A ascensão de Vitor Bueno

A campanha do Santos no Brasileirão é surpreendente. Muitos são os motivos que nos permitem fazer tal afirmação. O moderado orçamento do time praiano, o trabalho do treinador Dorival Júnior, e o sucesso mesmo diante de inúmeras ausências de jogadores lesionados e de outros chamados a representar a Seleção Brasileira são alguns deles. Outro motivo é o desempenho do jovem Vitor Bueno, artilheiro do time no Campeonato Brasileiro, com 10 tentos.

Foto: Santos FC | Vitor Bueno comemora com Ricardo Oliveira

Foto: Santos FC | Vitor Bueno comemora com Ricardo Oliveira

Ao contrário do que se poderia pensar, o meia não é um Menino da Vila. Hoje com 22 anos, o atleta começou sua formação no Monte Azul, passou pelo Bahia e completou-a no Botafogo de Ribeirão Preto, clube que tem bela história no desenvolvimento de atletas. Foi contratado pelo Santos em 2015, inicialmente por empréstimo e para representar o time sub-23 santista.

Teve suas primeiras oportunidades inda naquele ano, mas só começou a brilhar já na metade final do Campeonato Paulista.

Título paulista e golaço acendem holofotes

No início do ano, Vitor Bueno ainda não era titular do Peixe. Demonstrando alguma irregularidade, que persistiu até o início do Brasileirão, o jovem precisou cavar seu espaço na Vila. Concorrendo a uma vaga no time com várias peças de diferentes estilos, dentre elas a do recém-chegado Paulinho, que vinha do Flamengo, o jogador vivenciou um período de testes no clube.

Foto: Thiago Calil/ João Valdevite/ Agência Botafogo | Vitor Bueno ainda nos tempos de Botafogo

Foto: Thiago Calil/ João Valdevite/ Agência Botafogo | Vitor Bueno ainda nos tempos de Botafogo

Sua estreia na temporada aconteceu já no segundo jogo do ano, vitória por 2×0 contra a Ponte Preta, ocasião em que só pôde atuar por pouco mais de 10 minutos. Do banco, acompanhou o time até 11ª rodada da competição e, nesse período, entrou no decorrer da maior parte das partidas, enquanto peças como Serginho, Rafael Longuine, Joel e Pato Rodríguez eram testadas na equipe titular, que ainda buscava sua melhor formação. Na 12ª, justamente um clássico contra o São Paulo, foi finalmente titular.

Início da guinada no Peixe

Como se nota, somente na fase final do Campeonato Estadual o jogador ganhou espaço, muito dele em função de uma pintura assinada na 14ª rodada, em partida contra o modesto Capivariano. Na ocasião, recebeu bola vinda da esquerda para a direita, deu um drible da vaca em um dos defensores rivais e tocou sutilmente, cavando a bola por cima do arqueiro. Golaço que ao final da competição seria eleito o mais bonito de todo o campeonato; “L1 + quadrado” foi a forma como o jogador descreveu seu tento, na linguagem dos boleiros dos videogames.

https://www.youtube.com/watch?v=OyUam1XjUGs

Mais à frente, o garoto voltou a ser decisivo. Nas quartas de finais, contra o São Bento, foi o autor dos dois gols que deram a vitória ao Santos. Um deles, novamente, muito bonito. Após troca de passes com Gabigol, recebeu a bola na entrada da área adversária e de trivela enviou a bola ao ângulo superior direito do goleiro rival.

Ao final, o título Paulista chegou à Baixada Santista e, mesmo sem ter sido protagonista, Vitor Bueno se mostrou peça importante, ganhou a confiança de Dorival Júnior e a titularidade para o início do Brasileiro.

https://www.youtube.com/watch?v=dpZ5wHdgj-M

Protagonismo no Brasileirão

Titular desde o início da competição nacional, Vitor Bueno começou a mostrar importante faro de gol e perícia nas finalizações. Embora tenha vivido novo momento de instabilidade, que lhe rendeu algumas críticas, o meia passou a ser decisivo. Sua primeira contribuição direta veio já na 2ª rodada do Brasileirão – gol que deu início à reação do time contra o Coritiba.

Foto: Santos FC | Vitor Bueno comemora

Foto: Santos FC | Vitor Bueno comemora

Sua importância, todavia, cresceu mesmo quando Lucas Lima e Gabigol se apresentaram à Seleção Brasileira, para a disputa da Copa América Centenário. Naquele momento, Ricardo Oliveira também foi ausência, lesionado. Nas cinco rodadas em que o clube não teve sua dupla de selecionáveis, o Peixe venceu duas partidas, empatou uma e perdeu duas. Vitor marcou no empate contra o Figueirense e na vitória contra o Botafogo.

