O homem mais versátil do futebol

  • por Jessica Miranda
  • 3 Anos atrás

Vamos começar a partir do fim triste e lamentável: Jimmy Hill está morto. Em dezembro passado, não aguentou mais os sete anos de luta contra o Alzheimer. Mas a sua doença não nos fará esquecer de sua história, a do homem mais versátil que o mundo do futebol já conheceu.

Nascido no sul de Londres em 1928, filho de um entregador de pão e de uma dona de casa, a infância de Jimmy foi o clássico de dificuldades. Na adolescência, as coisas pioraram ainda mais: sua irmã faleceu ao ser atropelada e seu irmão sucumbiu na Segunda Guerra Mundial. De forma até ingênua, na intenção de diminuir a dor de sua mãe, Jimmy ficou obstinado a fazer sucesso.

“Se você quiser ser famoso, precisa aprender a sorrir”, disse Jimmy aos juniores do Corinthian-Casuals, clube amador em que foi presidente desde 1996. E como ele sabia sorrir. Em meio ao enorme e proeminente queixo avantajado, lá sempre estava o sorriso de Jimmy, emoldurado pela sua barba na idade adulta e bigode na fase idosa.

A relação de Jimmy com clubes de futebol, contudo, é de muito antes. Após passar por times amadores, Jimmy chegou ao Brentfort em 1949 para jogar a segunda divisão da Inglaterra. O ponta anotou 10 gols em 83 jogos antes de se transferir, após três anos, para o Fulham, onde permaneceu por nove temporadas e fez 276 jogos; marcou 41 gols.

Muito se aplaudiu Steven Gerrard pelo seu recente desabafo sobre o tempo vago dos jogadores ingleses, que poderiam aproveitar as brechas em prol do estudo para virarem técnicos no futuro. Jimmy Hill, 60 anos antes, mostrou a sua tendência visionária: já no início dos anos 50, concluiu o estudo para ser técnico e, enquanto ainda era jogador, treinou por quatro anos as equipes das universidades de Oxford e London. Sua sede de aprender o levou também a fazer um curso de arbitragem, o que foi útil em uma situação muito peculiar. No ano de 1972, em um confronto entre Arsenal e Liverpool no antigo Highbury, o bandeirinha se machucou e, como não havia substituto, o jogo não poderia continuar. A não ser que alguém da plateia fosse habilitado. E lá foi Jimmy bandeirar.

O ano de 1961 foi um divisor de águas para Jimmy e o futebol na Inglaterra. Foi o ano em que se aposentou profissionalmente e que comandou, como presidente da associação dos jogadores, uma campanha que aboliu o teto máximo que poderia ser pago a jogadores, na época 20 libras semanais.

Não demorou um ano, após ter pendurado as chuteiras, para que Jimmy assumisse um time profissional. O escolhido foi o Coventry City, que hoje está na terceira divisão da Inglaterra e conta com Joe Cole (aquele mesmo) em seu elenco. Para a cidade de Coventry, 1961 também representou uma mudança drástica. Surgiu uma nova febre: a Sky Blue Revolution, com a mudança da cor do uniforme para um azul cor do céu e a criação do Sky Blue Train para levar os jogadores às partidas fora de casa.

Além disso, o interesse dele por táticas era de longa data. Enquanto ainda era jogador do Fulham, ficou estupefato com o massacre húngaro sobre a Inglaterra, em 1953. “Esses jogadores são de outro planeta.” De outro planeta também era Jimmy: com o apoio da diretoria e o amor dos torcedores, levou o Coventry à segunda divisão em 1964 e à primeira em 1967, pela primeira vez na história. Porém, nunca chegou a comandar o time no topo, já que resolveu se arriscar na televisão.

Começou como comentarista, em 1967, para o ITV. Em 1973, se mudou para a BBC para apresentar o icônico Match of the Day, programa que apresentou até 1999. Por fim, neste pequeno resumo, trabalhou no Sky Sports de 1999 a 2006, data em que parou por conta de sua doença. Como apresentador, inovou com os replays em slow motion, para ver gols e decisões polêmicas, com as análises antes e durante o jogo.

“Graças a Deus saímos com os três pontos.” Uma das frases padrões dos robotizados jogadores poderia nunca ter existido se não fosse Jimmy Hill, que encabeçou uma campanha para a vitória valer 3 pontos. O objetivo era “apimentar” o jogo, oferecer mais àquele time que busca o gol. A Inglaterra foi a pioneira em sua adoção, no ano de 1981. Os três pontos só passaram a ser obrigatórios em 1994, com a Copa do Mundo dos EUA.

Jimmy voltou ao Coventry em 1975 primeiro como diretor, depois como presidente. Se ele atrasou a partida final da temporada de 1976-77 em dez minutos e foi acusado pelos torcedores do Sunderland de fazer isso propositalmente para rebaixar os rivais, também foi responsável pela inovação do Highfield Road. O estádio do Coventry foi o primeiro  na Inglaterra a ter assentos em todos os setores, em 1981, dada a preocupação de Jimmy com o conforto do torcedor. Ainda sobre a sua carreira de cartola, assumiu a presidência do Charlton em 1983 e retornou também ao Fullham, em 1987, para salvar o clube da extinção e da fusão com o Queens Park Rangers.

Jimmy foi de tudo um pouco e o mundo do futebol só tem a agradecer ao homem mais versátil do esporte.

Comentários

Uma versão petit da mistura entre Romário e Cantona que se mete a escrever de vez em quando.