O Middlesbrough está de volta à Premier League

  • por Lucas Sousa
  • 3 Anos atrás
Foto: Facebook Oficial - Jogadores festejam o acesso à Premier League

Foto: Facebook Oficial – Jogadores festejam o acesso à Premier League

O Middlesbrough finalmente está de volta à elite do futebol inglês. Após sete anos na segunda divisão, o tradicional clube do norte da Inglaterra voltará a disputar a Premier League. Na temporada passada o time bateu na trave ao ser derrotado nos playoffs de acesso pelo Norwich e agora garante o acesso direto à primeira divisão após terminar a primeira fase em segundo lugar, subindo juntamente com o campeão Burnley. Campanha sólida, mas com final dramático: a classificação só veio na última rodada com um empate frente ao terceiro colocado Brighton, que deu a vaga ao Boro pelo saldo de gols.

Capture

O merecido retorno do Middlesbrough à primeira divisão passa muito pelo jovem treinador Aitor Karanka, de 42 anos. Ex-jogador do Real Madrid, Karanka foi auxiliar técnico do clube merengue durante as três temporadas em que José Mourinho esteve na Espanha. Esse período lhe rendeu grandes aprendizados e parece ter moldado suas ideias de jogo, uma vez que o futebol do Boro tem características do jogo de Mourinho: pragmático, com uma defesa sólida e ataques verticais. Embora não seja vistoso, foi bastante eficiente.

Primeiro treinador não britânico da história do clube, Karanka chegou sob desconfiança e teve de mostrar dentro de campo que tinha capacidade para resgatar o Middlesbrough. Pegou uma equipe que havia sido 16ª colocada em 2012/13 e a levou para os playoffs dois anos depois, conseguindo o tão sonhado retorno logo na terceira temporada. A evolução é sustentada por um desempenho defensivo excepcional.

O time de Karanka teve a melhor defesa da Championship nas últimas duas edições (respectivamente, 37 e 31 gols sofridos), sendo que nesta temporada foi vazada míseras oito vezes em 23 partidas dentro de casa. Se somarmos com o ano anterior, o time levou 20 gols em 46 jogos nos seus domínios. Nesse setor, destacam-se o lateral esquerdo George Friend, os jovens Ben Gibson e Tomas Kalas (emprestado pelo Chelsea) e, principalmente, o zagueiro Daniel Ayala, forte fisicamente e muito bom no jogo aéreo. Sem dúvidas a fortaleza do Riverside Stadium foi outro fator determinante na campanha do retorno.

Foto: Facebook Oficial - Karanka com o prêmio de treinador do mês de abril

Foto: Facebook Oficial – Karanka com o prêmio de treinador do mês de abril

No outro extremo, o Boro conta com bons jogadores capazes de decidir partidas. Ao invés de um goleador nato, cinco jogadores dividem mais da metade dos 63 gols anotados. David Nugent, emprestado pelo Leicester, foi à rede oito vezes; os uruguaios Gastón Ramírez e Cristhian Stuani, ambos membros do plantel celeste que disputou a última Copa, marcaram sete vezes cada; Albert Adomah e Jordan Rhodes, que chegou no meio da temporada, seis. A título de comparação, o artilheiro da Championship, Andre Gray, fez 23 gols, números que mostram uma grande força coletiva apesar de um desempenho ofensivo razoável.

Foto: Facebook Oficial - Stuani comemora o gol que daria a classificação para o Boro

Foto: Facebook Oficial – Stuani comemora o gol que daria a classificação para o Boro

Quem também ganhou destaque na reta final da temporada foi Ritchie de Laet. O lateral só entrou em campo dez vezes pelo Boro, mas alcançou o feito de ser vice-campeão da Championship e campeão da Premier League na mesma temporada. Isso porquê ele foi emprestado pelo Leicester ao Middlesbrough em fevereiro e já havia feito mais de cinco partidas pelos Foxes, número mínimo de aparições para também ser considerado “campeão” da primeira divisão. E o belga não ficou fora da festa do título mesmo após ter trocado de camisa.

No dia 7 de maio, data marcada para a entrega da taça para o Leicester, de Laet foi relacionado para a última rodada da Championship, diante do Brighton. Terminado o jogo e selada a classificação, o jogador partiu para sua antiga casa e foi comemorar o título da primeira divisão com os ex-companheiros do Leicester. Em uma tarde, de Laet ganhou duas medalhas de campeonatos nacionais.

Pensando na Premier League 2016/17, o Middlesbrough terá um grande desafio pela frente. Desde que o mecanismo do playoff de acesso foi implantado, em 2004/05, em apenas um ano nenhuma das três equipes que subiram à Premier League caíram na temporada seguinte. Seguindo esse retrospecto, o primeiro objetivo deve ser a permanência. Para isso, manter o ótimo funcionamento defensivo deve ser essencial, uma vez que os adversários agora serão Diego Costa, Harry Kane, Kun Aguero, Wayne Rooney e por aí vai.

A situação preocupante está no setor ofensivo. Nugent, Stuani e Kike Sola, três dos quatro atacantes do elenco, terão seus empréstimos encerrados ao final da temporada, mesma situação do meia Ramírez. Segurar esses destaques para manter uma boa base para a próxima temporada é passo importante na luta pela permanência, já que não precisará remontar o ataque no retorno à elite. De qualquer forma, reforços chegarão ao clube do norte, principalmente pela injeção financeira resultante do acesso.

Somadas as cotas de televisão com as projeções de melhora nos patrocínios e bilheteria, os três times que subirão para a Premier League na próxima temporada receberão em torno de um bilhão de reais (200 milhões de libras) nos próximos três anos. Mesmo que algum dos promovidos seja rebaixado, um sistema de segurança das finanças garante que essa verba entre nos cofres dos clubes. Adição que será de extrema valia diante da nova realidade do Middlesbrough.

Foto: Facebook Oficial - Time e torcida comemoram o acesso no Riverside Stadium

Foto: Facebook Oficial – Time e torcida comemoraram o acesso no Riverside Stadium

Encarar a liga mais cara do mundo vindo da segunda divisão é sempre muito complicado. O choque técnico e financeiro, até mesmo com a “ajuda” das cotas de TV, é muito grande. O Boro aposta em um pupilo de Mourinho, um dos maiores vencedores da Premier League, na forte defesa e na fortaleza do seu estádio para se firmar na elite mais uma vez. De qualquer modo, é sempre legal ver um clube de 140 anos de história na primeira divisão de seu país.

Comentários

Mineiro e estudante de jornalismo. Admira (quase) tudo que cerca o futebol inglês, não esconde seu apreço por times que jogam no contra-ataque (sim, sou fã do Mourinho) e acha que futebol se discute sim. Também considera que a melhor invenção do homem já ultrapassou os limites do esporte.