Não foi possível para Schweinsteiger

  • por Victor Mendes Xavier
  • 3 Anos atrás

Assim que Guardiola foi anunciado como novo treinador do Bayern de Munique, em janeiro de 2013, os fãs de futebol perguntavam: quem seriam os novos “Xavi e Iniesta” de Pep?

1

A lógica seria imaginar Schweinsteiger e Kroos emulando a dupla espanhola. O estilo de jogo do catalão é baseado no controle da partida através da posse. Então, os valores dos meio-campistas são de extrema importância, porque eles são os responsáveis pelo funcionamento do sistema.

Apesar do papel importante que desempenhou com Jupp Heynecks, sobretudo por garantir uma saída de bola mais limpa, Schweinsteiger nunca foi esse homem.

Talvez pela necessidade de um atleta que tenha paciência para tocar curto mais de 100 vezes por jogo, a diretoria bávara foi atrás de Thiago Alcântara, familiarizado com a ideia do treinador catalão.

Mas Thiago ainda estava verde e Guardiola precisava de um homem sólido e confiável, alguém que tivesse o índice de acerto de mais de 90%. Pois bem, a grande “construção” de Pep dentro do elenco alemão foi Toni Kroos. O enganche de Heynecks tornou-se o meia-interior esquerdo do espanhol, o homem da segurança na medular.

Mais recuado, Kroos virou o gestor de jogo do Bayern em 2013/2014, graças à agilidade para dar um passe curto e a paciência pra cadenciar.

Foto: Site Oficial do Bayern de Munique | No ano de estreia de Guardiola, Kroos foi o "Xavi bávaro" do catalão

Foto: Site Oficial do Bayern de Munique | No ano de estreia de Guardiola, Kroos foi o “Xavi bávaro” do catalão

No rígido jogo de posição guardiolista, Schweinsteiger não se sentiu confortável. Desde o primeiro jogo, a função de Bastian nunca foi imprescindível. Na equipe que vive mais de 60% do tempo alugando o campo adversário, dominando a bola e gerando vantagens a partir de uma veloz circulação, Bastian sempre encontrou dificuldades para encontrar sua utilidade.

Ele, que começou sua carreira atuando pelos lados do campo, atingiu um alto pico de rendimento devido à sua faceta box-to-box: potência, intensidade e muita chegada à área rival. As principais virtudes de Bastian contrastam com as de Kroos, Thiago e Lahm, os “jugones” de Guardiola em Munique. A gradativa perda de força dos contra-ataques bávaro, tão bem conduzidos pelo camisa 31 durante 2012/2013, e o pouco aproveitamento do chute de longa distância diminuíram seu impacto na Baviera.

Créditos: Site Oficial do Bayern de Munique | O craque Schweinsteiger não se adaptou ao tiki-taka e rumou ao Manchester United

Créditos: Site Oficial do Bayern de Munique | O craque Schweinsteiger não se adaptou ao tiki-taka e rumou ao Manchester United

Até por isso, a temporada 2014/2015 do novo contratado do Manchester United foi bem opaca. Acompanhado de um novo primeiro volante (Xabi Alonso) de máxima facilidade para um jogo de passes e, por vezes, Thiago ou Lahm, o natural de Kolbermoor caiu aos poucos. Até Alaba mais adiantado parecia agitar mais o ecossistema do atual Bayern do que o alemão. A companhia de Xabi, por si só, já o relegava a um segundo plano, pois a bola sempre vai passar mais pelos pés do espanhol.

Contra equipes de defesas recuadas, em blocos baixos, onde o Bayern necessitava criar espaços, as fragilidades de Schweinsteiger eram mais expostas. Porque ele não tem sido suficientemente ágil para superar as linhas inimigas com uma condução de bola ou drible, tampouco é o maior especialista do mundo em passes curtos, precisos e milimétricos.

https://www.youtube.com/watch?v=ainPplNzkx8

Isso não quer dizer que esse excepcional volante está chegando à decadência. Pelo contrário. Depois de uma fase final de Copa do Mundo gigante, Schweinsteiger não conseguiu, no final da história, se adaptar ao “tiki-taka”. Há dois anos, na forma de jogar do Bayern que ganhou tudo, ele era fabuloso, garantindo uma estabilidade no meio-campo, ao lado de Javi Martínez, providencial para as conquistas das taças.

Portanto, o alemão ainda tem crédito e, principalmente, futebol para gastar. Se van Gaal, o responsável pela mudança de Bastian da ponta ao meio, conseguir fazer com que o volante se sinta confortável em campo, o United ganhará um reforço de máxima qualidade e dará um salto imenso rumo aos títulos.

Acompanhá-lo nesse novo desafio será uma das grandes histórias da temporada que está para se iniciar.

bastian-schweinsteiger2

Comentários

Jornalista, carioca e apaixonado pela Liga Espanhola desde a época em que Rivaldo, Zidane, Figo e Raúl foram seus professores. Colaborou para o programa [email protected] da Rádio Globo São Paulo falando sobre o futebol do país das touradas. Repórter da Super Rádio Tupi.