A elástica história de Rivellino contada por Noriega

  • por Giovanni Ghilardi
  • 4 Anos atrás

Riva

Uma camisa amarela com dois dígitos verdes: “10”. A maior obsessão e o grande símbolo do futebol brasileiro, tudo por conta dos mitos que a vestiram. O nome de Pelé imediatamente vem à tona, mas seu sucessor honrou o manto e fez a torcida ter o mais alto dos padrões. O nome dele: Roberto. Ou melhor, o sobrenome: Rivellino.

 

10

Lançado pela editora Contexto e com autoria do jornalista da Sportv Maurício Noriega, o livro “Rivellino” traz a evolução do menino que nasceu Roberto e virou Rivellino, Patada Atômica, Reizinho do Parque, Riva, Rivo e Orelha.

A divertida lista de apelidos já antecipa uma característica marcante do livro: sua abrangência. A narrativa tem seu início na casa que os prodígios irmãos Roberto e Abílio nasceram e chega até a vida atual do canhoto, trazendo diferentes pontos de vista para histórias polêmicas, fotos exclusivas e depoimentos de grandes figuras que testemunharam o bigodudo em campo.

Assim, Noriega tabela com craques como Zico, Alex, Platini, Beckenbauer e Pelé. Deixando o conteúdo muito mais rico, dinâmico e fazendo a história jogar pra frente com uma visão mais real e boleira.

É dessa forma que muitas vezes nos imaginamos dentro de campo, vivendo tudo aquilo, ou nos colocamos em sua casa, ouvindo a melodia de seus diversos passarinhos. O livro nos permite descobrir que por trás de um dos chutes mais complexos da história do futebol, se escondia um homem simples e boa praça.

Com tudo isso, “Rivellino” é uma ótima pedida para qualquer amante do futebol e uma leitura obrigatória para todos os fã de Riva. Mas se ainda não está satisfeito e quer mais um motivo pra virar essas páginas, o Rei Édson Arantes do Nascimento pode te oferecer.


“É claro que ele está na lista dos cinco melhores jogadores da história do futebol! Até hoje eu cito o Riva em minhas entrevistas como um craque fora de série. Era muito habilidoso, tinha uma grande visão de jogo e também era um excelente cobrador de faltas. Pelo Santos, todas as vezes que íamos jogar contra ele, tinha um jogador especialmente escalado para marcá-lo.”

riva2

Para encontrar outros depoimentos como esse, além da história completa. Você pode ir no lançamento do livro na Livraria Cultura do Conjunto Nacional em São Paulo às 18h30.

Além disso, fique ligado no nosso sorteio que irá presentear uma pessoa com a biografia. Aproveite: uma assistência dessas só acontece quando tem um grande camisa 10 envolvido.

Comentários

Cresceu acompanhando de perto o glorioso Bragantino e viu que em meio às vitórias e derrotas, existem muitas boas histórias pra contar. Seja nos livros, nos cinemas ou até em uma mesa de bar; o futebol sempre está presente.