Sai David, entra Thiago

  • por Tiago Lima Domingos
  • 6 Anos atrás

Não podemos mais ter David Luiz em campo como zagueiro tendo o nosso melhor defensor no banco de reservas

thiago david

A estreia da Seleção Brasileira na Copa América diante do Peru só demonstrou o óbvio. Está na hora de David Luiz ir para o banco de reservas, lugar que Thiago Silva não pode frequentar de forma alguma. O “Monstro” é o nosso melhor zagueiro, e já passou da hora de pararmos de julgar o atleta pelos ataques de choro e levarmos em consideração o principal: a qualidade técnica de Thiago. Que tirem o status de líder do “chorão”, mas não o tirem de campo.

David Luiz não conta com a simpatia dos brasileiros que entendem de futebol. Foi o pior em campo no 7×1 e ficou marcado pelas canetas de Suárez na última Champions. Sua presença causa calafrios nos jogos da Seleção, sua forma estabanada de se comportar como zagueiro mais ainda. David é bom jogador. Tem inegáveis qualidades técnicas com a bola no pé, o que cada vez mais confirma outra obviedade: seu lugar não é lá atrás, e sim um pouco mais a frente, como volante, seja na Seleção, seja em Paris.

Na zaga, David Luiz trabalha com uma margem de erro muito pequena, a qual parece sempre querer ultrapassar. O gol peruano nasceu de (mais) uma falha do zagueiro, completada por Jefferson. O Brasil conseguiu virar o jogo e vencer, mas nem sempre será assim. David precisa de tempo para repensar a carreira na Seleção e o banco de reservas no momento é a melhor opção, ainda mais porque nele está o melhor zagueiro do time.

Leia também: A temporada de cada jogador após o vergonhoso 7×1

Para não deixar passar em branco: Miranda assumiu o posto de Thiago com exímia qualidade. Joga a mesma bola que o fez ser um dos melhores zagueiros da Europa em 2013-14 pelo Atlético de Madrid. Passa muito mais confiança que seu parceiro de zaga e forma ao lado de Thiago Silva a melhor dupla para a nossa Seleção neste momento. Dunga precisa repensar sua defesa antes que David cometa um erro mais grave.

Comentários

Carioca e rubro-negro. Do Rio de Janeiro a Milão. Doente por futebol, é claro. E apaixonado pelo Calcio.