Abundância de goleiros e “falta de vagas”

  • por Israel Oliveira
  • 4 Anos atrás
Foto: www.arsenal.com

Foto: www.arsenal.com

A transferência de Petr Cech, do Chelsea para o Arsenal, é simbólica. Temos uma geração de goleiros de alto nível, porém, não há vagas para todos nos times de ponta da atualidade.

Temos goleiros completos, velozes, com reflexos apurados, de bom posicionamento, e até alguns que podem fazer parte do sistema tático, quebrando barreiras ao sair jogando com qualidade. A posição chegou em uma profusão tão grande que vários excelentes nomes estão estagnados na reserva de gigantes do futebol Europeu, e outros de qualidade acima da média não encontram vagas para sair de seus atuais clubes, atrapalhando seu desenvolvimento profissional.

Temos uma variedade muito grande de goleiros de alto nível espalhados por times dos mais diversos patamares no futebol mundial.

Concorrência acirrada na meta dos gigantes europeus:

O rodízio sempre foi algo presente no futebol para incorporar o goleiro reserva ao futebol de alto nível, mas nunca esse sistema esteve tão ativo no futebol. Se tínhamos Carlo Cudicini para a reserva de Petr Cech no Chelsea, Cesar Sanchez como suplente de Iker Casillas no Real Madrid e Albert Jorquera / Manuel Pinto para substituir Victor Valdés no Barcelona, em 2015 os clubes mencionados possuem titular e reserva de altíssimo nível.

Nessa história de rotação, sempre existe um desfavorecido. Geralmente consiste em minutos em Copas, com a Liga para o titular, mas em alguns casos, nem em Copas de nível maior se abre oportunidades, como no caso de Petr Cech e Keylor Navas.

CECH BANCO

Cansado de amargar a reserva do atual campeão inglês, Petr Cech pediu a Roman Abramovich para que fosse negociado com o Arsenal. O russo atendeu e Cech agora vai defender a meta do rival londrino.

O tcheco passou anos como referência na função, mas viu seu lugar ser ocupado pelo precoce Thibaut Courtois, vindo de temporada extraordinária pelo Atlético de Madrid e consolidado no lado azul de Londres. Apesar de sua história e legado no clube inglês, Cech viu sua carreira estagnar no Chelsea. Foi superado por um goleiro muito mais jovem e que não deu espaço para concorrência, o que não indica um baixo índice técnico, muito pelo contrário. Cech tem muita bola pra gastar, vide sua temporada 2013/2014 e suas breves aparições na temporada 14/15 ainda demonstrando qualidade de um goleiro de classe mundial.

https://www.youtube.com/watch?v=rE0Tw5rRHvs

NAVAS BANCO

Na mesma situação de Cech está o excelente Keylor Navas. Eleito melhor goleiro de La Liga 2013/2014 atuando pelo Levante e destaque de uma campanha histórica da Costa Rica na Copa do Mundo 2014, o costa-riquenho se encontra encostado no banco galático do Real Madrid, num momento em que é evidente sua superioridade em relação a Iker Casillas. Keylor recebeu chances esporádicas, como na Copa do Rei e em poucos jogos no Campeonato Espanhol. Casillas segue em sua decadência impressionante e tudo indica que sua era na capital espanhola está próxima do fim.

https://www.youtube.com/watch?v=SvUcFt05K0g

Hora de Navas assumir a titularidade? Talvez não. Nomes como David De Gea e Bernd Leno são especulados no conjunto blanco. Um desperdício gigantesco, pois Keylor Navas mostrou estar pronto para ser um goleiro de elite, com reflexos inacreditáveis e muita segurança em suas ações.

https://www.youtube.com/watch?v=I7-gDbWAR0k

No Barcelona, Marc Ter Stegen poderia ter mais minutos em campo, pois é jovem (23 anos apenas) e necessita disso para se desenvolver. Para piorar, o alemão também não tem muito espaço na seleção principal, pois é reserva de Leno e Manuel Neuer.

https://www.youtube.com/watch?v=Y9n06TS8Gus

Apesar de titular e importante na Liga dos Campeões, quem mais jogou foi o chileno Claudio Bravo, de 30 anos, contratado após uma boa Copa do Mundo pelo Chile. Dois goleiros de projeções diferentes, mas níveis equivalentes. O mais jovem sai perdendo, por enquanto.

Voltando a falar de um clube londrino, a situação no Arsenal tende a se complicar para os goleiros: Szczesny e David Ospina terão que brigar pela titularidade com o multicampeão Peter Cech.

wojciech-szczesny-david-ospina-arsenal_3291433

Se o polonês vive numa eterna montanha russa de atuações – hora efetuando defesas milagrosas e hora caindo em desgraça com os torcedores gunners – Ospina mostrou qualidade na Copa do Mundo e na segunda metade da temporada mostrou competência e segurança ao entrar na vaga de  Szczesny.

No Atlético de Madrid,  Jan Oblak foi contratado a preço de ouro por sua excelente temporada no Benfica, mas Moyá (ex-Getafe) vinha demonstrando mais solidez que o jovem esloveno (pelo menos até se lesionar e Oblak entrar fechando o gol).

