Oitavas de Final da Champions League

  • por Doentes por Futebol
  • 6 Anos atrás

Champions-League-Final1

A Champions League está de volta! Após dois longos meses de pausa, a abstinência chegará ao fim nesta terça-feira (17). A bola estrelada voltará a rolar nos gramados europeus e grandes jogos acontecerão já nesta semana. Na França, o PSG terá uma oportunidade de vingar a eliminação na temporada passada para o Chelsea. Já na Ucrânia começa a árdua missão do Shakhtar Donetsk de parar o Bayern de Munique. Na quarta ainda tem Schalke 04 x Real Madrid e Basel x FC Porto.

E nós, do Doentes por Futebol, projetamos cada um dos confrontos desta fase: os pontos fortes e fracos de cada time, o que uma equipe pode explorar para conseguir a vitória e os destaques de cada um dos elencos que chegaram até aqui.

Paris Saint Germain x Chelsea
(por Lucas Sousa)

PSG e Chelsea voltam a se encontrar na Liga dos Campeões. Na temporada passada, pelas quartas de final, melhor para os ingleses, que garantiram uma vaga na semi com um gol de Demba Ba nos minutos finais da partida. Os parisienses prometem vingança e o confronto tem tudo para ser um dos melhores da competição até aqui.

https://www.youtube.com/watch?v=bcDUQGFUkZA

A grande questão é: Mourinho vai se fechar na defesa e levar a decisão para Stamford Bridge? Provavelmente, sim. O que pode pesar contra é a última partida entre as equipes na França. O Chelsea jogou o primeiro tempo e conseguiu um empate por 1 a 1. Na segunda etapa, trancou o time, abdicou da partida e levou dois gols. Mas não deve ser suficiente para mudar as convicções do treinador. Além disso, o PSG gosta – muito – de ter a posse bola e os Blues não ligam em cedê-la ao adversário.

Para furar o provável bloqueio azul, Lucas seria uma peça importante. O brasileiro é o cara do drible, capaz de quebrar a marcação na individualidade, mas está fora do jogo por contusão. Lavezzi deve ser o substituto. Não tem tanto drible quanto o brasileiro, mas oferece mais poder de fogo.

PSG X CHELSEA

Azpilicueta deve ser o titular na lateral esquerda do Chelsea para conter o argentino. O lado esquerdo do time de Laurent Blanc também merece atenção. Além de Cavani, tem a forte chegada de Matuidi, o motor do time. O volante francês é parte importante da engrenagem do PSG, mas é dúvida para o confronto. Digne oferece mais uma opção ofensiva neste lado, mas Maxwell deve mesmo ser o titular. Outro que merece destaque é Verratti. Cada vez mais regular, firmou-se entre os titulares e é o grande maestro da equipe.

https://www.youtube.com/watch?v=F9vk-cSXG-g

Pelo lado inglês, Hazard é a principal arma ofensiva. Rápido, driblador e criativo, o belga pode decidir o confronto com uma jogada. Van der Wiel será o lateral-direito do Paris e o principal responsável por parar o camisa 10 adversário. No meio-campo, outra tarefa ingrata para os comandados de Blanc: anular Fàbregas. Se deixarem o espanhol pensar o jogo, o Chelsea leva uma grande vantagem. Matuidi é quem deve bater de frente com o homem das assistências, duelo muito importante na partida. Na frente, o novato Cuadrado deve mesmo ser banco, com Willian assumindo a ponta direita. Porém, uma eventual utilização de Ramires por ali, para dar mais segurança à defesa, não está descartada.

Chelsea-Diego-Costa-v-PSG-Zlatan-Ibrahimovic-16022015

Ibra e Diego possuem números muito parecidos na atual temporada.

Chelsea e PSG também apostam em grandes centroavantes para seguirem vivos na briga pela Europa. Ibrahimovic e Diego Costa estão entre os melhores do mundo na posição e são ótimas referências ofensivas. Podem ainda surgirem heróis improváveis. Pastore selou a vitória no último jogo na França e Ivanovic já marcou diversos gols decisivos. O certo é que Blanc e Mourinho farão dos jogos duas grandes partidas de xadrez e, em confrontos equilibrados, detalhes podem decidir. Favoritismo para o Chelsea, pelo melhor elenco e momento dentro da temporada, mas tudo pode acontecer.

Shakhtar Donetsk x Bayern de Munique
(por Lucas Sousa)

O ano começou ruim para o Bayern. Uma goleada sofrida por 4 a 1 para o Wolfsburg, seguido de um empate com o Schalke em casa, acenava para uma possível queda de rendimento do time de Guardiola. Nos últimos dois jogos, voltou a vencer, jogar bem e vem de um passeio sobre o Hamburgo: 8 a 0. Do outro lado, o Shakhtar não disputa uma partida oficial há dois meses – a última foi pela fase de grupos da Liga dos Campeões. O time vem disputando amistosos, mas o ritmo de jogo é totalmente diferente e pode fazer falta aos ucranianos/brasileiros.

