Kovačić, outro meia croata de qualidade

OLHO NELE - Mateo Kovačić

06 de maio de 1994, 21 anos
Linz, Áustria

Clubes por onde passou:

LASK Linz (Áustria) – 2000 a 2007
Dínamo Zagreb (Croácia) – 2007 a 2013
Inter de Milão (Itália) – 2013 até o momento

Se no dia 6 de maio de 1994 a letra “Z” de Linz não existisse e no lugar dela, por alguma obra da vida, houvesse a letra “S”, hoje, 21 anos depois, certamente a Seleção Brasileira seria muito beneficiada por ter no elenco um jovem jogador de talento raro nascido no município de Lins, que fica na região Centro-Oeste do estado de São Paulo. O destino, entretanto, preferiu não ser tão gentil com o Brasil. Na verdade, o acaso não foi amigável nem com a Áustria, país onde Mateo Kovačić, destaque da Inter de Milão e alvo de grandes clubes europeus, nasceu.

 

Provavelmente, a cidade brasileira de Lins também não teria feito os pais de Kovačić sofrerem tanto em 1991. Enquanto moravam na Croácia, país onde nasceram, os pais do jogador se viram ameaçados pela guerra da antiga Iugoslávia e, então, decidiram fugir para a cidade austríaca de Linz, local onde Kovačić iniciou a vida três anos depois.

Logo aos seis anos de idade, o hoje meio-campista da Inter de Milão passou a integrar a academia do LASK Linz, time da mesma cidade em que vivia. É lógico que o sucesso de Kova não chegou de imediato, apesar de o talento já estar no DNA do atleta desde sempre. Após sete temporadas no LASK Linz, Kovačić, aos 13 anos, começou a chamar a atenção de clubes como Ajax, Stuttgart, Inter de Milão, Juventus e Bayern de Munique. A família do garoto, entretanto, disposta a constituir uma nova vida na Croácia, deu de ombros para os gigantes europeus e decidiu acertar com o Dínamo Zagreb, em 2007.

Com a possibilidade de representar tanto a seleção da Áustria quanto a seleção croata, Kovačić curvou-se ao país de origem dos pais e passou a jogar pelas seleções de base da Croácia. Primeiro integrou o time sub-14 do país. Depois, em maio de 2008, aos 14 anos, foi convocado pela primeira vez para o selecionado sub-15 e, um ano depois, passou a ser chamado para o time sub-17. À época, o então técnico de Kovačić na base da Croácia, Martin Novoselac, afirmou.

“Nunca vi um jogador jovem com tanto talento desde os dias de Robert Prosinecki (ídolo do futebol croata)”.

O espanto quanto à habilidade de Kovačić não é para menos. O jogador ganha destaque pela facilidade que tem em colocar velocidade nos lances sem perder o controle da bola, é ótimo em se desvencilhar das marcações com dribles rápidos e em curtos espaços e é sempre objetivo quando ataca. Suas arrancadas com a bola no meio-campo, aliás, lembram muito as de Kaká, quando o brasileiro estava no auge da carreira ou quando ainda hoje se esforça para jogar futebol.

Enquanto atuava pela seleção sub-17 da Croácia, ainda com 15 anos, Kovačić era frequentemente comparado pela mídia croata com o inglês Wayne Rooney e com o argentino Lionel Messi. O jogador, no entanto, sempre rebatia as comparações.

“Eu fico sempre um pouco envergonhado quando as pessoas me comparam com Messi. Não tenho sequer 10% de seu talento”.

A alegria em jogar futebol em alto nível – e continuar sendo colocado lado a lado com Messi e Rooney -, porém, deu lugar a momentos de tristeza e desconfiança em 2009. Kovačić quebrou a perna e passou quase toda a temporada se recuperando da lesão. O fato de o jogador não ter desistido da carreira e continuado a luta para voltar a jogar bem foi recompensado em novembro de 2010, quando Vahid Halilhodzic, então treinador do time principal do Dínamo Zagreb, convidou Kovačić para treinar juntamente com os atletas profissionais.

https://www.youtube.com/watch?v=tUoLPylUOoY

A estreia do meia pelo Dínamo foi diante do Hrvatski Dragovoljac, no dia 20 de novembro de 2010. Neste duelo, o time de Kovačić goleou o adversário por 6 a 0. Autor de um dos gols, o meio-campista, com 16 anos à época, se tornou o jogador mais jovem da história a balançar a rede e a estrear entre os profissionais na liga da primeira divisão croata.

Dali em diante, Kovačić só foi comprovando o talento diferenciado que tinha. Em sua primeira temporada na equipe principal do Dínamo, o jogador marcou apenas um gol. A propósito, a jovem estrela nunca teve como principal característica marcar muitos gols. Ele é, sim, uma excelente arma para construir jogadas desde o meio-campo e dar passes precisos para gols.

