Marco Verratti: o pequeno grande maestro

  • por Israel Oliveira
  • 4 Anos atrás

VERRATTI CAPA

Mais uma vez o futebol mostra que tamanho não é documento: Marco Verratti com apenas 1,65 m é um gigante com a bola nos pés. Dominante no meio-campo, seja passando a bola para seus companheiros ou lutando ferrenhamente para recuperar a posse dela, o maestro italiano pede passagem e promete se alçar ao panteão dos registas talentosos que tanto dão gosto de se acompanhar.

Confira sua trajetória desde a pequena comuna de Pescara até sua chegada brilhante na Cidade Luz.

;

Início precoce:

Nascido em Pescara, foi formado na academia do clube local, e aos 16 anos, já integrava o elenco profissional.

Tido como promissor, chegou a receber sondagem do AC Milan, mas o contato não foi adiante. Os olheiros dos gigantes de Milão se impressionaram com seu estilo de jogo, extremamente semelhante ao de Andrea Pirlo.

Com o insucesso de Riccardo Montolivo como sucessor do arquiteto, Verratti desde cedo atrai as atenções mídia italiana, que acompanha seus passos atentamente desde suas primeiras aparições no futebol profissional. O baixinho demorou para se consolidar no elenco principal do Pescara, teve poucas aparições na temporada 2009-2010, mas passou a ser figura constante na equipe na temporada seguinte. Em 2010-2011, disputou 30 partidas, sendo titular em 15 oportunidades.

Seu momento de maior momento pelos golfinhos foi em 2011-2012, quando levou a equipe para a elite do futebol italiano, liderando a equipe em meio a uma geração brilhante, composta por Lorenzo Insigne e Ciro Immobile.

11132143_753261251456207_638099858_n

No 4-3-3 de Zdenek Zeman, Verratti exercia a função do regista, protegendo a defesa e sendo o principal distribuidor de passes no ataque. Aparentemente frágil em sua estrutura, mostrou um espírito de combate gigantesco, tanto que acabou excedendo no número de cartões amarelos (11). Com a bola, o italiano foi simplesmente brilhante: distribuiu 09 assistências, e foi a alma de um time ofensivo, que necessitava da capacidade de associação de seu camisa 10.

Dentre seus passes para gol, o mais importante foi contra a Sampdoria, lance em que realiza um desarme perfeito e executa a jogada de forma cirúrgica:

;

Graças a sua ótima performance, foi vencedor do Bravo Award, láurea que premia o melhor jogador jovem (sub 21) do velho continente. Também foi eleito o MVP da Serie B, no conhecido Oscar Del Calcio.

;

Título de Serie B e mudança de ares:

Com a promoção para a Serie A, após o título da segunda divisão, o Pescara, que se notabilizou como equipe “salvadora” do futebol italiano, pela essência leve e não menos disciplinada, acabou se desmanchando. Verratti, a alma desse conjunto encantador, também acabou debandando. Disputado por grandes clubes como Milan, Juventus, Inter e Manchester City, foi para o PSG, em contratação solicitada por seu compatriota Carlo Ancelotti. Assinou um contrato de 5 anos com a equipe parisiense.

Foto: psg.fr

Foto: psg.fr

Outro fato notável, que demonstra a confiança geral no potencial do jovem, é que aos 19 anos, Verratti esteve entre a lista inicial de convocação da Azzurra para a Eurocopa, em documento que contava com 32 jogadores. Acabou cortado, mas o fato de um jogador da segunda divisão constar nos planos de uma seleção nacional do tamanho da Itália é algo que não pode ser desconsiderado.

No dia 15 de Julho de 2012, estreou pela seleção principal, em confronto contra a Inglaterra. Agradou, jogando no lado direito do meio-campo, já que o centro do meio-campo era ocupado por Daniele De Rossi. Seu primeiro gol veio em duelo diante da Holanda, que garantiu o empate na Amsterdam ArenA.

Em seu novo clube, estreou contra o Lille, e na sua primeira aparição no Parc des Princes, chegou assistindo Javier Pastore.

