Já foi dia de Bernardo

  • por Rafael Rodrigues
  • 4 Anos atrás
Marcelo Sadio/vasco.com.br

Marcelo Sadio/vasco.com.br

Jogador habilidoso, jovem, artilheiro, explosivo. Bernardo surgiu como um nome bastante interessante no futebol brasileiro. Aos 18 anos, foi artilheiro da Copa São Paulo, principal competição de categorias de base do Brasil, atuando pelo Cruzeiro.

Além dos gols, se mostrou bastante participativo e talentoso em campo, sendo promovido ao time principal da equipe mineira no mesmo ano. Apesar de ter muitos pontos positivos, desde esse começo Bernardo já mostrava ter problemas quanto a disciplina, o que gerou críticas do então técnico cruzeirense Adílson Batista.

Após um ano relativamente apagado em campo, tendo marcado apenas 5 gols pelos profissionais, Bernardo se transferiu para o Goiás em 2010. Lá, anotou poucos tentos, porém mostrou seu toque de bola e teve boa participação nas partidas. No seu terceiro ano como profissional é que Bernardo se firmou. Em 2011, o jogador chegou ao Vasco, clube em que obteria grande destaque.

Num elenco que começou o ano fazendo uma das piores campanhas cruzmaltinas na história do Campeonato Carioca, Bernardo foi tido como o décimo segundo jogador, o cara que deveria entrar no decorrer das partidas. A cada jogo que se passava, Bernardo caía ainda mais nas graças da torcida. Quando a situação ficava complicada para o Vasco, já se ouvia o grito de “Bernardo, Bernardo”, vindo das arquibancadas. E ele entrava para resolver o jogo, fosse com bons passes ou com seus chutes precisos. Em pouco tempo, já era chamado de “xodó” pela torcida.


Sua explosão e vontade durante as partidas fizeram com que Bernardo fosse um dos mais queridos pelos torcedores. Lembrando que esse carinho se direcionou para um jogador de 21 anos, reserva, num time que tinha Diego Souza, Felipe Maestro e outros, que viria a ser campeão da Copa do Brasil naquele ano. Tanto destaque pode ter mexido com a cabeça do jogador, que sempre foi muito fotografado por torcedores em bares e boates, curtindo a noite carioca. Confusões passaram a fazer parte de sua rotina, tornando-se um problema sério nos anos seguintes.

De todos os gols de Bernardo em 2011, os torcedores do Vasco, principalmente os mais jovens, que não viram os grandes times do fim dos anos 90 e começo dos 2000, consideram aquele que selou a vitória por 2×1 contra o Fluminense, na penúltima rodada do Brasileirão, o mais importante. Num cruzamento de Alecsandro, Bernardo cabeceou a bola, defendida por Cavalieri e que, por capricho do destino, voltou nos pés do camisa 31, que só precisou empurrar para as redes e manter viva a esperança vascaína de ser campeão brasileiro. O empate por 1×1 ia dando o título, que acabou se confirmando na rodada seguinte, ao Corinthians, que vencia o Figueirense em Florianópolis.


Em 2012, após ser comprado pelos cruzmaltinos por cerca de R$ 3,5 milhões, surgiram os primeiros problemas mais sérios com relação ao Vasco. Logo no começo da temporada, Bernardo entrou na justiça contra o time de São Januário, cobrando salários atrasados. Por conta do episódio, o atleta foi emprestado até o fim do ano ao Santos, onde teve passagem bastante apagada.

Retornando ao Vasco em 2013, Bernardo ainda tinha a confiança da torcida, apesar de não fazer uma boa sequência de partidas há 2 anos. O xodó começou bem, sendo artilheiro da equipe até se machucar, em abril. Mais do que suas boas atuações, o que ganhou destaque nos noticiários com relação ao jogador foi o episódio de sequestro e tortura pelo qual passou.

Capture

Já lesionado, Bernardo foi para uma festa no Complexo da Maré, conjunto de favelas no Rio de Janeiro, onde teria se envolvido com a mulher do dono da comunidade, o Menor P. O traficante teria mantido Bernardo amordaçado e o torturado em algum ponto da favela. O jogador teria sido salvo por outros dois atletas, um do Fluminense e um do Palmeiras, criados na comunidade, e que convenceram o traficante a não matá-lo.

No fim do ano, Bernardo fez o segundo gol do Vasco na vitória por 2×0 em cima do Náutico, um gol importante na luta contra o rebaixamento, que, apesar disso, acabou se concretizando. Após marcar, o jogador foi até a torcida e pegou uma faixa de um torcedor, onde estava escrito “hoje é dia de Bernardo”, mostrando o crédito que ainda tinha com os fãs do time.

DIA DE BERNARDO

Em 2014, o jogador foi por empréstimo ao Palmeiras, onde também não fez muita coisa, sendo pouco aproveitado. Só aparecia em noticiários quando se envolvia em alguma confusão com a torcida do alviverde, o que ocorreu mais de uma vez, através das redes sociais.

Em 2015, retornou ao Vasco e começou bem o ano, fazendo gols e sendo titular. Inclusive, completou, contra o Madureira, 100 jogos com a camisa cruzmaltina. Seu rendimento foi caindo ao longo do Campeonato Carioca e as críticas começaram a surgir em peso. A paciência da torcida com o ex-xodó já tinha acabado. Para piorar, Bernardo não diminuiu a frequência às festas do Rio de Janeiro, irritando ainda mais os torcedores, que chegaram a criar um “disk bernardo”, para que fossem enviadas fotos do atleta em noitadas. Além de discussões com vascaínos nas redes sociais, o jogador teve também uma confusão com a ex-namorada, por conta da divulgação de vídeos íntimos dos dois. A moça levou o caso à polícia, que está investigando o responsável pelo compartilhamento não-autorizado dos filmes.



Problemas à parte, Bernardo é um bom jogador. Um bom jogador que poderia ser grande. A ele, não faltam recursos: cobranças de falta elogiadas por Juninho Pernambucano, técnica, explosão, visão de jogo, bons dribles. Infelizmente, preferiu se tornar mais um caso de “jogador problema”, um atleta que vem jogando fora o que poderia ser uma bela carreira. Vale lembrar que, ao fim do ano, seu contrato com o Vasco chega ao fim, e é difícil imaginar que alguma equipe da primeira divisão brasileira queira lhe dar uma chance.

De jogador talentoso e promissor, Bernardo vai demonstrando que se perdeu no caminho rumo ao sucesso. Já foi dia de Bernardo, mas se seguir causando problemas para si e para o clube que o acolher, o amanhã não deve ser dia nada frutífero para o jogador.

Comentários

Estudante de Jornalismo, carioca e torcedor apaixonado do Vasco da Gama. Trabalha no projeto "Embaixadores da Colina", do próprio Vasco, representando a faculdade ESPM. Sócio e frequentador assíduo de jogos do clube