JS54298373

Se David De Gea, numa temporada espetacular, seria titular em 95% dos times do mundo, Victor Valdés poderia dar sequência a sua carreira, já que antes do rompimento do joelho direito apresentava seu melhor nível como profissional.

https://www.youtube.com/watch?v=Q-3E1ulVmek

A ida do ex-goleiro do Barcelona para o Manchester United acabou tirando qualquer chance de Valdés ganhar ritmo de jogo. De Gea finalmente mostrou em 2014/2015 o porquê de Alex Ferguson ter apostado em sua contratação.

https://www.youtube.com/watch?v=Pax9GQny7tE

Outro exemplo do nível altíssimo da concorrência no gol em gramados europeus é a trajetória de Guilhermo Ochoa. O mexicano começou a Copa do Mundo de 2014 desempregado, se destacou fechando o gol e mesmo assim não conseguiu transferência que lhe garantisse titularidade. Ochoa vem “apodrecendo” no banco do Málaga, bancando para o já consolidado e veterano Carlos Kameni.

Até no Brasil o cardápio segue bom.

Jefferson, apesar de ter falhado na Copa América 2015, não deixa muito espaço para contestações, mesmo jogando num clube que disputa a Série-B.

Diego Alves, pegador de pênaltis pelo Valência e Neto (destaque na Fiorentina e contratado pela Juventus) são outros bons nomes de destaque no cenário europeu.

Os espalhados fora das potências

Se qualquer jogador que surge é adquirido pelas grandes forças do futebol atual, no gol o papo é diferente, até pela restrição da posição. A diversidade e excelência fora dos gigantes do futebol é inacreditável, tendo grande maioria dos times emergentes e não poderosos bons nomes protegendo suas balizas.

Ligue 1:

Anthony Lopes – Lyon – 23 anos – Portugal
Stéphane Ruffier – Saint Ettiene – 27 anos – França
Vincent Enyeama – Lille – 31 anos – Nigéria
Steve Mandanda – Marseille – 29 anos – França

Premier League:

Hugo Lloris – Tottenham – 27 anos – França
Asmir Begovic – Stoke City – 27 anos- Bósnia
Tim Krul – Newcastle – 26 anos – Holanda
Adrían – West Ham – 27 anos – Espanha
Fraser Forster – Southampton – 26 anos – Inglaterra

Liga BBVA:

Gerónimo Rulli – Real Sociedad – 22 anos – Argentina
Kiko Casilla – Espanyol – 27 anos – Espanha
Sergio Asenjo – Villarreal – 25 anos – Espanha
Guilhermo Ochoa – Malaga – 28 anos – México
Beto – Sevilla – 32 anos – Portugal

Bundesliga:

Bernd Leno – Bayer Leverkusen – 22 anos – Alemanha
Timo Horn – Koln – 21 anos – Alemanha
Kevin Trapp – Eitracht Frankfurt – 23 anos – Alemanha
Yan Sommer – Borussia Monchbladbach – 25 anos – Suíça
Roman Burki – Freiburg – 22 anos – Suíça
Ron-Robert Zieler – Hannover 96 – 25 anos – Alemanha
Diego Benaglio – Wolfsburg – 30 anos – Suiça
Ralf Fahrmann – Schalke 04 – 25 anos – Alemanha

Serie A:

Mattia Perin – Genoa – 21 anos – Itália
Samir Handanovic – Inter de Milão – 29 anos – Eslovênia
Andrea Consigli – Sassuolo – 27 anos – Itália
Diego Lopez – Milan – 32 anos – Espanha
Sergio Romero – Sampdoria – 28 anos – Argentina

O futuro: Alguns goleiros que certamente estarão se destacando logo mais

Simone Scuffet – 18 anos – Udinese – Itália
Loris Karius –  21 anos – Mainz 05 – Alemanha
Nicola Leali – 21 anos – Cesena – Itália
Alphonse Areóla – 21 anos – Bastia – França
Timon Wellenreuther –  Schalke 04–  18 anos – Alemanha
Stefanos KapinoMainz 05 – 20 anos – Grécia
Augusto BatallaRiver Plate – 18 anos – Argentina
Laurentiu BanescuJuventus – 20 anos – Romênia
Paul NardiMonaco – 20 anos -França
Vanja MilikovicManchester United – 17 anos – Sérvia

Fim de uma era

https://www.youtube.com/watch?v=ULPOyqAwkc8

Após mais de uma década sob domínio de Gianluigi Buffon e Iker Casillas, a posição de goleiro encontrou novas referências, novos talentos repletos de brilho e sagacidade.

Manuel Neuer é o grande expoente desta geração de talentos (dentre tantos talentos citados, Neuer ainda assim é mais o destacado, tanto que pouco necessitamos de falar dele nesta matéria, notaram?)

https://www.youtube.com/watch?v=sOqLOTN75x8

E ainda temos Courtois, o prodígio belga que tomou de assalto a posição de Cech, “forçando” a lenda Blue a pedir para sair do Chelsea:

https://www.youtube.com/watch?v=2TxtlcSw-dU

Sempre existe o pensamento no futuro de uma posição quando lendas da mesma estão prestes a se aposentar ou cair de rendimento e felizmente o gol não parece passar por nenhum tipo de hiato de talentos.

Pelo contrário, existe uma abundância de goleiros qualificados, frutos da evolução do futebol e seus métodos.

Aposto que você consegue pensar em nomes que sequer citamos nesta matéria, os comentários estão aí para isso. Indicações são sempre bem-vindas:

Comentários