Harold Preciado, o artilheiro Verdiblanco

  • por Gustavo Ribeiro
  • 4 Anos atrás

Sem uma campanha de grande destaque, sendo apenas o oitavo colocado no Campeonato Colombiano, o Deportivo Cali é um clube que merece, sempre, ser olhado com mais atenção. Com a falta de grandes investimentos para a contratação de grandes nomes, diferente de clubes de maior expressão como o Millonarios e o Atlético Nacional, as categorias de base tornam-se a saída para manter o clube na briga por títulos. Com um trabalho moderno que consiste em localizar, monitorar e lapidar os jovens talentos, e que vem sendo feito há um bom tempo, o Deportivo Cali vê um futuro promissor.

Muriel e Zapata são apenas alguns dos casos de sucesso da base do Deportivo Cali.

Nos últimos anos, alguns nomes interessantes saíram das canteras do clube da capital, como Fredy Montero, Luis Fernando Muriel, Jeison Murillo, Michael Ortega, Andrés Escobar, Yerson Candelo, Abel Aguillar, Mario Yepes, Cristian Zapata e Fabián Castillo. Alguns optaram por seguir a carreira em centros menores, como é o caso de Castillo na Ucrânia, enquanto outros conseguiram chegar às principais ligas da Europa – Murillo, na Itália, sendo o principal exemplo.Um dos motivos do sucesso das canteras verde é que o clube não se prende apenas aos jovens de sua região; percorrem todo o país em busca de talentos a serem lapidados. É o caso de Freddy Montero, nascido em Campo de la Cruz, Atlántico. Começou a se destacar nos campos de terra em Barranquilla, mas graças a um dos olheiros do clube pelo país foi garimpado e levado para as canteras de Cali, onde mais tarde chegou ao time principal.

Mas a principal aposta do clube, seja no lado esportivo ou financeiro, parece ser a atual geração, que já mostra ser bastante talentosa. Nomes como Santos Borré (20), Andrés Roa (22), Mateo Casierra (18), Alveiro Sánchez (17), Miguel Murillo (22) e Harold Preciado (21). A maioria destes foi destaque na conquista do Campeonato no primeiro semestre. No total, o elenco contou com 18 jogadores oriundos das categorias de base.

OLHO NELE - PRECIADO

Mas, destes citados, Harold Preciado é o que mais chama a atenção no momento. De origem humilde, deu seus primeiros chutes em sua terra natal, em Tumaco, onde já se destacava nos campos de terra em que jogava com seus amigos de infância. Um dos grandes personagens dessa época em sua vida foi seu padrinho, Carlos Alberto Cortés, que tinha contato com diretores do programa Intercampus, um programa social que ajuda na inclusão de jovens carentes no país.

Vendo o jovem em ação, os diretores não tiveram duvidas e o levaram para a Casa Hogar, onde o Deportivo Cali mantém seus jovens talentos. Em 2008, fez o teste para provar que merecia continuar trabalhando no clube, mas não passou. Guillermo Serrano, um dos diretores da época, foi quem deu a informação ao garoto e mandou-o de volta para Tumaco.

Um dos motivos para a reprovação pode ter sido disciplinar. Isto porque, durante seu tempo na Casa Hogar, chegou às vias de fato com Wilson España e, como punição, ficou 15 dias sem tocar na bola, apenas correndo em volta do campo. Sabendo da resposta negativa obtida pelo afilhado, seu padrinho conversou com um dos diretores e o jovem voltou à Cali em janeiro de 2009 e refez o teste; desta vez sendo aprovado e ficando em definitivo.

Jogou sua primeira partida com a equipe profissional em 2013, mas não obteve a continuidade no elenco que esperava junto ao técnico Leonel Álvarez e acabou sendo emprestado para ganhar mais experiência. Seu destino foi o Jaguares, de Córdoba, que disputava a Primeira B na época. Com uma difícil adaptação, seja pelo forte calor, pelos novos companheiros ou pela distância da família, nem o próprio atacante pensava que se daria tão bem no novo clube.

Longe da mordomia que tinha em Cali, Preciado teve que aprender a conviver com a simplicidade no novo clube. Mas, dentro de campo, o resultado foi muito positivo. Com 15 gols, foi o artilheiro da equipe na conquista do Apertura do Ascenso de 2014 e o grande destaque do time comandado por Alberto Suárez, um dos responsáveis pela ótima fase do atacante na temporada. No segundo semestre, quando chegou a ficar dois meses fora dos gramados por causa de uma lesão no tornozelo, marcou apenas seis vezes e ajudou o conjunto cordobés a garantir o acesso à Primeira Divisão.

O ano de 2015 começou com Preciado de volta a Cali. Chegando com a moral elevada após uma ótima temporada em 2014, o atacante ganhou a confiança do novo técnico Fernando Castro e aos poucos foi se tornando a grande figura do time.

Mesmo sendo a referência da equipe, é de se destacar a visão de jogo do atacante, que além de ser goleador, também sabe deixar seus companheiros na cara do gol. Goleador e decisivo, Preciado levou o Deportivo Cali a sua “novena estrella”, mesmo não sendo titular em todos os jogos. Foram 10 gols e uma assistência em 15 jogos disputados.

Com o destaque em Cali aumentando, não demorou muito para os clubes europeus se interessarem por seu futebol e ele começar a ser especulado nos clubes do velho continente. No meio do ano, a informação que surgiu foi a de que o Benfica e o Sporting Braga cogitaram contratar o atacante colombiano. Vendo que o assédio sobre o jogador seria grande, e que este só tende a aumentar, Álvaro Martínez, presidente clube, não perdeu tempo e renovou o contrato de Preciado por mais um ano, que agora vai até junho de 2018. Segundo o dirigente, o objetivo é segurar todos os destaques do time para a disputa da Libertadores do próximo ano.

No segundo semestre de 2015, Preciado continua com as boas atuações e a evoluir. Até aqui, na Liga Águilla 2015-II, o Deportivo Cali ocupa a oitava colocação após 17 jogos já disputados. Preciado entrou em campo 15 vezes e é o vice-artilheiro da competição com 11 gols, cinco a menos que Jefferson Duque, do Atlético Nacional, que tem 14 tentos anotados.

Com apenas 21 anos, Preciado é mais um jovem de talento do futebol colombiano que merece ser acompanhado de muito perto.

Olho Nele!

Comentários

Projeto de jornalista, mineiro, 20 anos. Viu que não tinha muito futuro dentro das quatro linhas e resolveu trabalhar dando seus pitacos acompanhando tudo relacionado ao futebol, principalmente quando a pelota rola nas canchas dos nossos vizinhos sul-americanos. Admirador do "Toco y me voy" argentino, também escreve no Sudaca FC e tem Riquelme e Alex como maiores ídolos.