Rodrigo Dourado: mais uma joia lapidada no Beira-Rio

  • por Yuri Casari
  • 4 Anos atrás

DESTACADA OLHO NELE 2016

Não são poucos os que consideram a base do Internacional como uma das mais produtivas do país. Além de conquistar expressivos resultados dentro de campo, ano a ano revela excelentes nomes para o time principal, e que inevitavelmente, tornam-se um alívio ao caixa colorado. A bola da vez é o volante Rodrigo Dourado, que começou discreto, sem receber grandes chances. Mas, quando foi dada a oportunidade, o garoto assumiu a meia-cancha da equipe e se tornou peça vital no elenco do Inter.

Rodrigo Dourado chegou ao Beira-Rio com 12 anos e recebeu sua primeira oportunidade no time principal em 2012, sob o comando do eterno ídolo Fernandão. Apesar do conhecido potencial, Dourado jogou apenas 7 partidas entre 2012 e 2014. Recebeu o devido reconhecimento apenas no início de 2015, com o uruguaio Diego Aguirre, durante a primeira fase da Libertadores da América. Suas atuações no Gauchão eram convincentes, e a irregularidade de Nilton, a falta de técnica de Nico Freitas e a já previsível saída de Charles Aránguiz aceleraram seu processo de titularidade. Neste ano, entrou em campo com a camisa vermelha em 54  jogos.

Imagem: Divulgação/Internacional

Imagem: Divulgação/Internacional

Apesar do físico franzino, o ponto forte de Dourado está justamente na marcação. Sempre bem posicionado, possui um alto aproveitamento nos desarmes (117 desarmes certos, com 82,4% de aproveitamento no Campeonato Brasileiro) e nas interceptações, além de ter muita qualidade técnica na saída de bola e ser um trunfo no jogo aéreo com seus 1,86m de altura. É versátil para defender e distribuir o jogo com a mesma qualidade. Uma amostra disso é que Dourado é o líder em passes certos no time do Internacional (1.166 passes certos, com 92% de aproveitamento no Campeonato Brasileiro). Em contrapartida, finaliza pouco, mesmo em partidas em que atua como segundo volante. Contra o Sport, mesmo adversário de sua estreia no Inter três anos antes, no dia 3 de outubro, marcou seu primeiro, e até o momento único gol na carreira.

Em junho, a direção do Inter estendeu o contrato do jogador até junho de 2019, e seu salário saltou de R$ 20 mil para R$ 100 mil mensais. No Brasileirão, mesmo com o rodízio estabelecido por Diego Aguirre, Dourado participou de 30 partidas, sendo 29 como titular. Houve mudanças no comando, saiu Aguirre e entrou Argel. O que não mudou foi a importância de Rodrigo Dourado no Internacional.

Apesar de já possuir 21 anos, Dourado deve estar em breve no futebol do Velho Continente. As especulações já começaram antes mesmo do fim do Brasileirão. Para levá-lo de Porto Alegre, será preciso desembolsar 60 milhões de euros (cerca de R$ 210 milhões), valor da multa rescisória. A esperança da torcida é que a diretoria consiga segurar o jogador ao menos no ano de 2016, para finalmente, quebrar o incômodo jejum de 36 anos sem vencer o Brasileirão.

Comentários

Respiro futebol 24 horas por dia. Jogo, assisto, torço, leio, escrevo, penso. Enfim, sou um doente por futebol.