida alviverde. Assim sendo, após a negligência do Benfica em pronunciar-se sobre o assunto, a direção leonina anunciou o corte de relações institucionais com o rival, na carta reproduzida abaixo:

Face aos graves acontecimentos do passado fim-de-semana e hoje reiterados pelo porta-voz oficial do SLB, vem o Sporting Clube de Portugal informar o seguinte:

  1. O Sporting Clube de Portugal é uma instituição centenária que sempre pautou a sua conduta na defesa de valores, em que a vida humana é um bem inalienável. É ainda um promotor de uma salutar prática desportiva, no respeito de princípios éticos e de urbanidade, nunca esquecendo o relevante papel que desempenha na nossa sociedade. Por isso naturalmente, quando, em 5 de Setembro de 2013, o Sporting Clube de Portugal tomou conhecimento de um incidente que envolveu uma carrinha que transportava elementos do staff do SLB, junto ao Estádio José Alvalade, emitiu de imediato um comunicado onde afirmou categoricamente que “condena e demarca-se de qualquer acto de violência, dentro ou fora dos recintos desportivos”;
  2. No passado sábado, dia 7 de Fevereiro, no pavilhão da Luz, durante o jogo de futsal entre a equipa da casa e o Sporting, foi exibida a toda a largura de um dos topos das bancadas uma faixa com a inscrição: “Very light 1996”. Esta inqualificável frase é uma alusão ao bárbaro assassinato do adepto leonino Rui Mendes, na final da Taça de Portugal, com recurso a um very light lançado por um adepto do Benfica;
  3. Para além de ostentarem a referida faixa, os adeptos do Benfica fizeram acompanhar a exibição da mesma com cânticos, entoando “amanhã há mais”, numa clara ameaça de repetição do acto;
  4. No pavilhão encontrava-se a assistir ao jogo o presidente do SLB que visualizou a referida faixa e não tomou qualquer medida na altura, nem o SLB emitiu nenhuma declaração a repudiar veementemente esta alusão a um assassinato;
  5. Durante o derby de domingo, no Estádio José Alvalade, as ameaças proferidas na véspera (“amanhã há mais”) vieram a concretizar-se com o lançamento indiscriminado por parte dos adeptos do SLB de artefactos pirotécnicos sobre os adeptos do Sporting, numa tentativa inqualificável de repetir o condenável episódio de 1996;
  6. Infelizmente, Rui Mendes partiu tragicamente mas deixou a sua família entre nós. Pelo que, como se não bastasse todo o sofrimento com o assassinato do seu ente querido, vê-se agora a família enlutada confrontada de novo com o reviver da dor, com provocações absurdas e a prática de actos bárbaros e criminosos, por parte de adeptos do SLB;
  7. Quando se esperaria, pelo mais elementar bom-senso, uma declaração de reprovação e demarcação, por parte dos órgãos dirigentes do SLB, vem o seu porta-voz oficial, numa comunicação grave e totalmente irresponsável, qualificar toda esta situação denunciada pelo Sporting de “folclore”. Repetimos o que enunciámos anteriormente para que fique bem claro do que se trata: o assassinato de Rui Mendes, as ameaças de repetição da selvajaria e a concretização de agressão com engenhos pirotécnicos de adeptos do Sporting por parte de adeptos do SLB. E para se ter bem a noção da gravidade deste caso, realce-se que por se tratarem de engenhos explosivos, este arremesso para cima de pessoas também constitui uma tentativa de homicídio;

O Sporting Clube de Portugal tem lutado de forma isolada por alterações fundamentais no futebol e no desporto onde o fair-play, a verdade desportiva e a alteração de regulamentação são determinantes para a credibilização de uma actividade que movimenta milhões de pessoas.

Face a tudo que foi anteriormente relatado e em prol da defesa dos mais elementares valores humanos e da dignidade do Sporting Clube de Portugal, não nos resta outra alternativa que não seja o corte de relações institucionais com o SLB e levar estes casos às entidades competentes, levando os mesmos, até às últimas consequências.

Lisboa, 10 de Fevereiro de 2015

O Conselho Directivo do Sporting Clube de Portugal

Comentários

Advogado graduado pela PUC Minas, mestrando em Ciências da Comunicação (Universidade do Minho) e Jornalismo Esportivo (MARCA), 26 anos. Amante do futebol inglês, mas que aprecia o esférico rolado qualquer terra. Tem no atacante Marques e no argentino Pablo Aimar referências; e não põe em dúvida quem foi o melhor jogador que viu jogar: o lúdico Ronaldinho Gaúcho, na temporada 2004/05. Também n'O Futebólogo e na Revista Relvado.