Os Messis e Ronaldos dos pobres

  • por Victor Mendes Xavier
  • 5 Anos atrás
Arte: Doentes por Futebol

Arte: Doentes por Futebol

A Liga Espanhola sempre teve em Real Madrid e Barcelona seu centro de atenção. Como consequência, parte dos olhares dos fãs de futebol direcionam-se aos jogadores dos dois clubes, quase sempre estrelas midiáticas, craques de classe mundial. O resultado dessa polarização é o “esquecimento” (aos menos atentos, é claro) dos clubes de médio e pequeno porte, mas com atletas igualmente importantes aos seus respectivos sucessos numa temporada.

Desde 2009, quando Cristiano Ronaldo acertou sua transferência ao Real Madrid, Lionel Messi e ele disputam rodada a rodada a artilharia do campeonato. O argentino levou a melhor em três oportunidades (2009/2010, 2011/2012 e 2012/2013), contra duas do gajo (2010/2011 e 2013/2014), que é o artilheiro da atual edição.

Mas e os outros goleadores? Quem são? Onde vivem?

CHAPELIN DPF

Agora, no Globo Repórter, digo, Doentes por Futebol.

Resolvemos destacar cinco nomes do lado B dos centroavantes do futebol espanhol. A lista está em ordem alfabética, não levando em conta, portanto, a qualidade técnica como critério principal.

Nome: Aritz Aduriz
Clube: Athletic Bilbao

Aduriz chegou a Bilbao num período conturbado. Apesar dos vice-campeonatos da Liga Europa e da Copa do Rei, sucessivas intrigas envolvendo o treinador Marcelo Bielsa e a cúpula do clube rojiblanco moldaram negativamente a campanha basca em 2012/2013. Além disso, Aduriz foi o encarregado de substituir o até então destaque do time, Fernando Llorente, em baixa no elenco por questões extracampo. A primeira temporada foi marcada pela irregularidade, muito por causa do bagunçado time. No entanto, a chegada de Ernesto Valverde melhorou o desempenho do centroavante.


Na temporada passada, foi um dos principais responsáveis pela ida do Athletic à Liga dos Campeões da Uefa, com uma brutal atuação no segundo turno. Atualmente, com a substancial queda de rendimento do time, já se fala em Adurizdependência. Os Leones só parecem funcionar quando ele atua bem. Qualquer pretensão do time de Valverde no ano passa pelos pés de Aduriz, centroavante com um exímio jogo aéreo e de boa movimentação à frente.

Vitória sobre os Galáticos com a marca de Aduriz:
(07/03/2015)

E mais uma vez Aduriz se faz decisivo numa vitória do Bilbao. O atacante confirma sua ótima temporada pelos Leones, marcando o gol da vitória que dificulta ainda mais a campanha do Real Madrid em busca do Campeonato Espanhol (se o Barcelona vencer, ultrapassará os rivais). Pode-se dizer que Aritz Aduriz é o atacante mais decisivo para sua equipe na temporada 14/15 de Liga:

Dados: transfermarkt.com

Dados: transfermarkt.com

Aduriz já marcou quase metade dos gols do Bilbao na competição, o nível de dependência de sua equipe para com seu desempenho é nitidamente similar ao dos escretes a que pertencem Cristiano e Messi.

Nome: Carlos Bacca
Clube: Sevilla


Quando a diretoria sevillista foi à Bélgica contratar Bacca, muitos desconheciam o jogador. Bastou meia temporada para ver que ali estava um projeto de camisa nove interessantíssimo. A parceria com Rakitic divertiu os torcedores e rendeu frutos positivos ao Sevilla. O treinador Unai Emery montou um sistema de jogo que propiciava suas características. Com o forte contra-ataque desenhado, o croata era o dono do último passe e o colombiano, da conclusão da jogada. Dessa forma, os nervionenses foram campeões da Liga Europa e terminaram em quinto na Liga Espanhola.

https://www.youtube.com/watch?v=r0mNRDaYo1U


A ida de Rakitic ao Barcelona abriu uma discussão: como iria se comportar Bacca sem seu principal companheiro? As dúvidas não existem mais. Bacca segue marcando gols à exaustão e entendendo-se bem com seus “auxiliares”, seja Denis Suárez ou Banega, apesar do Sevilla contra-atacar com menos qualidade que no ano passado. Um nove clássico, dominante na grande área e bastante conhecedor desse setor do campo. Um perigo constante a qualquer dupla de zaga da Espanha.