Apadrinhado por Carlo Ancelotti, ganhou espaço no time titular imediatamente e teve muitos minutos em campo na sua primeira temporada numa liga mais competitiva. Nas 43 partidas que foi relacionado, em 31 oportunidades esteve entre no onze inicial. Teve 90% de acerto em seus passes, sendo figura importante para ditar o ritmo de uma equipe que costuma propor o jogo contra adversários fechados. Tomou 10 cartões amarelos, reforçando sua maior deficiência: timming na hora de tentar desarmar os adversários.

Em sua primeira temporada na França, foi campeão e figurou na seleção da Ligue 1 2012/2013. Outro “prêmio” foram os elogios feitos por companheiros da estirpe de Ibrahimović e Thiago Silva:

;

Nova temporada, novo sucesso:

Cada vez mais absoluto no clube de Nasser Al-Khelaifi, Verratti foi eleito o jogador jovem da Ligue 1 2013 / 2014 e novamente lembrando no Dream Team da liga.

Foto: Anthony Bibard

Verratti e seu prêmio de melhor jovem da Ligue 1 | Foto: Anthony Bibard

Melhor marcador, subiu sua média de desarmes (2.10 botes corretos por jogo), quase eliminando as duvidas sobre sua eficiência como protetor da defesa. Registrou 8 assistências, número respeitoso para um jogador de articulação – ainda mais tendo em conta sua idade. Na essência de seu jogo, a distribuição, impressionantes 92% de acerto em seus passes, sendo o segundo jogador a mais realizar passes por jogo na liga (80.1). Porém, seguiu atabalhoado na hora de desarmar: recebeu 10 cartões amarelos na Ligue 1. Jogando pelo lado direito do meio-campo, se tornou cada vez mais completo e apto em ações mais rápidas.

;

sele (1)

;

Contra o Chelsea, em Paris, o italiano mostrou o melhor de seu futebol: participando ativamente do jogo, seja em passes ou em jogadas individuais – foram 6 dribles.

Desempenho que foi premiado com o prêmio de melhor jogador da partida. O defensivo time de José Mourinho sofreu com a criatividade e intensidade de Verratti.

Naquele dia, o jovem riu na cara dura de José Mourinho. Mas, no fim, o PSG foi eliminado pelo Chelsea em Stamford Bridge.

O mapa de passes na sua incrível partida contra o Chelsea. Muita precisão e inteligência, mostrando onipresença.

O mapa de passes na sua incrível partida contra o Chelsea. Muita precisão e inteligência, mostrando visão de jogo na hora de passar a bola.

 

Encerrando 13/14, esteve na Copa do Mundo no Brasil. Jogou apenas 130 minutos e registrou excepcionais 96% de acerto em seus passes. Foi titular apenas contra a Inglaterra, mas mesmo assim teve sua importância no jogo promovido pela Itália de Cesare Prandelli que prezava troca de passes no seu meio-campo, sempre procurando manter a posse de bola e acionar o lado do campo.

;

Clique na imagem e saiba mais como jogava a Itália de Cesare Prandelli, um estilo diferente do catenaccio tradicional.

Clique na imagem e saiba mais como jogava a Itália de Cesare Prandelli, um estilo diferente do catenaccio tradicional.

;

Temporada 14/15: Consolidação:

renovação

O destaque e a efusividade no site do PSG mostram o tamanho do apreço dos franceses pelo talentoso meia italiano.

Sobre a renovação do contrato de Verratti, aspas para o presidente do PSG:

Toda a Europa deseja Marco Verratti, e a cada ano ele nos mostra o seu desejo de continuar para um longo tempo no projeto do Paris Saint-Germain. Marco é um dos jogadores mais talentosos de sua geração, isso afirma a vontade do clube de se planejar para o futuro e construir um dos maiores time da Europa. “

Marco segue se afirmando entre os principais passadores da Europa. Desde sua chegada a terra da Marselhesa, foi o jogador que mais completou passes (4646) na Ligue 1.

Na proposta de Laurent Blanc, que lateralizou a equipe, o PSG se tornou a terceira equipe com maior posse de bola na Europa. Verratti é a personificação das ideias de seu treinador. Dentre as cinco principais Ligas da Europa, é o jogador que mais completou passes (1862), na frente de jogadores como Xabi Alonso, Cesc Fàbregas e Thiago Motta.