Na temporada 2011/12, o número de tentos de Kovačić até aumentou, assim como seu número de assistências: em 25 partidas pela liga da Croácia, marcou quatro gols e deu sete passes para os companheiros marcarem. Neste momento, o jovem astro já era titular absoluto do Dínamo Zagreb. Ainda em 2011, ganhou o prêmio de melhor jogador jovem da Croácia, premiação vencida anteriormente por atletas como Luka Modric e Nico Kranjcar. No mesmo ano, foi convocado para as seleções de base sub-19 e sub-21 do país.

Em 2012/13, Kovačić colocou um ponto final em sua trajetória no Dínamo Zagreb e, finalmente, assinou contrato com um grande clube da Europa. Em uma transação no valor de 11 milhões de euros, o jogador, então com 18 anos, foi contratado pela Inter de Milão. A chegada de Kovačić à Itália aconteceu logo depois que os milanistas negociaram o brasileiro Philippe Coutinho junto ao Liverpool. Na época, Kovačić afirmou que ficou extremamente feliz em ter assinado com os nerazzurri.

“Tudo aconteceu rápido. Ainda estou em choque. Não sei nem o que dizer. Dínamo é meu clube e minha casa, então é difícil sair. Mas uma oferta de uma equipe como a Internazionale, uma das maiores do mundo, não pode ser recusada”.

O astro chegou ao clube italiano conhecido por ser uma das maiores revelações do futebol croata nos últimos tempos. Sinal disso é que Kovačić logo recebeu a camisa número 10 e passou a ser o principal jogador de meio-campo do time. Na temporada 2013/14, foi utilizado 32 vezes no Campeonato Italiano, sendo 14 como titular e 18 entrando durante o jogo. Como de costume, não marcou gols, mas contribuiu com quatro assistências. Surpreendeu e muito, também, com sua maneira de usar o drible puramente como recurso para achar alternativas, não para humilhar adversários. Além disso, Kova é muito técnico e raramente tem a bola roubada dos pés.

Após colecionar convocações para todas as seleções de base da Croácia nos primeiros anos da carreira, faltava a Kovačić apenas a estreia na seleção principal. E isso ocorreu durante a participação da Croácia nas eliminatórias para a Copa do Mundo de 2014, disputada no Brasil. Em março de 2013, Kovačić foi chamado pelo técnico Igor Stimac para enfrentar a Sérvia. O time croata venceu o duelo por 2 a 0 e o jogador passou a ser presença constante no selecionado, que depois seria comandado pelo treinador Niko Kovač na Copa do Mundo. No Brasil, entretanto, Kovačić e a seleção da Croácia não passaram da fase de grupos da competição.

https://www.youtube.com/watch?v=lvfkyGCiiaU

A melhor temporada de Kovačić pela Inter de Milão foi, sem dúvida, a 2014/15. Além de ter atuado em 35 dos 38 jogos do time no Campeonato Italiano (26 como titular e nove saindo do banco de reservas), o meio-campista marcou cinco gols e colaborou com quatro assistências. Em oito partidas na Liga Europa, balançou as redes três vezes. O astro da Croácia também impressionou por ter sido expulso apenas uma vez em 35 jogos, já que duas de suas principais funções no meio de campo é marcar e roubar bolas, tarefas que normalmente resultam em faltas. Outra característica bem visível em Kovačić é a educação para jogar coletivamente. Em alguns instantes, até quando tem a chance de chutar para o gol, o meia prefere um passe para algum companheiro ao lado.

Há até poucos dias, havia a possibilidade de Kovačić fazer parceria com o marfinense Yaya Touré no meio-campo da Inter de Milão. A negociação que iria trazer o africano ao clube italiano, porém, se encerrou de forma negativa para os nerazzurri. Kovačić tem potencial para atuar até mais avançado, desempenhando a função que hoje é de Hernanes. Mas, caso nenhuma grande contratação para o setor seja realizada pela Internazionale, é provável que Kovačić permaneça atuando no meio de campo, à frente do primeiro volante. Velocidade, drible com objetividade, jogo coletivo, imprevisibilidade, passes precisos e, às vezes, alguns gols. Tudo a serviço da gigantesca Inter de Milão e da seleção da Croácia, e talento para nenhum olhar botar defeito.

O croata demonstra ser mais um belíssimo produto da escola que recentemente formou excelentes meias da estirpe de Luka Modrić e Ivan Rakitić, Olho Nele!

https://www.youtube.com/watch?v=eNOf7wY1gXM

Comentários

Jornalista esportivo. Blogueiro na Gazeta Esportiva.com e colunista no Doentes por Futebol e Sportskeeda.com. E-mail: [email protected]