Os dois anos de Ancelotti e o erro de Florentino Pérez

carlo an

Neste domingo (24), a conquista da décima UEFA Champions League do Real Madrid fez aniversário de um ano. Porém, o grande fato pós-última rodada de Liga não é este. A notícia que não pegou de surpresa, mas que não perece ser a mais coerente foi a da demissão de Carlo Ancelotti do cargo de técnico do time branco.

Assim como Carlos Queiroz, Vanderlei Luxemburgo, Juan Lopéz Caro, Bernd Schuster, Juande Ramos, Pellegrini e José Mourinho, Ancelotti foi contratado para trazer a décima Champions. Mas, diferente dos sete companheiros de profissão, o italiano pôs fim ao jejum de onze anos do Madrid e colocou o time branco no topo do mundo em sua primeira temporada no banco madridista.

Primeira temporada essa que foi muito bem sucedida. Ancelotti venceu a Copa do Rey, em final sobre o Barcelona, e a Champions League, em final sobre o Atlético. Na Liga, time e técnico sofreram com as atenções divididas e não conseguiram bater a equipe de Simeone, que ficou com o troféu.

Taticamente, Carlo também mostrou suas ideias ao sair do 4-2-3-1 de Mourinho e partir para um 4-3-3 com variações para 4-4-2. Adaptou Di María a um tripé de meio-campo, vendo seu futebol crescer ao lado de Xabi Alonso e Luka Modrić. À frente, contou com o trio BBC, que devorou a Europa e todos os adversários que apareceram pela frente.

O 4-3-3/4-4-2 do Real Madrid, na final contra o Atlético.

O 4-3-3/4-4-2 do Real Madrid, na final contra o Atlético.

Cristiano também mudou com Ancelotti. Mais próximo do gol, o camisa sete ganhou duas Bolas de Ouro e se tornou o segundo maior artilheiro da história do clube. Uma máquina que, entre outros feitos, bateu o recorde de gols em uma só edição de Champions: 17 em 11 jogos.

O início de 2014-15, com James e Kroos inseridos ao time, foi como o fim de 2013-2014: ganhando taças. A Supercopa da UEFA abriu o calendário de títulos do Madrid, com triunfo sobre o Sevilla em Cardiff. Nos primeiros meses da temporada, últimos do ano de 2014, o Madrid se tornou especialista em vencer. Foram 22 triunfos consecutivos, ficando a dois do recorde mundial, e batendo o recorde de vitórias seguidas na Liga Espanhola: 16.

ronaldo-ancelotti

Carlo e Cristiano: O técnico com quem o craque teve mais afinidade desde Fergunson.

Ancelotti e Real Madrid fecharam 2014 com quatro troféus: a Copa do Rey, a Champions, a Supercopa da UEFA e o Mundial de Clubes, vencido sobre o San Lorenzo em Marrakesh. O Madrid de Ancelotti chegou ao topo do Mundo no dia 20 de dezembro.

O declínio começou em 5 de janeiro. A derrota para o Valencia, 2×1 no Mestalla, pôs fim ao sonho do time de alcançar o recorde de vitórias. Três dias depois, outro golpe: 2×0 para o Atlético no jogo de ida das oitavas de Copa do Rey. O empate no jogo de volta (2×2 no Bernabéu) selou sua queda na competição.

Ancelotti com o troféu de campeão Mundial.

Ancelotti com o troféu de campeão Mundial.

Os colchoneros voltariam a ser pedra no sapato do Madrid de Ancelotti. Após vencer a Supercopa da Espanha sobre o Real, o jogo do primeiro turno no Bernabéu e eliminar o Real da Copa, o time de Simeone impôs 4×0 sobre o de Ancelotti e instalou uma grande crise em Madrid.

A crise culminou com as lesões de Modrić e James, diminuindo, e muito, o poder de jogo madridista. Sem essas duas peças, o time ficou mais lento e previsível, mesmo vencendo. Apesar dos tropeços, a liderança ainda era do Real, com quatro pontos de vantagem sobre o Barça, que vinha em uma enorme crescente. Entretanto, o empate com o Villarreal e a derrota para o Bilbao custaram o primeiro lugar às vésperas do jogo com o Barcelona.

Com Modrić, mas sem James, o Madrid até conseguiu dominar o rival em alguns momentos no Camp Nou, mas não soube reagir quando Suárez pôs o time da Catalunha à frente após os gols de Mathieu e Ronaldo.

O clássico do primeiro turno. Uma das melhores exibições do Madrid, no 4-4-2.

O clássico do primeiro turno. Uma das melhores exibições do Madrid, no 4-4-2.

Pequenas crises com a torcida passaram a frequentar o elenco. Cristiano, Casillas, Bale e até Ancelotti começaram a ser vaiados. Mesmo assim, o time fechou um projeto: vencer os últimos dez jogos da Liga e esperar dois tropeços do Barça, que teria jogos mais difíceis. Assim, 9×1 no Granada, 2×0 no Rayo e 3×0 no Eibar antecederam os duelos contra o Atlético, que havia vencido o Real quatro vezes na temporada, pela Champions.

Entre as partidas, 0x0 no Calderón e um jogo “maldito” contra o Malága. Bale e Modrić saíram lesionados do Bernabéu e, junto a Benzema, não participaram da volta, vencida na garra, com um improvável herói brilhando: Chicharito. Contra Almería, Celta e Sevilla, o Madrid seguiu vencendo na Liga, engatando sete triunfos seguidos e vendo a vantagem do Barça cair de quatro para dois pontos.

Com Bale, o Madrid foi à Itália começar a decidir um lugar em Berlim contra a Juve. Derrota por 2×1 em um jogo muito pobre coletivamente e corrente por retomada no Bernabéu. Entre os duelos, o Madrid teve a sequência vitoriosa na Liga quebrada pelo Valencia: 2×2 em Madri. Com isso, o Barça abriu a vantagem na Liga, que acabou por vencer na semana seguinte.

Como pedido, a torcida abraçou o time no duelo contra a Juve. Cristiano até abriu o placar, mas Morata e a “lei do ex” colocaram a Juve em Berlim e o Real fora da Champions. Dois empates-derrota que balançaram Ancelotti no cargo.

Via twitter, Ancelotti se despediu:

Via twitter, Ancelotti se despediu: “Vou com a recordação de dois anos fantástico com o Real Madrid. Obrigado ao clube, a torcida e a meus jogadores. Hala Madrid y Nada más. 

Mesmo com os jogadores pedindo a permanência de Ancelotti, o presidente achou mais prudente dispensá-lo por não ter ganhado “nenhuma” taça na temporada. Ancelotti deixa o Madrid após duas temporadas; 119 jogos com 89 vitórias, 14 empates e 16 derrotas, 322 gols feitos e 103 sofridos, além de quatro títulos.

Ancelotti sofreu com diversas lesões no elenco, perdeu jogadores importantes e, mesmo assim, triunfou. Mais na última temporada do que nessa, verdade, porém, demitir um treinador experiente, bem quisto pelo grupo e vencedor com o clube não parece ser muito inteligente da parte de Florentino.

Os principais jogadores se pronunciaram após a notícia da saída de Ancelotti. Reforçando o quanto era bem quisto.

Os principais jogadores se pronunciaram após a notícia da saída de Ancelotti. Reforçando o quanto era bem quisto.

Comentários

Estudante de jornalismo. Redator e editor no Taticamente Falando. Colunista no Doentes por Futebol. Contato: raimonteiro96@gmail.com