Ba x Sc

É difícil prever a formação do Bayern. O time varia muito entre três e quatro homens na defesa. Depois da goleada acachapante, Guardiola deve manter a mesma escalação e formação. O 4-3-3 é muito forte pelo lado direito, com Rafinha apoiando o ataque e as aproximações de Gotze e Muller para trabalhar com Robben. E o lado mais frágil da defesa do Shakhtar é justamente o esquerdo. Shevchuck até oferece proteção à defesa, mas não tanto quanto Srna do outro lado. Sendo assim, os Bávaros devem forçar bastante o jogo por aquele setor. A jogada individual também é ótima opção. Contra o Porto, os ucranianos tiveram imensa dificuldade para parar Brahimi, um dos principais dribladores do campeonato. O fato é que o time alemão vai controlar a bola nas duas partidas e sua posse deve girar em torno de 70%.

E nos 30% que a bola estiver com o Shakhtar, o que time ucraniano deve fazer para surpreender o Bayern? Principalmente, contra-atacar com qualidade, e o Wolfsburg deve servir de exemplo para Mircea Lucescu. Os Lobos se fecharam muitíssimo bem na defesa, negaram espaços ao envolvente ataque do Bayern e foram letais nos contra golpes.

Nessas situações, três brasileiros serão importantes: Douglas Costa, Alex Teixeira e Taison. Os três meias são os velocistas da equipe e os responsáveis por uma transição ofensiva rápida. O Shakhtar utiliza muito os lados do campo e este pode ser um bom caminho, tendo em vista a ofensividade dos laterais bávaros.

https://www.youtube.com/watch?v=Y3cTaIfJmts

Na frente, o artilheiro da competição Luiz Adriano tem que estar nos melhores dias para bater Neuer. A ligação direta para o artilheiro é outra opção bastante utilizada pelos Mineiros. O time não tem um homem que pense o jogo no meio campo e até por isso utiliza bastante a ligação direta. Somando isso à pressão que o Bayern exerce no campo de ataque, veremos muitos lançamentos da defesa ucraniana.

Ficou para o ascendente time do leste europeu a dura tarefa de enfrentar uma das melhores equipes do mundo. Desta vez, nem o fator casa estará tanto ao lado do Shakhtar. Por conta da instabilidade política e dos conflitos que acontecem na Ucrânia, o time não tem jogado a Champions em Donetsk, mas em Liviv. A torcida até tem comparecido, mas os jogadores não se sentem em casa a mais de 1.200 km da cidade-sede. É mais uma barreira a ser vencida em um dos confrontos mais desequilibrados das oitavas.

Schalke x Real Madrid
(por Rai Monteiro)

Real Madrid e Schalke 04 chegam em momentos distintos para disputar uma vaga nas quartas de final da Champions e, por incrível que pareça, os azuis reais estão com o moral mais elevado. Se em 2015 o Real já foi eliminado da Copa do Rei e perdeu para Valência e Atlético no campeonato espanhol – sendo esta última derrota uma goleada que instaurou uma crise no time –, o Schalke tem duas vitórias e um empate contra o Bayern em Munique pela Bundesliga, além de ocupar o 3º lugar no nacional alemão. Tudo bem que o Madrid é líder na Espanha, mas é inegável que atualmente a equipe vive um período turbulento.

Também porque o time não joga bem, o trio BBC não rende tanto quanto o esperado. A defesa está desfalcada e o meio ainda sem maestro com a ausência de Modric (que já passa dos 80 dias). Na ocasião do sorteio do duelo, muita gente lembrou das partidas da mesma fase da Champions passada, quando o Real fez 9×2 no agregado. Pois é, muita coisa mudou de lá para cá e é bastante provável que os resultados também não permaneçam os mesmos.

Di Matteo, técnico do Schalke, achou uma forma de tornar da defesa mais sólida, sendo atualmente a quarta melhor da Alemanha, com 22 gols sofridos em 34 jogos. Em 2015, o time sofreu apenas um gol em três jogos. O esquema conta com três zagueiros e dois alas que fecham uma linha de cinco sem a bola. No meio, Boateng e Meyer fazem o jogo andar, enquanto Neustadter fica mais recuado entre os dois. À frente, Choupo Moting e Sam trabalham sem referência fixa, alternando e entrando na diagonal, à espera de bolas longas.

Schalke x Real

No Madrid, Ancelotti não vai ter Ramos, Pepe e James, além de Modric. Nacho e Varane devem seguir formando a zaga titular. A dúvida vem no meio: 4-4-2 ou 4-3-3? Com Khedira fora de combate e Illarra fora da lista dos preferidos de Carlo, Lucas Silva pode ganhar espaço e formar um meio com Kroos e Isco. O BBC deve ser mantido, porém com mais atribuições defensivas a Bale, que recuaria para formar uma segunda linha de quatro com os meias, deixando Ronaldo e Benzema mais isolados.

