Solidariedade FIFA pode injetar R$ 50 milhões no Brasil

  • por Matheus Mandy
  • 4 Anos atrás

No último dia 31 de agosto chegou ao fim mais uma janela de transferências do mercado europeu. Os clubes dos principais centros foram às compras e gastaram milhões de euros para formar seu plantel para a dura temporada, como você conferiu aqui no Doentes por Futebol. Agora vamos além para analisar um aspecto pouco divulgado nesta época do ano: o mecanismo de solidariedade da FIFA.

fifa

O sistema, desenvolvido pela FIFA para restituir clubes formadores, garante que 5% de qualquer transferência seja destinado às equipes pelas quais jogador atuou dos 12 aos 23 anos. Este sistema garante a sobrevivência de muitos times e movimentou mais de € 12,5 milhões em mais de 100 clubes no futebol brasileiro. Na cotação da atual moeda, mais de R$ 50 milhões.

Tendo como base registros na CBF e nas federações locais, além dos valores divulgados pela imprensa, fizemos um levantamento de quanto cada clube pode vir a receber, aproximadamente, pela movimentação da janela.

Como é feita a conta?

Solidariedade

Aos clubes nos quais o jogador atuou dos 12 aos 15 anos deve ser destinado 0,25% por ano (0,020%/mês) de cada transferência. Já os times que o atleta defendeu dos 16 aos 23 anos ficam com o equivalente 0,50% do valor da transação por ano jogado (0,040%/mês).

Nesta janela, três clubes conseguiram ultrapassar a barreira de € 1 milhão: Grêmio, Figueirense e Santos, nesta ordem.

CAPA GRÊMIO

O Tricolor Gaúcho conseguiu esse feito graças à milionária transação de Douglas Costa, que foi do Shakhtar para o Bayern por mais de € 30 milhões. Deste total, € 1,05 milhão ficou com o time brasileiro, que também recebeu uma boa quantia pela venda de Fernando, também do Shakhtar , para a Sampdoria (dos € 8 milhões pagos pelo jogador, € 200 mil ficaram com a equipe gaúcha). O Grêmio também recebeu pequenas quantias por Rodrigo Ely (Milan), Pablo (Bordeaux), Souza (Fenerbahçe), Felipe Melo (Inter de Milão) e Maurício (Sporting). Total a entrar nos cofres? € 1.314.835,00.

CAPA FIGUEIRA

Segundo que mais lucrou com a janela, o time catarinense chegou a esta posição graças ao atacante Roberto Firmino, negociado pelo Hoffenheim com o Liverpool, e Filipe Luís, que foi do Chelsea para o Atlético de Madrid. Além disso, o Figueirense ganhou com a ida de Caio Canedo, do Internacional, para o futebol árabe. No total, o alvinegro ficou com € 1.257.250,00.

SANTOS CAPA

Conhecido por sempre ter uma boa divisão de base, o Peixe foi beneficiado pelas estratosféricas transferências de Danilo (do Porto para o Real Madrid), e Alex Sandro (do Porto para a Juventus). Também foram negociados Charles (Málaga) e Júnior Moraes (Dínamo Kiev). A equipe da Vila Belmiro ficou com € 1.001.100,00 no total.

Atlético-MG, o pior entre os principais

Dos 12 principais clubes do país, o Galo foi o time que menos lucrou nesta janela. A equipe campeã da Libertadores de 2013 ganhará apenas uma pequena quantia, oriunda da ida do lateral Mariano, do Bordeaux, para o Sevilla: € 17,5 mil. Para se ter ideia de como este valor é baixo, o segundo que menos receberá é o Botafogo, com € 80 mil.

CRB-AL e América-MG em destaque

As idas de Danilo para o Real Madrid e de Roberto Firmino para o Liverpool renderão mais de € 500 mil. O CRB é um dos que mais será beneficiado na janela, contando ainda com a venda de Maurício, da Udinese para o Sporting.

