A caminhada de Edin Džeko até seu recorde na Roma

  • por Raniery Medeiros
  • 6 Meses atrás

Amado e odiado por onde passou, Edin Džeko encerrou a temporada 2016/2017 em alta na Itália. Quando trocou Manchester por Roma, o bósnio teve como principal meta a revitalização de sua carreira. Em sua segunda temporada com os Giallorossi, quebrou recordes semana após semana. Tido como atacante grosso e desleixado por muitos torcedores, Edin demonstra que seu faro de gol voltou de maneira intensa e eficaz; bem como quando atuou no Wolfsburg.

Altas expectativas (não alcançadas) no City

Sua passagem pelo Manchester City, entre títulos e oscilações, pode ser considerada boa. Mas, a torcida dos Citizens sempre viu Dzeko como uma espécie de decepção. Chegou com status de goleador mortal, graças a sua passagem espetacular pelo Wolfsburg. Nos Lobos, o matador balançou as redes 85 vezes em 142 jogos; e ainda distribuiu 35 assistências. Foi campeão da Bundesliga 2008/2009 e artilheiro da mesma na temporada 2009/2010 (22 gols). Suas empolgantes estatísticas convenceram o Manchester City a investir por volta de 36 milhões de euros em sua contratação (temporada 2010/2011).

 

Mas com o tempo, e até mesmo pela importância de Sergio Agüero, foi perdendo posição de destaque. Aliás, ainda pelos Citizens, pode-se avaliar seu bom ano em 2013/2014. Participou de forma mais ativa das partidas e encerrou a temporada com 26 gols e 16 assistências em 42 jogos.

 

Porém, sua temporada 2014/2015 foi sua última em Manchester. Marcou pífios 06 gols e 04 assistências em 32 jogos. Viu sem tempo em campo reduzir para 48% do que havia jogado na temporada anterior (caiu de 3241 minutos para apenas 1556). Com o moral baixo, teve de repensar no que fazer em sua profissão. Eis que surgiu a chance de jogar pela Roma, e com ela a oportunidade de voltar a ser efetivo.

Um empréstimo para reavivar sua carreira

Talvez nem o romanista mais fanático acreditaria que, ao olhar para a tabela de artilheiros do campeonato italiano, encontraria Džeko no topo da lista. Apesar de goleador, o bósnio também é capaz de perder gols fáceis, daqueles que tiram a paciência do torcedor.

 

Porém, ele não vem desagradando em sua passagem pelo time da capital italiana, muito pelo contrário. Ao chegar por empréstimo, teve início “lento”. Marcou apenas 10 gols e 06 assistências em 39 jogos (temporada 2015/2016). Porém, foi o suficiente para Džeko convencer o clube a pagar 11 milhões de euros (aproximadamente) para sua permanência em definitivo.

 

Analisando seu estilo friamente, não restam dúvidas de que se trata de um bom jogador. Sendo assim, a perspectiva para o torcedor da Roma é a melhor possível, ainda mais levando em conta o baixo investimento para trazê-lo. Resta ao atacante manter a regularidade apresentada na temporada 2016/2017.

2016/2017: a melhor temporada pessoal para Džeko

Para compreender melhor o que menciono, sugiro olhar para trás. Mas com cautela, e dessa forma atribuir seu nível de performance mediante sua quantidade de gols pelos clubes aos quais atuou. Apenas os gols? Isso não é forte indicativo de uma boa ou péssima temporada. De fato, não é o argumento mais plausível para enaltecer o bom ano do bósnio, sobretudo quando não encontramos um título coletivo pelo time da capital italiana. Mas, quando compreendemos o grau de importância em seus 39 gols, muda-se o contexto da temática em questão.

 

Džeko bateu um recorde pessoal, que perdurava desde 2009, quando anotou 36 gols pelo Wolfsburg. Além do ótimo desempenho, foi campeão da Bundesliga naquela temporada. Formou uma dupla inesquecível com o brasileiro Grafite. Seus números de 2008/2009 o colocaram em evidência; destacaram-no como um atacante letal dentro da pequena área. Para um atacante brilhar na Itália, conhecida pelos fortes sistemas defensivos, seria preciso o algo a mais para voltar aos holofotes. E o bósnio conseguiu.

Embora não seja o matador dos sonhos dos Giallorossi, o camisa 9 deixou o pífio desempenho em 2015/2016, para assumir o protagonismo neste ano. Não à toa foi o goleador do Calcio, e ajudou a levar seu clube à próxima edição da UEFA Champions League. Mas o que Edin fez de tão extraordinário? Vamos aos fatos.

Recorde pessoal

Como citamos anteriormente, quebrou sua própria marca. Os 36 gols em 2008/2009, pelo Wolfsburg, foram deixados para trás ao anotar dois gols no combalido time do Milan.

 

Encerrou a temporada com impressionantes 54 participações em gols da Roma em 51 jogos:

Na temporada 2008/2009, Dzeko participou de 48 gols em 42 jogos do Wolfsburg. Foram 36 gols e 12 assistências.

Superando Francesco Totti

Totti é Deus, ídolo, tudo o que você possa imaginar. Logo, quebrar o recorde de uma lenda do clube é algo gigantesco. Não bastasse uma vez, o bósnio superou Il Capitano em duas oportunidades. Francesco fez 32 gols, computando todas as competições, em 2006/2007. E como já esclarecemos, Džeko marcou 39. Imaginar que alguém fosse superar tal feito é de arrepiar qualquer romanista.

Além disso, Totti foi às redes, pelo campeonato italiano 2006/2007, em 26 ocasiões. Já o nosso homenageado comemorou 29 vezes na última temporada. Ou seja, mesmo sendo um jogador inferior, quebrar uma marca de Francesco Totti diz muito de como foi a temporada de Edin. Antes de qualquer ato de revolta, não há nesta matéria uma comparação de quem foi/é melhor – até porque o jogador italiano é muito superior. Ilustra-se apenas o recorde superado.

META que faltava…

Diante de tantos números, restava apenas uma meta a ser batida. Em 1930/1931, Rodolfo Volk fez 29 gols no Calcio, marca recorde da Roma em sua rica história. Ao fazer o gol de barriga ante Genoa, nosso homenageado igualou a marca. Para um time de grandes artilheiros, Džeko registrou seu nome de vez na história do clube.

 

Todos esses números não o credenciam como o melhor ou maior goleador de um clube tão tradicional e vencedor. No entanto, não há como deixar de lado, justamente por se tratar da Roma, recordes de um atleta que chegou sob a desconfiança de boa parte dos torcedores, mas que atualmente só pensa em revitalizar sua carreira.

Edin Džeko, grosso ou não, é a esperança de gols da Roma e seus números mostram que ele merece confiança.

Comentários