O meia tem sido mais comedido – em termos de faltas – (média de 1.50 faltas por jogo, sua menor com o PSG) e cada vez mais versátil, criando diversas chances de gol, mostrando uma importante capacidade de improviso. Com 48 dribles (72% deles bem sucedidos), fica atrás somente de Lucas Moura em jogadas individuais bem sucedidas na equipe.

Leia mais sobre a boa temporada de Lucas pelo PSG | Foto: C.Gavelle/PSG

Clique na imagem e leia mais sobre a boa temporada de Lucas pelo PSG | Foto: C.Gavelle/PSG

Após 92 jogos pelos azuis de Paris, finalmente marcou seu primeiro gol, que decidiu o confronto contra o Barcelona. Com 1,65cm, o baixinho venceu a defesa catalã na esperteza:

https://www.youtube.com/watch?v=FLOCXcAI3DU

Diante do Bastia, bateu o recorde de passes em um jogo da Ligue 1. Foram 133 passes certos em 141 tentativas, com direito a uma bela assistência para Edinson Cavani.

;

Contra o Olympique de Marseille, sem Thiago Motta em campo, Verratti relembrou seus tempos de Pescara, atuando como regista, armando o jogo à frente da linha de defesa. No confronto que valia a aproximação contra – o até então – líder do Campeonato, Verratti foi soberano. Diante de um Marseille que subia a marcação constantemente, o italiano trabalhou num espaço curto, sempre sob pressão. Acertou 35/41 dos seus passes, e contra um adversário que rivalizou na luta da posse, foi fundamental para fazer sua equipe respirar e encontrar soluções no ataque.

A importante vitória contou com uma assinatura importante do jogador italiano:

Estilo de Jogo:

Muito além de um grande passador (aproveitamento na atual temporada é de 92%), Verratti vem demonstrando uma incrível evolução em diversos atributos.

Começou como volante com a responsabilidade de armar o time (regista no Pescara). Já no PSG, vem jogando mais a frente, pelo lado direito da meiuca, se tornando cada vez mais completo e polivalente. É dono de um incrível poder de distribuição de jogo, o meia tem excelente visão, sempre optando por escolhas corretas, sabendo o tempo exato de acelerar ou encurtar as jogadas.

Joga sempre de cabeça erguida, age de acordo com as necessidades do time, e sempre aparece para tabelar ou enganar a marcação.

Extremamente ágil, tem ímpeto e segurança para agir sob pressão, e raramente costuma se precipitar. Dono de uma inteligência refinada, utiliza sua excelente capacidade de drible em momentos-chave.

Seu repertório com a bola lembra Luka Modrić , pela flexibilidade, e Xavi Hernández em seus tempos áureos, graças ao seu tempo sempre preciso e deslocamento sempre inteligente.

Se com a bola no pé lembra Andrea Pirlo, sem ela, tem uma leve faceta de Gennaro Gattuso. Verratti não alivia, disputa todas as bolas com muito empenho, sendo considerado até exagerado às vezes.

Acaba batendo bastante, por excesso de vontade, mas tudo em prol de proteger sua defesa.

O italiano costuma ser muito participativo em suas ações defensivas.

Prova disso foi seu desempenho confronto contra o Chelsea, quando não deu espaço para o perigoso meio-campo blue e realizou 8 desarmes em 9 tentativas.

Para a seleção nacional, surge como alternativa para a aposentadoria de Pirlo, adicionando ainda suas qualidades de ser rápido e batalhador no meio-campo.

No mercado europeu, o italiano é alvo de cobiça. Rumores dão conta de que o Barcelona deve tentar tirá-lo de Paris assim que a sanção imposta pela FIFA ao clube catalão acabar, com o intuito de devolver ao meio-campo blaugrana o famoso jogo ‘xavista’, baseado em passes de timing certo e muita movimentação.

Marco Verratti é a síntese do jogo moderno: pode jogar em qualquer função no meio-campo e em nenhuma seu desempenho é afetado.

É um jogador completo praticamente capaz de destruir e criar.

Tem tudo para ser um grande maestro, o futuro da Azzurra deve ser construído através de seus pés.

Comentários