Após, voltou a ser muito importante em outras partidas, o que inclui dois dos clássicos que o Santos disputou, balançando as redes nas vitórias contra São Paulo e Corinthians. Se houve críticas quanto ao desempenho irregular do jogador, não se pode dizer que o atleta tenha se omitido em partidas importantes. Isso voltou a se verificar na partida contra o Santa Cruz, ocasião em que o meia marcou um belíssimo gol de perna canhota no apagar das luzes, garantindo a vitória santista.

https://www.youtube.com/watch?v=sQv03LnVFdc

Assim, tornou-se o artilheiro do time e vice da competição. O meia se destaca mais pelos gols do que pelas assistências (apenas três). Mas tem demonstrado impressionante personalidade. Vitor vem crescendo em horas difíceis e não se deixando abater com as críticas originadas de seus momentos de instabilidade.

É importante ressaltar também a importância da contratação de Jonathan Copete. O colombiano, que se adaptou rapidamente ao futebol brasileiro, vem dando importante suporte à equipe e ao desenvolvimento de Vitor.

Preocupação para Dorival

Foto: Santos FC | Vitor Bueno é um dos principais jogadores do Brasileirão

Foto: Santos FC | Vitor Bueno é um dos principais jogadores do Brasileirão

Entretanto, na partida contra o Sport, o jogador sofreu lesão na coxa e tem sua continuidade ameaçada. Isso certamente preocupa Dorival Júnior, pois perde seu grande destaque na luta por vaga na Copa Libertadores.

Hoje, a despeito das presenças de Lucas Lima e Ricardo Oliveira, é Vitor Bueno o protagonista santista no Brasileirão.

Como atua Vitor Bueno no esquema santista?

Está muito clara a importância de Vitor Bueno para a ótima campanha do Santos. Mas como atua o jovem talento?

Impressionantemente útil nas movimentações ofensivas, o meio-campista destro circula por todas as faixas do meio-campo ofensivo. Forma importantes parcerias com o colombiano Jonathan Copete e com Lucas Lima, com os quais troca de posição constantemente. Essa circulação é também importante porque permite que se posicione muitas vezes em condição de finalização, seu grande atributo.

Foto: Ivan Storti/ Santos FC | Vitor Bueno esperou por sua chance e a agarrou

Foto: Ivan Storti/ Santos FC | Vitor Bueno esperou por sua chance e a agarrou

Com a saída Gabigol, a tendência é que o Santos atue com um trio de meias formado por Copete, Vitor Bueno e Lucas Lima. O primeiro, o mais veloz deles, aberto pela faixa esquerda; o segundo mais centralizado, trocando de posições com os dois e buscando sempre a finalização. E o terceiro, o mais técnico, buscando encontrar espaços nas defesas adversárias. Oferecendo passes açucarados e colocar seus companheiros na cara do gol.

“O Vitor Bueno (…) era do Botafogo (…) se assemelha muito a forma do Raí de jogar, lembra muito em alguns aspectos, guardadas as devidas proporções”. Disse o treinador Dorival Júnior ao programa Resenha ESPN.

Foto: Santos FC | Após chegar por empréstimo, Vitor firmou contrato até 2020

Foto: Santos FC | Após chegar por empréstimo, Vitor firmou contrato até 2020

Com contrato até 2020, o jogador vai se desenvolvendo muito rapidamente. Ainda mostra sinais de irregularidades, comuns à idade, porém, revela características importantíssimas e cada dia mais difíceis de se encontrar. Meia com faro de gol, lampejos de genialidade (como o gol contra o Capivariano) e muita movimentação.

Vitor Bueno vai construindo uma trajetória que promete muito sucesso.

Comentários

Advogado graduado pela PUC Minas, mestrando em Ciências da Comunicação (Universidade do Minho) e Jornalismo Esportivo (MARCA), 26 anos. Amante do futebol inglês, mas que aprecia o esférico rolado qualquer terra. Tem no atacante Marques e no argentino Pablo Aimar referências; e não põe em dúvida quem foi o melhor jogador que viu jogar: o lúdico Ronaldinho Gaúcho, na temporada 2004/05. Também n'O Futebólogo e na Revista Relvado.