Qualquer que sejam as formações usados por Di Matteo e Ancelotti, teremos dois bons jogos. É óbvio que o Madrid é o favorito, mas o novo Schalke não está para brincadeira e vai endurecer. Resta saber como reage o Madrid pós-crise.

 

Basel x Porto
(por Wladimir Castro)

Jogando em casa e líder soberano na Swiss Super League, o Basel terá pela frente o tradicional Futebol Clube do Porto, em uma partida que poderia ser considerada a “pior” da primeira fase eliminatória da UEFA Champions League. Poderia, mas dificilmente o será. E a explicação reside na forma e estilo de jogo dos rivais.

Comandada pelo português Paulo Sousa, um dos futebolistas portugueses de maior sucesso na história do país e notável vencedor da competição europeia – tendo sido laureado em duas ocasiões, uma com a Juventus e outra com o Borussia Dortmund – a esquadra helvética tem apresentado um estilo de jogo aplicado e consciente de suas tarefas e limitações. Ao mesmo tempo, sem nunca abrir mão de sua ofensividade, que tem marcado o estilo do time há anos, desde os tempos em que contava com o ótimo winger Xherdan Shaqiri.

O saldo de -1 na fase de grupos poderia atestar que o Basel apresenta problemas no setor defensivo. Apesar disso, a análise fria do dado poderia nos levar pelas veredas do erro, uma vez que, dos oito gols que sofreu na referida fase, seis foram contra o poderoso Real Madrid, o que tem que ser contextualizado e nos diz que em outras quatro partidas (contra Liverpool e Ludogorets), o clube sofreu apenas dois gols.

Com uma linha de quatro homens de defesa, dos quais Fabian Schär, internacional suíço, é a figura de maior destaque, a defesa não compromete. Imediatamente postados à frente dela, Mohamed Elneny e Luca Zuffi têm oferecido uma saída de bola qualificada. Presente nas seis partidas do clube na fase de grupos, o primeiro distribuiu passes com 89% de acurácia, ao passo que seu companheiro, que falhou um encontro, mostrou 87% de eficiência no mesmo fundamento.

À frente, o clube dispõe do talento de alguns jogadores, sobretudo, do paraguaio Derlis González, autor de belo gol contra o Real Madrid, do argentino Matías González e do albano-helvético Shkelzen Gashi, grande destaque do time na temporada, tendo marcado 14 gols em 21 jogos. No centro do ataque, o grandalhão Marco Streller seque sendo a referência.

Outros dois pontos que merecem observação e trazem consigo interrogações são a saída de Marcelo Díaz para o Hamburgo e o fato de o clube ter ficado dois meses sem jogos oficiais, entre nove de dezembro de 2014 e oito de fevereiro de 2015.

Do lado portista, a vida não tem sido fácil no Campeonato Português. Segundo colocado, quatro pontos distante do rival Benfica, o time sofreu profunda modificação com a chegada do treinador Julen Lopetegui, no início da temporada. Buscando “espanholizar” a esquadra lusa, o comandante trouxe muitas novidades e ainda está trabalhando para extrair seu melhor potencial.

Há muito talento nos Dragões e, em um dia bom, os garotos podem mostrar futebol de assustadora qualidade, todavia, sua condição jovial também traz consigo o risco da oscilação. Taticamente, Lopetegui tem feito uso de um esquema que tanto pode traduzir-se em um 4-1-4-1, quanto em um 4-3-3.

À frente de uma defesa que tem nos laterais Danilo e Alex Sandro armas de desafogo fortíssimas, Casemiro é o principal homem da contenção, tendo logo à frente, em uma linha um pouco mais avançada, dois companheiros – usualmente Héctor Herrera e Óliver Torres, com opção por Rúben Neves e Juan Quintero.

https://www.youtube.com/watch?v=jA00q14SuNM

“Enconstados” às pontas, o clube tem várias opções. Seguramente, a mais eficiente delas tem sido o argelino Yacine Brahimi, grande destaque do time na temporada, com 10 gols e oito assistências em 25 jogos. O mágico da trivela, Ricardo Quaresma, recuperou um pouco do espaço perdido no início da temporada, mas enfrenta a forte concorrência de Cristian Tello. Machucado, Adrián López está fora. No centro do ataque, Jackson Martínez, que tem sido o capitão da equipe, segue mostrando sua veia goleadora e é destaque.

Até o momento, a vida do clube português foi tranquila na competição continental. Contra o débil BATE Borisov, o Porto marcou nove importantes gols, que ajudaram-no a alcançar o saldo de gols de +12 e a invencibilidade, com quatro vitórias e dois empates – ambos contra o Shakhtar Donetsk.

porto x basel

Assim sendo, a expectativa é de um jogo aberto e cheio de possibilidades, uma vez que o Basel precisará de um bom resultado jogando em seus domínios e o Porto, por estilo, tem feito um jogo que busca sempre a melhor representação estética do jogo.

Comentários