Um chorinho por uma vitória chorada: a torcida vibrou com Pixinguinha.

  • por Giovanni Ghilardi
  • 6 Anos atrás

Pixinguinha

Se Pelé é o Rei do Futebol, Pixinguinha é o Rei do Choro. Nascido em 23 de abril de 1897 no Rio de Janeiro, o compositor carioca é autor de grandes melodias como “Carinhoso” e “Lamentos”.

Sua importância na música brasileira foi tanta, que o dia de seu aniversário deu origem ao Dia Nacional do Choro. A data não poderia passar em branco, e para comemorá-la, vamos lembrar da canção criada por Pizinguim em homenagem ao esporte dos nossos corações.

 



O ano era 1919. Ainda não tinha Copa e a supremacia brasileira também não havia se instalado no mundo da bola. Mas já existia Friedenreich, o Tigre. Bastou para que o Brasil vencesse o poderoso Uruguai na final do Campeonato Sul-Americano, uma vitória sofrida, com um tento solitário de Fried na prorrogação.

Aquela era a primeira competição internacional que o Brasil sediava e também o primeiro título em campeonatos desse porte. Todo o país se rendeu ao esporte bretão e Pixinguinha resolveu contar essa história com música.

Foi assim que ele e Benedito Lacerda tabelaram na composição e anotaram o golaço: “Um a Zero”. Para muitos, a primeira música brasileira sobre futebol e para todos, uma canção que traz a essência do jogo, além de toda emoção de se vencer pelo placar mínimo.

O som ecoou por gerações e em 1993 ganhou letra com Nelson Ângelo, além de versões de diversos artistas, como Paulinho da Viola e Chico Buarque; aparecendo até mesmo no programa Bate-Bola da ESPN.

É a bola, é a bola, é a bola,
É a bola e o gol!
Numa jogada emocionante
O nosso time venceu por um a zero
E a torcida vibrou

Recentemente, uma espécie diferente de choro assombrou a seleção brasileira. Espécie esta que colocou lágrimas e preocupações no lugar do ritmo e da alegria. Mas assim como um placar em branco, torcemos pra essa história mudar.

Que venham mais vitórias emocionantes por um a zero e mais títulos grandiosos do Brasil. Afinal, é com esse tipo de triunfo que o nosso povo se inspira. É com esse tipo de triunfo que o nosso povo faz música, poesia e história.

Comentários

Cresceu acompanhando de perto o glorioso Bragantino e viu que em meio às vitórias e derrotas, existem muitas boas histórias pra contar. Seja nos livros, nos cinemas ou até em uma mesa de bar; o futebol sempre está presente.