Premier League no 4-4-2? Acorda, Dunga!

1800425_835572356488436_5603893442252695664_n

A entrevista do professor Dunga doeu nos ouvidos deste que vos escreve. Porque se o compromisso da coluna é sempre trazer conhecimento tático a todos, ver o treinador da seleção brasileira se mostrar tão desatualizado me deixou assustado.

Me refiro à exclusiva do treinador à ESPN Brasil, nesta quinta-feira, 05/03, logo após a convocação para os amistosos contra França e Chile. Quando perguntado sobre a mudança do Liverpool e de Coutinho, Dunga se mostrou defasado:

“A mudança não é do sistema, é do jogo. No futebol inglês, todos eles jogam no 4-4-2.”

Porque a Inglaterra foi o país do 4-4-2 um dia, não quer dizer que permaneceu desta forma para sempre.

Brendan Rodgers, por exemplo, escala o Liverpool no 3-4-2-1, diferentemente do começo da temporada (4-1-4-1/ 4-2-3-1) e da temporada passada (4-3-1-2/ 4-1-4-1). Para se ter uma noção, dos sete primeiros colocados da Premier League, apenas o City, ainda que variando, joga no 4-4-2. Que também não é aquele em linha, é um mais moderno, com pontas próximos do centro, facilitando transições e tabelas com os homens de frente.

A título ilustrativo, seguem abaixo os esquemas táticos dos sete primeiros colocados da Premier League até o momento.

1º – Chelsea | 4-2-3-1

Mou Dunga

Mourinho, um dos técnicos que Dunga procurou para aprender um pouco mais – o que é legítimo –, usa frequentemente o 4-2-3-1 em seus times, mesmo apresentando variações. O português também gosta do 4-1-4-1.

O 4-1-4-1 usado por Mourinho na final da Carling Cup.

O 4-1-4-1 usado por Mourinho na final da Carling Cup.

Saiba mais sobre como joga o Chelsea de Mourinho

;

2º – Manchester City | 4-4-2

Manuel Pellegrini anda meio perdido, mas segue com o 4-4-2. Sua versão do esquema é mais moderna, defendendo em linhas e tendo meias mais próximos dos atacantes, para facilitar transições e tabelas. Silva e Nasri ou Milner ou Navas partem dos lados e ocupam o centro para tabelar, procurar espaços.

O 4-4-2 "britanico" do City.

O 4-4-2 “britânico” do City.

Saiba mais como joga o Manchester City de Pellegrini

;

3º – Arsenal | 4-1-4-1

Arsène Wenger é o pai do 4-2-3-1 e nunca escondeu sua predileção pelo desenho. Mas, nos últimos meses, quando Coquelin entrou para fazer a função à frente da zaga, alterou a formatação da equipe para o 4-1-4-1, ainda que com variações para esquema preferido.

O 4-1-4-1 que Wenger vem usando.

O 4-1-4-1 que Wenger vem usando.

Saiba mais como tem jogado o Arsenal de Wenger na Champions League

;

4º – Manchester United | 3-4-1-2, 4-3-1-2, 4-1-4-1

Van Gaal já passeou por tantas formações táticas que fica difícil definir o time. No início da temporada teve três zagueiros, mas nos últimos jogos tem preferido o 4-1-4-1.

Na última rodada, Van Gaal jogou no 4-1-4-1 também.

Na última rodada, Van Gaal jogou no 4-1-4-1 também.

Saiba mais como joga o United de Van Gaal

;

5º – Liverpool | 3-4-2-1
Apesar do desconhecimento de Dunga, o Liverpool de Rodgers segue bem definido desde a “saída” de Steven Gerrard. Jordan Henderson herdou o papel do eterno capitão e Coutinho cresceu jogando da ponta para dentro, próximo do atacante, mas compactando sem bola.

O 3-4-2-1 do Liverpool.

O 3-4-2-1 do Liverpool.

Saiba mais como Rodgers “achou” seu Liverpool sem Gerrard

;

6º – Southampton | 4-2-3-1

Ronald Koeman é mais um adepto do 4-2-3-1. O Southampton, que faz boa campanha, tem como pilares o avante Graziano Pellè, que tem 8 gols na Premier League, e o meia Dušan Tadić, que já deu 7 passes para gols.

O 4-2-3-1 de Koeman

O 4-2-3-1 de Koeman

;

7º – Tottenham | 4-2-3-1

Vice-campeão da Capitol One Cup, Mauricio Pochettino tem no Tottenham um 4-2-3-1 muito intenso e veloz, mas que sofre um pouco defensivamente. Dos sete times apresentados aqui, é quem sofreu mais gols: 38.

Pochettino varia 4-2-3-1 e 4-1-4-1

Pochettino varia 4-2-3-1 e 4-1-4-1

;

Não se sabe ao certo se o comentário equivocado de Dunga parte do mero descaso em relação à realidade dos times ingleses ou de uma interpretação equivocada de seus desenhos táticos. De toda forma, é importante que o técnico da seleção busque se manter atualizado sobre o que acontece no futebol mundial. O fantasma do 7×1 vive na cabeça de todos nós e com certeza não iremos exorcizá-lo através de interpretações errôneas a respeito do futebol jogado numa das ligas mais importantes do mundo.

Comentários

Estudante de jornalismo. Redator e editor no Taticamente Falando. Colunista no Doentes por Futebol. Contato: [email protected]