Prévia tática: Juventus x Barcelona

11350639_881871541858517_8541818546004196017_n

O jogo mais esperado do ano, além de craques e grandes histórias, também traz nuances táticas fundamentais ao resultado final. Luis Enrique e Massilimiliano Allegri trabalharam muito suas pranchetas ao longo da temporada europeia, na qual já venceram Ligas e Copas caseiras, e chegam ao desafio final mais que testados.

Sem Chiellini, a Juve vem com Barzagli ao lado de Bonucci e seu 4-3-1-2 “desmontado” em linhas outra vez. Compactação será essencial para se defender do melhor ataque do mundo e projetar o contra-ataque a partir de Pogba e Marchisio, os homens abertos, ou Tévez, que jogará por trás de Morata com função importante na marcação a saída de Busquets. Pirlo e Vidal também terão papéis fundamentais, pois precisarão travar as saídas de Rakitić e Iniesta, além de ajudar Evra e Lichsteiner no cerco a Neymar e Messi, os pontas. Entrega total será o mínimo para fazer uma boa final, enquanto compactação e intensidade serão as palavras-chave.

3ª mudança tática da Juve na Champions: 4-4-2 contra o Real Madrid.

3ª mudança tática da Juve na Champions: 4-4-2 contra o Real Madrid.

Do lado catalão, Daniel Alves e Alba poderão se tornar nomes ainda mais fundamentais durante o embate. Com o meio travado pelos quatro contra três da Juve, os laterais deverão frequentar o campo ofensivo muitas vezes, buscando nova superioridade numérica no setor.

As atenções estarão voltadas para Messi, Neymar e Suárez, trio letal e de extrema importância na dinâmica do jogo. Não serão apenas os definidores, mas sim os passadores e criadores de espaço. Mortais, devem ser vigiados muito de perto pelas linhas bem compactas do time italiano.

Dinâmica do MSN | Montagem: Taticamente

Dinâmica do MSN | Montagem: Taticamente

Juve e Barça gostam da bola. Nesta Champions, os catalães têm média de 60,6% de posse (2º na competição) e os bianconeri tem 56,3% (6º na competição). Para a final, a proposta deve ser do time de Luis Enrique, deixando o contra para os italianos.

Se a posse os aproxima, o aproveitamento os distância. O Barça tem 88,3% de acerto nos passes (1º), enquanto a Juve tem apenas 84,4% (12º). Em finalizações, nenhum dos dois figura entre os líderes da competição. Os blaugrana têm, em 7º, média de 14,6 chutes por jogo. Já os bianconeri, com a 14º colocação no quesito, arrematam 12 vezes em média por jogo.

Não é difícil prever as ideias táticas de Luis Enrique e Allegri, já que ambos têm padrões de jogo definidos e, a essa altura, não devem mudar a direção. Rotular o jogo como ataque (MSN) contra defesa (solidez histórica dos italianos no setor) é fácil e parece bem provável. Quem for mais intenso, compacto sem a posse e versátil com ela, tem 95% de chance de levar. O resto fica ao acaso.

222

Boa final para todos!

Dados estatísticos: Whoscored.com

Comentários

Estudante de jornalismo. Redator e editor no Taticamente Falando. Colunista no Doentes por Futebol. Contato: [email protected]