Erwin Saavedra, a nova joia boliviana

  • por Gustavo Ribeiro
  • 4 Anos atrás

Dono de três dos últimos seis campeonatos bolivianos, o Bolívar chamou a atenção realmente após a histórica campanha na Libertadores de 2014, quando conseguiu contrariar todas as expectativas e alcançou às semifinais, mostrando que o futebol boliviano não vive só de altitude. Com nomes como Capdevilla, Juanmi Callejón, Arce e Ferreira, se revelou capaz de fazer jogo duro contra qualquer time sul-americano.

Mas para a Libertadores desse ano, mesmo continuando com todos esses nomes já consagrados, a bola da vez é o jovem e talentoso Erwin Saavedra, volante/lateral de 20 anos que já conquistou a torcida e a imprensa local. Oriundo de uma família com um bom histórico no futebol, Saavedra é também um dos jovens em que os bolivianos deposita esperanças para a seleção em um futuro bem próximo.

OLHO NELE SAAVEDRA

Saavedra nasceu em uma família que sempre foi ligada ao esporte. Seu pai Mário e seu tio Aldo estavam na seleção boliviana que foi vice-campeã mundial de futsal em 2000, perdendo a final para a Colômbia. Seu pai tentou jogar no San José na década de 80, mas não chegou a entrar em campo profissionalmente e preferiu continuar no futebol de salão. E foi no San José que Erwin chegou a fazer um teste quando tinha apenas 16 anos. Lá, ele ficou por quase dois meses. Mas, sem sucesso, teve que voltar para Oruro.

Após ser recusado no primeiro teste, Erwin continuou seguindo atrás do sonho de se tornar profissional e foi tentar a sorte no time juvenil do Bolívar. Após alguns testes, acabou passando e ficou no Internado, como é conhecido o local onde ficam os jogadores da base de “La Academia”, como é conhecido o clube de La Paz.

Em 2013, já com bastante holofote, o volante foi um dos destaques do Bolívar que conquistou o campeonato nacional sub-20, vencendo o Calleja de Santa Cruz na final por 4×0 e marcando um dos gols. Na base, sempre se destacou como volante pela direita mas, pela qualidade técnica, é capaz de fazer várias funções. Acabou chegando ao time de cima por indicação de Walter Flores, um dos mais experientes atletas do time de cima. E foi em agosto de 2013, com apenas 17 anos, que teve sua estreia como profissional, entrando no decorrer da vitória por 5×0 em cima do Real Potosí. Daí em diante, seguiu entrando quase sempre no decorrer dos jogos, inclusive na Libertadores daquele ano, em que o time fez uma de suas melhores campanhas na história da competição.

Podemos dizer que seu primeiro grande jogo foi pelo Clausura em 2014, na goleada de 6×0 sobre o Blooming. Começando como titular desde, Saavedra surpreendeu a todos com sua qualidade na distribuição de jogo e bom passe, e ainda teve tempo de definir o placar marcando os dois últimos tentos. Ganhando a confiança do técnico Xabier Azkagorta, foi se tornando a cada dia uma peça mais importante no elenco.

No final de 2014, com o time campão do Apertura, Saavedra foi uma das revelações do campeonato e no início de 2015 foi convocado para disputar o Sul-americano sub-20, em que jogou três partidas, sendo duas como titular. Coletivamente, a produção boliviana foi a esperada: o time foi eliminado na primeira fase, mas o jovem volante já demonstrava que estava pronto para fazer o melhor ano de sua curta carreira até ali.

Mesmo tendo como principais características o passes e a ótima chegada à frente, Erwin Saavedra também atuou como lateral e ala pela direita, tendo muita liberdade para atacar. Para se ter uma ideia do posicionamento em campo do jogador, no 4-2-3-1, um dos esquemas mais usados nos últimos anos, Saavedra poderia atuar como segundo volante ou aberto pela direita na linha de três meias.

Mas se no Bolívar seu destaque foi atuando no meio-campo, no seu primeiro jogo de titular na seleção foi atuando de lateral direito. Na partida contra a Venezuela, em que a Bolívia venceu fácil por 4×2, Saavedra teve uma atuação segura defensivamente e mostrou que pode ser uma importante opção no setor ofensivo para o técnico Baldivieso.

Desde que estreou pelo time profissional do Bolívar, o volante já disputou 76 jogos, sendo 44 como titular. Nesse início de temporada, sob o comando de Rúben Insúa, tudo indica que o time irá atuar com três zagueiros e Saavedra será escalado como ala pela direita. Um ponto positivo é que pode ganhar mais liberdade no apoio ao ataque e menos obrigação defensiva, mas o lado ruim é que o time vai perder um de seus melhores distribuidores de jogo no meio-campo.

Em um futebol cada vez mais analisado pelo lado tático, em que o comportamento do jogador sem a bola e suas funções em campo são exigidos ao extremo, Erwin Saavedra sai na frente de muitos jovens. Jogando de lateral, ala, volante e meia, o jovem boliviano sempre vai ter um olhar diferente de seu técnico pela polivalência em campo.

posições saavedra

Com as boas atuações que já mostrou nos torneios nacionais, o volante natural de Oruro não deve ficar muito tempo no Bolívar. Recentemente, a revista Four Four Two divulgou uma lista das maiores promessas do futebol sul-americano e Saavedra teve seu nome citado, ao lado do brasileiro Gabriel Jesus e do uruguaio Nahitan Nandez, que também já são de grande importância em seus respectivos clubes. Pouco conhecido no Brasil, não é de se estranhar se Saavedra, aos seus 19 anos, for um dos bons destaques na edição 2016 da Copa Libertadores.

Olho Nele!

Comentários

Projeto de jornalista, mineiro, 20 anos. Viu que não tinha muito futuro dentro das quatro linhas e resolveu trabalhar dando seus pitacos acompanhando tudo relacionado ao futebol, principalmente quando a pelota rola nas canchas dos nossos vizinhos sul-americanos. Admirador do "Toco y me voy" argentino, também escreve no Sudaca FC e tem Riquelme e Alex como maiores ídolos.