Reta final eleva pernambucanos

  Nesta última semana de janela, o futebol pernambucano encheu os cofres. As transferências de Hernanes e Aderlan Santos para Juventus e Valência, respectivamente, vão movimentar as finanças de Santa Cruz, Salgueiro, Unibol, Araripina e até mesmo uma Escolinha Amadora, conhecida como Escolinha do Tetê. Serão mais de € 660 mil. Confira os valores arrecadados pelos clubes das principais divisões nacionais:

 

Para entender um pouco como funciona o sistema implementado pela FIFA, conversamos com os profissionais Isaac Chaficks Tamir, Normando Pereira Cravo e Vânia Fernandes Siqueira Cravo, do Cravo & Chaficks Advogados, renomado escritório do Rio de Janeiro, que tem como uma de suas especialidades trabalhar com o mecanismo de solidariedade.

DPF – Como é o procedimento para o clube fazer este requerimento? Alguns dizem que existe um custo e que as vezes não compensa. Isso procede?
Cravo & Chaficks Advogados – Primeiramente, é necessário comprovar a passagem do atleta pelo clube através do passaporte desportivo do jogador, requerimento este que é feito pelo escritório contratado, junto às federações e à CBF. Com o passaporte em mãos, é iniciado junto à FIFA um processo de cobrança do mecanismo de solidariedade. Como um processo normal, em alguns casos existem as custas, mas são pagas inicialmente pelo requerente e devolvidas ao final do processo pelo clube devedor.

Cravo & Chaficks Advogados – É inexistente a possibilidade de não compensar, primeiro pelo fato dos processos de valores pequenos não serem objeto de custas e nos maiores valores existe a cobrança das custas, que são devolvidas ao final, bem como os honorários advocatícios são pagos apenas ao final do processo.

DPF – Qualquer clube em que o atleta atuou até aos 23 anos pode requerer a indenização do Mecanismo de Solidariedade, mesmo o atleta tendo atuado só por empréstimo?

Cravo & Chaficks Advogados – Basta que o atleta tenha atuado no clube entre os 12 e os 23 anos para o mesmo ser detentor desse direito, independente se a passagem foi por empréstimo ou não.

DPF – Por diversas vezes, a gente vê clubes entrando com representação na Fifa alegando “calote” de outras agremiações. Recentemente, o Botafogo quase perdeu pontos, pois não repassou ao Vitória a porcentagem referente à formação de Elkeson. Quem é o responsável pelo pagamento? O clube que compra o atleta ou o clube que vende?
Cravo & Chaficks Advogados – No que tange especificamente ao Mecanismo de Solidariedade, o clube responsável pelo pagamento é aquele que compra. Qualquer acordo entre os clubes alterando essa responsabilidade não é aceito pela FIFA.

DPF – Como especialista na área e consequentemente amante do futebol, qual a importância deste mecanismo de solidariedade?
Cravo & Chaficks Advogados – O mecanismo é de suma importância para qualquer clube de futebol independente da divisão. Clubes de menor investimento em muitos exemplos estavam prestes a fechar as portas e graças ao valor recebido pelo mecanismo de solidariedade de um atleta foi possível mantê-los em atividade. Por outro lado, clubes de maior expressão através do mecanismo de solidariedade conseguiram honrar compromissos e até investir mais com os valores recebidos.

Pelo visto, concluímos que o Mecanismo de Solidariedade FIFA foi um tremendo gol de placa por parte da entidade, fomentando e premiando os clubes participantes do processo de formação de atletas profissionais de alto nível.

Comentários

Nascido em Santo Antônio de Pádua, Mandy começou com jornalismo em 2004 e em 2010 se formou na área. Trabalhou na Inter TV da Globo em Campos, TV Record e foi editor de esportes da Folha da Manhã, maior jornal do interior do rio. Também trabalhou na assessoria de imprensa do Instituto Federal Fluminense e de clubes do Rio de Janeiro.