Nome: Luciano Vietto
Clube: Villarreal

A temporada de estreia de Vietto na Espanha tem sido enorme. Num time leve, vertical e com uma poderosa e veloz transição ofensiva, o argentino de 21 anos é o melhor jovem do futebol espanhol em 2014/2015. Técnico, sabe interpretar um contra-ataque como poucos e é infalível cara a cara com o goleiro adversário. Aliás, sua frieza chama a atenção. A facilidade para conduzir a bola e concluir com tão pouco tempo de experiência é elogiável.

https://www.youtube.com/watch?v=qUAJZRSF7q4

O gol contra o Atlético de Madrid no Vicente Calderón foi típico de um centroavante que já sabe o que vai fazer antes de receber a bola. Vietto é um nove parecido com Benzema. A excepcional movimentação fora da área permite a abertura de espaços para seus companheiros e a criação dos contra-ataques do Submarino Amarelo. Um esboço de craque sul-americano está em desenvolvimento e sua evolução merece ser observada.

DESTACADA

Leia mais: Luciano Vietto, mais uma joia argentina

Nome: Nordin Amrabat
Clube: Málaga

Dentre todos da lista, o holandês naturalizado marroquino é o mais habilidoso e o menos goleador. Merece destaque pelo trabalho tático que cumpre no atual Málaga, às vezes escondido graças à capacidade individual, como em sua atuação contra o Barcelona no início da Liga. Até por isso, o winger genuíno foi transformado em falso nove. Amrabat, atuando no centro do ataque, entende o jogo. É um centroavante móvel, que puxa a marcação dos zagueiros, permite as entradas em diagonais dos dois pontas e aproveita de seu drible para criar superioridade.


Amrabat ficou quase um mês fora graças a uma lesão muscular no início de novembro, interrompendo uma sequência de ouro. Para muitos, era um dos jogadores mais determinantes do campeonato. A boa finalização e o estilo vertical aportam uma agressividade extra à equipe treinada por Javi Gracia no primeiro terço da temporada.

Nome: Sergio García
Clube: Espanyol

Este entra na categoria dos subestimados. É impressionante o que o catalão faz no Espanyol há três temporadas. Veloz, determinante e voluntarioso, teria sido interessante vê-lo ao menos uma temporada no clube onde foi criado, o Barcelona. O auge da carreira, no entanto, acabou sendo no lado azul e branco da Catalunha, substituindo uma bandeira como Raúl Tamudo. Semanalmente, deixa ações constantes de sua qualidade. O bom desmarque, o deslocamento para os lados e a capacidade de improvisação definem Sergio García. E o progresso não para.

Depois de anos sendo o “jogador contextual”, atuando praticamente sozinho no ataque e sendo toda a esperança ofensiva dos péricos, ele enfim tem companheiros decentes à frente, como Lucas Vázquez, um ponta-direita enérgico e trabalhador, mas de muito talento. Afinal de contas, depois uma sensacional temporada em 2013/2014, Sergio García merecia ser recompensado. Se houvesse uma premiação ao “jogador-herói” do mundo, certamente já teria levado mais de um troféu.

Comentários

Jornalista, carioca e apaixonado pela Liga Espanhola desde a época em que Rivaldo, Zidane, Figo e Raúl foram seus professores. Colaborou para o programa [email protected] da Rádio Globo São Paulo falando sobre o futebol do país das touradas. Repórter da Super Rádio Tupi.