O imortal Oviedo

  • por Doentes por Futebol
  • 5 Anos atrás
Foto: http://realoviedo.es/

Foto: http://realoviedo.es/

(Por Jessica Miranda)

O absoluto caos estava instaurado em um pequeno time do norte da Espanha, o Real Oviedo. O acionista majoritário, ao longo de meia década de péssima gestão, quebrou o clube e foi condenado a dois anos de prisão por crimes fiscais. Mas ninguém sabia o paradeiro do misterioso Alberto González, pois ele já havia abandonado, no fim de 2011, a cidade de pouco mais de 200 mil habitantes, antes mesmo de sua condenação judicial.

Em 2012 o Real Oviedo completou 86 anos de história, com 38 temporadas disputadas na primeira divisão espanhola. Se os dirigentes não conseguissem, no entanto, arrecadar 2 milhões de euros em poucas semanas, não haveria mais a chance de Los Azules saírem da terceira divisão e trilharem o caminho de volta à La Liga. Não haveria nada a não ser a extinção.

Foto: http://realoviedo.es/

Foto: http://realoviedo.es/

Com a venda de ações do clube, cada uma a dez euros, a direção deu início ao plano de salvar o Real Oviedo de sua morte. Porém, mesmo com a adesão em massa dos torcedores locais, o valor arrecado ainda estava muito aquém das necessidades urgentes. Precisavam expandir a campanha além do principado das Astúrias e nada melhor para um pai doente do que contar com seus herdeiros famosos.

Cazorla, Mata, Michu: todos eles são fruto das categorias de base do time e ajudaram a divulgar o pedido de socorro. É interessante indicar a história desses jogadores no clube. Enquanto Cazorla partiu aos 17 anos para Villarreal, Mata saiu ainda mais novo de Oviedo, aos 15, para a base do Real Madrid. Outra cria que se destacou é Adrian, que foi campeão espanhol pelo Atlético de Madrid.

Michu, por sua vez, é considerado pelos torcedores um dos maiores ídolos da história do clube. Ele chegou ainda criança e jogou até os 21 anos, antes de se transferir para o Celta. Infelizmente, devido ao histórico de lesões, Michu não teve seu contrato renovado com o Swansea e acabou de assinar um contrato com um time da quarta divisão espanhola, treinado por seu irmão. Recuperando-se fisicamente e, principalmente, resgatando a confiança de jogar, por que não considerar um retorno ao lar na próxima temporada?

A campanha dos jogadores deu certo e também foi impulsionada por veículos de mídias famosos, contando até mesmo com a ajuda do Real Madrid no valor de 100 mil euros. Com pessoas de mais de 80 países contribuindo, o clube chegou ao último dia do prazo antes de decretar oficialmente a falência tendo arrecado 1,9 milhões de euros. Só que ninguém esperava que o homem mais rico do mundo, o mexicano Carlos Slim, fizesse uma generosa contribuição no valor de 2 milhões de euros, possibilitando ao clube acelerar a sua recuperação.

Foto: http://realoviedo.es/

Foto: http://realoviedo.es/

Três temporadas depois do renascimento, o Real Oviedo voltou à segunda divisão. E se continuar nesse ritmo, ano que vem veremos Messi, Ronaldo, Neymar e companhia tomando pressão da incrível torcida que freqüenta o estádio Carlos Tartiere. Susaeta e Toché são os destaques dentro de campo do time que está em terceiro lugar na Liga Adelante.

Fora dele, o veterano Diego Cervero, nascido em Oviedo e amigo de infância de Michu, comanda moralmente o time, ajudando em partidas esporádicas. Ao grandalhão podem faltar técnica e habilidade, mas sobram demonstrações de amor e fidelidade ao Real Oviedo: ele esteve presente no período mais sombrio do clube, em que os jogadores ficaram seis meses sem receber e não havia água nos chuveiros, nem uniforme para treinar.

Comentários