Maicon no São Paulo é a transferência certa na hora certa

  • por Levy Guimarães
  • 5 Anos atrás
Foto: Rubens Chiri || saopaulofc.net

Foto: Rubens Chiri || saopaulofc.net


O São Paulo é, pelo menos desde o ano passado, um dos times brasileiros que mais têm tido traumas com seus zagueiros. Lembrado na década passada por sempre contar com um sistema defensivo sólido, nos últimos tempos o setor é sinônimo de dor de cabeça para torcida e treinadores que passaram pelo clube. Edson Silva, Rafael Tolói, Roger Carvalho, Antônio Carlos, Luiz Eduardo, Lucão… O difícil é achar algum que tenha agradado minimamente a torcida tricolor.

O último destes, inclusive, protagonizou o momento de bizarrice mais recente na defesa são-paulina. Se já não bastassem as várias falhas de Lucão no ano passado – inclusive em clássicos – o presente que o prata da casa deu para o gol de Lucca no último domingo só escancarou ainda mais o que todos sabiam: o São Paulo precisa de um zagueiro confiável. Sim, ainda falta estrear o ídolo Diego Lugano e Breno está machucado. Mas pela idade avançada do uruguaio e pelo histórico recente do ex-zagueiro do Bayern, não se pode ter certeza que nenhum dos dois vá garantir uma defesa realmente segura em 2016 (mesmo Lugano podendo ter uma contribuição grande na parte motivacional da equipe). E Rodrigo Caio é uma alternativa interessante, mas pode render melhor se atuar no meio-campo.

Foto: Reprodução

Trajetória sólida na Europa

Maicon é daqueles jogadores que saem bem cedo do Brasil e quase ninguém tem notícias dele por aqui. Revelado pelo Cruzeiro, onde foi campeão da Copa São Paulo, em 2007 (em cima do próprio São Paulo), o zagueiro de 27 anos não chegou a ser aproveitado no profissional do clube celeste e chegou aos 19 em Portugal. Após boa passagem pelo Nacional, em 2008, chegou ao Porto no ano seguinte. E foi no maior campeão português do século que ele se firmou.

Logo em sua segunda temporada pelos Dragões, já se tornou titular ou, no mínimo, um reserva bastante utilizado. Em seis anos e meio pelo clube, fez 183 partidas, conquistou 3 campeonatos portugueses, 2 Taças de Portugal e a Liga Europa no histórico time de 2010/2011, que também venceu o principal torneio nacional de forma invicta. Já na temporada seguinte, foi essencial na conquista do bicampeonato português, marcando o gol da vitória no clássico decisivo contra o Benfica, em pleno Estádio da Luz, por 3×2, de virada, aos 42 do segundo tempo. A confiança da torcida e dos treinadores em Maicon foi só aumentando, fazendo com que, em muitas ocasiões, carregasse a faixa de capitão da equipe – como no seu último jogo pelo clube, no domingo de carnaval.

Mas afinal, por que o Porto iria se livrar de um jogador ainda jovem e com história dentro do clube?

A temporada 2015/2016 de Maicon é para se esquecer. Apresentando-se em um nível abaixo do normal, o brasileiro vinha falhando em jogos importantes, como no clássico contra o Sporting no José Alvalade e em tropeços contra adversários bem mais frágeis no campeonato e na Taça da Liga. Não bastava ser um dos jogadores mais criticados por torcida e imprensa nos últimos meses, veio a gota d’água na derrota em casa para o Arouca, por 2×1, no dia 8 de fevereiro: logo após uma falha grotesca no segundo gol arouquense, alegou uma lesão e pediu para ser substituído, mas antes mesmo de a substituição ser efetuada, o capitão abandonou o gramado e deixou o time com dez em campo, tomando uma sonora vaia no Estádio do Dragão. O ato causou revolta até de ex-jogadores portistas, como o ex-capitão Rodolfo Reis, bicampeão português pelos Dragões nos anos 70.

Para piorar o cenário, a esposa do jogador postou em sua conta no Instagram acusando o departamento médico de nunca curar o zagueiro, que, segundo ela, estaria jogando lesionado há quatro meses, e se referindo aos médicos do clube como aqueles “que se dizem doutores”. Desprestigiado pela torcida e duramente criticado pela imprensa, já não havia mais clima para o brasileiro continuar.

insta esposa de Maicon
Maicon no São Paulo parece um casamento perfeito no momento. Um bom zagueiro que tenta se reencontrar na carreira chegando a um time que vive problemas crônicos no miolo de zaga e precisa urgentemente de alguém que passe confiança por ali. O contrato de empréstimo que foi assinado tem seus problemas. O principal deles, o fato de durar só até 30 de junho, ou seja, caso o Tricolor chegue a uma eventual semifinal de Libertadores, o defensor estará de fora. De qualquer forma, resta saber se Maicon vai ter foco para esquecer a crise vivida em Portugal e dar um pouco mais de solidez à instável defesa são-paulina.

Comentários

Estudante de Jornalismo e redator no Placar UOL Esporte, belo-horizontino, apaixonado por esportes e Doente por Futebol. Chega ao ponto de assistir a jogos dos campeonatos mais diversos e até de partidas bem antigas, de décadas atrás.