Só no Brasil a Seleção é exclusividade dos clubes gigantes

Durval fez grandes temporadas pelo Sport, mas só foi reconhecido pela Seleção quando foi para o Santos (Foto: Reprodução/CBFtv)

Durval fez grandes temporadas pelo Sport, mas só foi reconhecido pela Seleção quando foi para o Santos (Foto: Reprodução/CBFtv)

Inglaterra e França em um jogo histórico: um ato de resistência ao Terror. Uma rivalidade secular entre seleções que experimentam peças e se testam para chegar à Eurocopa de 2016 em condições de almejar algo grande – sobretudo os franceses, que sediarão o torneio. Em suma, um amistoso com jeito de partida séria e cheio de contornos políticos. Nesse contexto, a presença em campo de dois jogadores dialoga com uma outra discussão. Que rolou bem distante desse momento difícil que vive a Europa e não saiu do Twitter, mas que mostrou faces de uma cultura nociva ao futebol nacional e, acima de tudo, à Seleção Brasileira.

Trata-se de Hatem Ben Arfa, meia-atacante titular pela França, e Jack Butland, goleiro acionado por Roy Hodgson na segunda etapa. Aos 29 anos, o habilidoso, porém irregular jogador vive mais um dos momentos de esplendor que já teve em sua carreira, e vai guiando o Nice, que faz uma estável campanha na Ligue 1, ocupando a 6ª posição após 12 rodadas. Já o inglês de 22 anos defende o Stoke City, 12º lugar da Premier League. Em comum entre os dois, o fato de não defenderem clubes tidos como “grandes” em seus países. Algo que, para muitos torcedores e comentaristas brasileiros, significa uma afronta a uma espécie de ordem estabelecida ao longo das últimas décadas.

Essa reação veio à tona no programa Linha de Passe, da ESPN Brasil. Falando sobre o goleiro Danilo Fernandes, que faz imenso Brasileiro pelo Sport, o jornalista José Trajano declarou que não o convocaria para a Seleção por jogar em um “time pequeno”. Opinião discutível, porém respeitável, como também é sua trajetória. Outro comentarista do mesmo canal, Mauro Cézar Pereira, não usou as mesmas palavras, mas ecoou o pensamento do colega no Twitter, dias depois, durante o jogo entre Cruzeiro e Sport, no último domingo. A tese dos dois provocou a ira da torcida rubro-negra, que vê esse e outros atletas do clube se destacarem e brigarem por prêmios individuais do campeonato.

Mesmo fora do circuito dos grandes clubes, Ben Arfa é frequentemente lembrado pelo seu talento na Seleção Francesa (Foto: Reprodução)

Mesmo fora do circuito dos grandes clubes, Ben Arfa é frequentemente lembrado pelo seu talento na Seleção Francesa (Foto: Reprodução)

Torcedores de outros clubes do mesmo escalão ainda manifestaram apoio ao sentimento dos pernambucanos, evidenciando a percepção de algo que não acomete só o Leão da Ilha do Retiro. E é aí onde entram Ben Arfa, Butland e outros atletas que estiveram em campo em Wembley nesta terça. Eles atuam por clubes que não fazem parte do grupo dos maiores em seus países. Poderiam ser comparados, por exemplo, com Diego Souza, do Sport, e Wéverton, do Atlético Paranaense, destaques do Brasileirão. Mas mesmo sem o prestígio de vestirem camisas pesadas, ambos mereceram a confiança de seus técnicos e atuaram em bom nível no amistoso, contradizendo a visão de que só jogadores de times “grandes” podem representar uma seleção tradicional.

Esse ponto de vista não é compartilhado em qualquer outro país de relevo no cenário do futebol internacional. Exemplos não faltam: nos últimos jogos, o técnico espanhol Vicente Del Bosque deu oportunidade ao lateral do Villarreal Mario Gaspar (que, inclusive, marcou dois gols em dois jogos) e ao atacante Nolito, do Celta. O próprio English Team recentemente convocou o atacante Jamie Vardy, do Leicester, sensação deste início de Premier League. A Alemanha, referência do futebol contemporâneo, teve a presença do atacante Kevin Volland, do Hoffenheim, e do lateral Jonas Hector, do Colônia. Se a lógica dos comentaristas citados valesse nesses países, esses atletas só jogariam por suas seleções quando vestissem a camisa de um Barcelona, um Real Madrid, um Manchester United ou um Bayern de Munique.

Mesmo fazendo um grande Brasileiro, Danilo Fernandes ainda tem seu nome ridicularizado por setores da imprensa (Foto: Marlon Costa/FPF)

Apesar de estar fazendo um grande Brasileiro, Danilo Fernandes ainda tem seu nome ridicularizado por setores da imprensa (Foto: Marlon Costa/FPF)

Com esse monopólio dos gigantes brasileiros sobre a Seleção nacional, cria-se um ambiente extremamente prejudicial à própria estrutura do futebol no país. Afinal, como o sonho de defender a Canarinho é restrito àqueles que jogam nos nossos principais clubes, é difícil criticar o atleta que troca um clube onde está feliz e jogando bem por outro maior, em nome de uma (promessa de) convocação ou até de uma transferência para a Europa. E como não há espaço para todos os craques de um país como o Brasil em uma meia dúzia de times, nasce um grupo de jogadores proibidos de aspirar um lugar na Seleção Brasileira, por melhor que estejam desempenhando seu trabalho.

O quanto essa regra velada tem engessado o futebol brasileiro, tirando o equilíbrio dos campeonatos nacionais e minando a competitividade da própria Seleção? Quantos talentos vêm sendo impedidos de ser convocados pelo simples fato de não vestirem camisas de clubes que mesmo sendo gigantes, não ofuscam a grandeza de tantos outros com torcidas enormes? Até que ponto essa “exigência” tem sua justificativa restrita a questões técnicas? Existe, aliás, alguma explicação? São perguntas difíceis de responder, mas que traduzem um pouco da inquietação das torcidas de Sport e de outros times que, há anos, não sabem mais o que é ver seus destaques serem devidamente reconhecidos.

Comentários

Jornalista recifense, sócio-diretor do Doentes por Futebol, editor da Revista Febre. Curioso observador de tudo o que cerca o futebol brasileiro e internacional.