Iheanacho, o talismã do City

Neste momento, o Manchester City vive um turbilhão de emoções. A iminente chegada de Pep Guardiola e a saída de Pellegrini, as lesões de jogadores importantes como Kevin De Bruyne, Eliaquim Mangala e Jesús Navas, e os recentes maus resultados que afastaram o time da luta pelo título da Premier League são alguns dos motivos que justificam tal afirmação. No entanto, há outro que vem causando grande furor e trazendo esperança ao Etihad Stadium: o lançamento do jovem Kelechi Iheanacho, atacante nigeriano que tem mostrado personalidade, marcado gols e conseguido bons números em seu início de carreira.

OLHO NELE IHEANACHO

Hoje com 19 anos, o jogador nascido em Imo, Nigéria, chegou aos Citizens em 2014, após fechar pré-contrato em 2013, aos 17. Iheanacho teve que esperar seu 18º aniversário para assinar um contrato definitivo com seu novo clube.

Foto: Divulgação/Thenff.com

Foto: Divulgação/Thenff.com

O jogador apareceu com grande destaque na disputa do Mundial Sub-17 de 2013, ocasião em que conquistou o título, vencendo o México na final, sendo o vice-artilheiro com seis gols, ao lado do brasileiro Boschilia, e recebendo o prêmio de melhor jogador do torneio. O nigeriano atuava no Taye Academy de Owerri e com o grande desempenho passou a ser pretendido por vários clubes, como Arsenal e Porto. Ao final, fechou com o City e rapidamente foi crescendo no clube.

Embora ainda não tivesse contrato com os Citizens, o jogador passou a treinar com as categorias de base do clube já no início de 2014 e na pré-temporada de 2014/2015 ganhou sua primeira oportunidade, em partidas amistosas. Na ocasião, o Manchester City viajou aos Estados Unidos e Iheanacho foi utilizado em algumas partidas, anotando gols contra Sporting Kansas e Milan e aumentando a expectativa em torno de seu futebol, que demorou a ser visto oficialmente pelo torcedor do clube.

Foto: Divulgação/MCFC.co.uk

Foto: Divulgação/MCFC.co.uk

Além do aguardo do alcance de sua maioridade, outro fator que atrasou sua inclusão na equipe principal do City foi a obtenção da licença necessária para seu registro na Federação Inglesa, que só saiu no início de 2015. Após a oficialização de sua chegada, o torcedor dos Citizens continuou tendo que aguardar a presente temporada para vê-lo em campo, até mesmo porque a concorrência no ataque era pesada, com o treinador Manuel Pellegrini tendo Sergio Agüero, Edin Dzeko, Wilfried Bony e Stefan Jovetic ao seu dispor.

Veio 2015/2016 e novamente o jogador integrou a equipe na pré-temporada. Desta vez, no entanto, foi efetivado e tornou-se profissional. Embora não fosse esperado que o jogador ganhasse muitas oportunidades, lesões de Agüero e Bony, além das saídas de Jovetic e Dzeko, aconteceram e o técnico chileno não teve escolha senão lançar seu garoto em algumas partidas. Jogando poucos minutos de muitas partidas, o atleta vem mostrando suas credenciais e marcando alguns gols.

Foto: Divulgação/MCFC.co.uk

Foto: Divulgação/MCFC.co.uk

Sua estreia aconteceu na vitória do Manchester City contra o Watford, na 4ª rodada da atual edição da Premier League. No entanto, na ocasião o jovem substituiu Raheem Sterling no finalzinho do encontro, atuando por poucos instantes. Seu segundo jogo seria mais emocionante.

Diante de grande dificuldade contra o Crystal Palace, em partida válida pela 5ª rodada da EPL, Pellegrini, que via seu time empatar sem gols, o lançou. Iheanacho precisou de um minuto para anotar o tento da vitória e ganhar holofotes. Situação semelhante voltou a acontecer na 16ª rodada, quando precisou de menos de dez para marcar o gol da vitória azul contra o Swansea.

Foto: Divulgação/MCFC.co.uk

Foto: Divulgação/MCFC.co.uk

Rapidamente, o jogador se tornou opção frequente, tanto pelos lados quanto pelo centro do ataque. No Campeonato Inglês, já foi às redes três vezes, em 17 jogos – ou 346 minutos; um tento a cada 115 minutos.

https://www.youtube.com/watch?v=6CiZNwAvWzM

Todavia, o melhor jogo do garoto foi visto na FA Cup, ocasião em que atuou durante os noventa minutos, marcou um hat-trick e deu uma assistência, participando dos quatro gols que o clube marcou na goleada por 4×0. No total da temporada, Iheanacho tem nove tentos em 22 jogos.

“Kelechi é um jovem jogador muito bom. Deixamos Jovetic e Dzeko saírem porque eu vejo Kelechi todos os dias e sei o que ele pode fazer. Estou muito feliz”, disse Pellegrini à BBC Sport, após o jogo contra o Aston Villa.

O jovem canhoto vem mostrando algumas características importantíssimas para um atacante. Sua qualidade na condução de bola, inteligência nos deslocamentos, eficiência à frente da baliza e bom posicionamento têm empolgado as arquibancadas do Etihad Stadium, que finalmente tem podido vibrar com um jogador que passou por sua base, ainda que por um período de tempo curtíssimo. Fazendo referência a uma estatística que rodou o mundo, o jogador representa o 1,1% de jogadores formados na base do clube que integram o plantel principal.

Foto: Divulgação/MCFC.co.uk

Foto: Divulgação/MCFC.co.uk

Outro ponto interessante de ser analisado é o futuro do garoto. Na próxima temporada, Iheanacho passará a ser trabalhado pelas mãos de Pep Guardiola, mãos que já moldaram grandes jogadores. O nigeriano terá uma oportunidade ímpar de aprimorar seu jogo e ganhar ainda mais espaço no elenco – até mesmo porque o espanhol gosta de trabalhar com jovens e lhes dá tempo de jogo.

Hoje talismã, o nigeriano vem mostrando predicados que o credenciam ao protagonismo no futuro – talento, oportunismo e estrela. Aproveitando suas chances, Iheanacho vai solidificando seu lugar na equipe e desenhando um brilhante futuro para si.

Olho Nele!

Comentários

Advogado graduado pela PUC Minas, mestrando em Ciências da Comunicação (Universidade do Minho) e Jornalismo Esportivo (MARCA), 26 anos. Amante do futebol inglês, mas que aprecia o esférico rolado qualquer terra. Tem no atacante Marques e no argentino Pablo Aimar referências; e não põe em dúvida quem foi o melhor jogador que viu jogar: o lúdico Ronaldinho Gaúcho, na temporada 2004/05. Também n'O Futebólogo e na Revista Relvado.